Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Registro de jornalista

Por lgarcia em 05/03/2000 na edição 85

Edição de Marinilda Carvalho

 

O leitor Flávio Henrique de Barros pediu respostas a várias perguntas, e a presidenta da Federação Nacional dos Jornalistas, Beth Costa, o atendeu de forma cabal. A pessoa citada na coluna de Cláudio Humberto Rosa e Silva, porta-voz da presidência no governo Collor, que teria registro irregular de jornalista não é ela, mas uma homônima. Aliás, nem a homônima teve o registro cancelado, como afirmou Humberto, apenas relacionado no Diário Oficial da União.

Cláudio Humberto não se deu o trabalho de ligar para Beth, que mora em Brasília como ele, antes de publicar uma denúncia grave. Mas recebeu carta dela e retificou o erro em sua coluna. Nesta edição do Caderno do Leitor publicamos a longa mensagem que Beth nos enviou, a nosso pedido, esclarecendo os fatos (ver abaixo).

E Flávio Henrique de Barros? Por que não nos escreveu de novo, mandando a retificação dada por Humberto? Beth pretende levá-lo à Justiça, por espalhar inverdades pela internet. Flávio Henrique de Barros é do Rio – seu registro profissional, pelo menos, saiu do MTb-RJ, segundo sua carta ao O.I.. E foi no Rio que Beth Costa construiu carreira, de jornalista e de sindicalista, conhecida de todos.

Tudo isso só ajuda aos que agem para amordaçar a imprensa.

Desejo a todos que compõem o O. I. que continuem nesta marcha pela cidadania, são pessoas como vocês que nos dão alento, otimismo, nesta luta tão árdua para a conquista de liberdade e consciência ética. Estarei torcendo e no que for possível colaborando com vocês.

José Bernardino Ribeiro Carleial

 

A respeito do artigo de Alberto Dines Pastelão no Golias, publicado em 19/2/2000 no Jornal do Brasil, estava na hora de uma declaração destas do ministro Lampréia. Não é de hoje que as relações EUA-Brasil são indecentes. Julianno B. M. Sambatti

 

Ultimamente, a Globo tem feito reportagens de denúncias com relação ao INSS. Tem mostrado maus tratos a aposentados, corrupção de funcionários etc. Mas o interessante é o impacto que essas matérias tem no próprio INSS. Se o Fantástico ou o Jornal Nacional noticiam, no outro dia benefícios são concedidos, funcionários são exonerados e tudo é resolvido. Incrível! E isso só se aplica às matérias da Globo, parece que telejornais de outros canais não são importantes para serem levados a sério. O Brasil não precisava de uma reforma da Previdência, bastava privatizá-la, entregando à Rede Globo.

Tiago de Souza Godoi Junior

 

Abaixo, a carta aberta que enviei ao jornalista Álvaro Pereira Júnior, colunista da Folha, no caderno FolhaTeen (nem me perguntem o que estava fazendo ao ler aquilo). O colunista, caso não conheçam, é um desses antibrasileiros, que acham que é chique falar inglês e preferir música americana à brasileira. Típico da Folha: críticos que não gostam de um tipo de musica falando bobagens sobre discos.

“Caro Álvaro Pereira Júnior, conheço bem o seu tipo: o brasileiro que todos os dias desfere impropérios contra Deus pelo fato de ter nascido aqui e não na terra do Tio Sam.
Eduardo Sol

 

LEIA TAMBEM

Jornalista pode ter amigo? – Paulo Nogueira

 


Continuação do Caderno do Leitor

Use o e-mail para nos mandar sua contribuição

Para garantir a publicação de sua correspondência, use correio eletrônico. Críticas e denúncias contra veículos de comunicação citados nominalmente serão submetidas aos mesmos, para que tenham oportunidade de resposta simultânea à publicação da crítica ou denúncia.

Todos os comentários

Siga o Observatório da Imprensa
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Termos de Uso
x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem