Segunda-feira, 22 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Rodrigo Rainho

Por lgarcia em 02/10/2002 na edição 192

VIOLÊNCIA & ESPETÁCULO

“O espetáculo acima do perigo”, copyright Folha de S. Paulo, 29/09/02

“?Quando entrei no local da chacina, logo vi uma criança que tinha levado um tiro na garganta. Aquilo me chocou muito, não tinha forças para trabalhar no restante do dia?, conta o assistente de externa do ?Repórter Cidadão?, Alexandre Carvalho Silva. Cenas como essa fazem parte do cotidiano dos profissionais de telejornais policiais, cujo ofício é correr em direção a tiroteios e perseguições -e ainda evitar que seu corpo se junte aos das vítimas. ?Brasil Urgente? (Band, seg. a sáb., 18h), apresentado por Roberto Cabrini, ?Cidade Alerta? (Record, seg. a sáb., 17h45), com José Datena, e ?Repórter Cidadão? (Rede TV!, seg. a sáb., 16h30), com Marcelo Rezende, são exemplos desses programas, que têm o sensacionalismo como principal atrativo e viraram febre a partir dos anos 90, quando surgiu o extinto ?Aqui Agora?. O sociólogo Laurindo Leal Filho, professor da USP e presidente da ONG Tver, não considera esses programas jornalísticos, mas de entretenimento, ?espetacularização da notícia?. ?Esse formato não tem como objetivo informar, mas emocionar. A forma como é filmado, sem cortes e ao vivo, dá sensação de que é mais real do que outros telejornais e de que tudo pode acontecer?, diz. Leal critica o horário de exibição desses programas: ?Sob o rótulo de jornalismo, eles desfrutam de horários à tarde, em que há muitas crianças assistindo. Elas são submetidas à banalização da violência, à dessensibilização. É lamentável ver sangue nessa faixa?. Adrenalina Não só o público está sujeito a essa dessensibilização à tragédia. Também os profissionais desses programas são crescentemente brutalizados pelo convívio com a violência.

Apesar dos perigos e impactos emocionais que enfrentam, a maioria dos entrevistados não trocaria de carreira. Roberto Novais, cinegrafista da Rede TV!, define seu trabalho como ?uma adrenalina que corre na veia?. ?Houve uma vez em que um assaltante fez reféns em uma casa. Eu gravava de um terreno em frente; de repente, ele começou a atirar na nossa direção. Me joguei ao chão?, conta.

Fátima Souza, repórter da Bandeirantes, escolheu essa carreira porque acredita em sua utilidade social. ?É importante exibir assaltos e mortes todos os dias. Se as autoridades já não tomam iniciativas, imagina se a imprensa não mostrasse.?

?Na hora, não pensamos nos riscos. É uma adrenalina incontrolável?, diz Rosana Cardin, repórter da Rede TV!. Recentemente, ela se equilibrou sobre um duto de água acima de um rio para mostrar um suicida. ?Para narrar no ar, preciso presenciar o fato, chegar perto?, diz.

Carlos Cavalcante, repórter da Record, conta o episódio mais tenso de sua carreira: ?Fui falar com traficantes e eles mostraram armas pesadas. Senti medo, estava à mercê dos criminosos.? Contudo, os repórteres não costumam ser bem-vindos pelos criminosos, resultando em agressões e ameaças. Fernanda de Luca, também repórter da Record, conta que foi agredida: ?O vizinho de um suposto assassino interrompeu uma entrevista que eu fazia na rua, deu socos na câmera, arrancou pedaços do equipamento e ameaçou a equipe?. ?Sentimos medo e tremedeira depois. Na hora, só pensamos em sair da situação?, afirma Fátima Souza. Ela lembra o momento mais perigoso que enfrentou: ?Fomos denunciar trabalho infantil em uma madeireira. O dono da empresa não gostou e saiu atirando na gente. Corremos, e o cara veio atrás, metendo bala. Só não fomos atingidos porque invadimos um batalhão da Polícia Militar?. Mas nem sempre a presença da polícia significa proteção para os profissionais de telejornalismo. ?Na hora do ?pega pra capar?, os policiais defendem a si próprios, esquecem da imprensa?, afirma o cinegrafista Nivaldo Lima, da Band. Para que o próprio cinegrafista não ?vire notícia?, ele recomenda manter distância de policiais, que podem virar alvo.

Filtro Cinegrafistas costumam ter sensação de maior proteção e distanciamento emocional do que repórteres durante situações de risco ou tragédia. ?Uso a câmera como uma espécie de escudo. Só lembro das imagens em preto e branco, do visor?, afirma Novais. ?Com o tempo, é normal se acostumar e ficar insensível às mortes, principalmente vendo só pelo visor?, diz Lima. Mas não foi sempre assim. O cinegrafista lembra sua primeira cobertura, uma chacina: ?Logo na entrada da casa, tive de pular o primeiro morto, o pai. Depois vi os filhos, também executados: dois embaixo da cama, e um menor encolhido num canto. Foi muito impressionante. Não olhava diretamente os corpos?. Banalização Mesmo estando acostumada a ver violência de perto, Cardin afirma não ter perdido a sensibilidade. ?Choro junto com as vítimas. Mas é preciso ter um distanciamento.?

Fátima Souza concorda: ?Não perdi ainda a sensibilidade. Quando vejo o pai de uma vítima ainda me emociono?.

Silva diz estar acostumado a encarar chacinas sem incômodo, mas ainda se comove quando há crianças entre as vítimas. ?Quando vejo adultos mortos, não ligo. Mas, se for criança, é diferente.?

Cavalcante, com 18 anos de carreira, afirma que seu trabalho não só tira a sensibilidade como cansa. ?Contorno isso fazendo natação e musculação.?

Para Fernanda, a receita é evitar ao máximo o envolvimento emocional. ?A violência desgasta. Quando saio do trabalho, me desligo; se não conseguisse, gastaria todo o meu salário em terapia.? (Colaborou Carla Meneghini)”

***

“Polícia desaprova presença de equipes de TV”, copyright Folha de S. Paulo, 29/09/02

“A polícia não apenas nega manter acordo de fornecimento de informação às TVs como desaprova o acompanhamento de repórteres em ações policiais perigosas. ?As equipes descobrem a operação para tentar ?dar o furo?. Para isso, escutam a frequência do rádio da polícia, o que só atrapalha?, diz a major Maria Yamamoto, da PM-SP.

?Evitamos a aproximação da imprensa em ocorrências de alto risco. Liberamos a cobertura apenas em casos mais leves, como prisão de estelionatários. Mas é difícil impor limites. Isso fica a cargo do comandante?, diz o diretor do Deic (Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado), da Polícia Civil de São Paulo, Godofredo Bittencourt.

?Quando ouve um disparo, o policial avança, se abrigando e protegendo. O repórter não tem habilidade nem capacitação para dominar a sua adrenalina?, afirma o major Paulo Frederico Caldas, da PM-RJ.”

***

“?Eu gosto de tiroteio?”, copyright Folha de S. Paulo, 29/09/02

“No início do mês, o cinegrafista da Band Júnior Alves virou notícia: ele ficou encurralado no meio de um tiroteio durante gravação no morro do Querosene, no Rio.

Em entrevista ao TV Folha, ele relembra o episódio.

Como aconteceu o tiroteio?

Em 13 anos de carreira, essa foi a pior situação. Subi o morro com a polícia. Encontramos um vagabundo armado, que deu tiros na gente. Todos se jogaram no chão. Fui atrás dos policiais, mas batemos de frente com mais cinco bandidos armados com fuzis. As rajadas eram tão grandes que pedaços de cimento e cápsulas batiam na gente. Os policiais atiravam também. Ficamos cercados. Pensei: agora vamos morrer. A sorte foi que liguei para a Band, que avisou à polícia.

Você já tinha vivido algo parecido?

Várias vezes. Eu gosto de tiroteio, de estar no meio. É minha especialidade, me dá prazer.

Vale a pena correr tantos riscos?

Pensando só no salário, não. Mas é emocionante, vivemos cenas de cinema. Adoro minha profissão. Acho que até ajudo a polícia. Mas depois que vi a gravação, percebi o perigo que passei. Me arrisquei pra caramba.”

 

VIOLÊNCIA & INFÂNCIA

“Jornais violentos são vistos por 93 mil crianças”, copyright Folha de S. Paulo, 28/09/02

“Em agosto, o violento ?Cidade Alerta?, da Record, foi visto diariamente por mais crianças de 4 a 11 do que a edição das 12h30 do infanto-juvenil ?Ilha Rá-Tim-Bum?, da Cultura. O sucessor do ?Aqui Agora? teve média diária de 54.798 mil crianças entre seu público na Grande São Paulo, contra 49.069 mil da edição das 12h30 de ?Ilha Rá-Tim-Bum?.

Dados do Ibope obtidos com exclusividade pela Folha mostram que os policialescos ?Cidade Alerta?, ?Repórter Cidadão? (Rede TV!) e ?Brasil Urgente? (Band) foram vistos em agosto por 92.987 mil crianças de 4 a 11 anos. Apenas 3.000 pessoas a menos do que a soma do público dessa faixa das três edições diárias de ?Ilha? (12h30, 15h30 e 19h30).

Quando somados crianças e adolescentes (12 a 17 anos), a audiência dos três telejornais superam o educativo. São 187.972 mil crianças e adolescentes sintonizados nas reportagens sobre crimes e perseguições policiais e 137.301 na atração da Cultura. Do público total de ?Cidade Alerta? e ?Repórter Cidadão?, 9% são crianças.

Para Ana Cristina Olmos, psicanalista especializada em crianças, a exposição a esses programas é maléfica. ?Esses programas são inadequados para o horário e mostram a violência de forma justificada, como uma maneira eficaz de se resolver problemas?, diz. A consequência: crianças amedrontadas ou com reações desproporcionais a provocações.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem