Terça-feira, 19 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

PRIMEIRAS EDIçõES > **

Repórter decapitado, imprensa brutalizada

Por lgarcia em 01/01/2003 na edição 205

DANIEL PEARL (1963-2002)

Alberto Dines

Não deve ter sido o "adiantado da hora",
a concorrência de outros grandes assuntos ou uma velada
simpatia pela causa do terrorismo. Alguma coisa aconteceu
nos corações e nas mentes dos jornalistas brasileiros
que travou sua capacidade de reagir diante de um dos mais
bárbaros atentados jamais cometido contra um homem
de imprensa e, portanto, contra a própria imprensa.

O resultado deste travamento ? ou emasculação
? foi uma cobertura burocrática, convencional, desalmada.
Na sexta-feria, 22/2, pela manhã, os ingleses The
Guardian
e The Independent


WALL STREET JOURNAL

destacavam, horrorizados, a degola do repórter seqüestrado
e sua posterior decapitação.

Aqui, nestas amenas plagas, onde trabalhamos com uma vantagem de
três horas sobre as redações inglesas, nossos
jornalões foram álgidos. Os paulistanos deram chamadas
de uma coluna nos confins da primeira página em linguagem
gélida (Folha: "Jornalista feito refém
morreu, afirmam EUA"; Estadão: "EUA confirmam
morte de repórter seqüestrado"). Já os jornalões
cariocas sequer conseguiram enfiar a informação nas
suas edições nacionais. A sensibilidade do jornalismo
carioca foi salva pelo Jornal do Brasil no dia seguinte,
sábado, com uma chamada no alto da primeira página
usando as palavras apropriadas: "Jornalista americano foi degolado".

Na sexta à noite, dezoito horas depois das primeiras informações e, agora, com farto material disponível, nossos telejornais utilizaram a mesma frieza: o Jornal Nacional comoveu-se durante 1 minuto e 19 segundos, o Jornal da Record omitiu-se e o Jornal da Globo alongou-se por 2 minutos, quase o mesmo da edição das 22 horas na Globonews.

Nos jornais de sábado, domingo e segunda nenhum editorial. Isto significa que os donos da verdade não se sensibilizaram com a agressão sofrida pela instituição da qual pretendem fazer parte. O mesmo deu-se no âmbito dos opinionistas: embora profissionais como a vítima, não se importaram, não foi com eles. Honrosa exceção a do Ouvidor da Folha, embora seja sua obrigação incomodar-se com o que se passa na mídia.

Os semanários, ultimamente tão frívolos, não ficaram insensíveis. Mas à altura em que circularam, o clima horror já se desvanecera. Ficou o registro, apenas.

É possível aventar uma dúzia de hipóteses para explicar esse comportamento distanciado, quase indiferente, de jornalistas diante de uma violência destas proporções:

** a tragédia ocorreu no plano individual;

** foi acidente de trabalho, a vida continua;

** a operação jornalística desumanizou-se de tal forma que já não há espaço nem tempo para horror e indignação;

** o mal banalizou-se, nada surpreende;

** o viés ideológico antiamericano, o preconceito antijudaico e/ou a simpatia pela causa dos assassinos abafaram qualquer sentimento de solidariedade para com a vítima;

** complacência a-crítica.

Este é um caso de estudo que deveria ser desenvolvido em nossos centros acadêmicos. Com dez entrevistas no máximo pode-se obter uma razoável radiografia da nossa anima jornalística.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem