Domingo, 19 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > VOGUE

Ruth La Ferla

Por lgarcia em 01/08/2001 na edição 132

VOGUE

"?Vogue? dos EUA festeja mulher mais velha, copyright The New York Times / Folha de S. Paulo, 29/7/01. Tradução: Clara Allain

"Anna Wintour, a editora-chefe da revista ?Vogue? norte-americana, estava falando com franqueza. ?Estou com 51 anos?, disse Wintour. ?Em matéria de moda, minha principal orientadora é minha filha. Ela é a primeira a dizer ?mãe, você não pode sair com essa roupa?.

Bee Shaffer, 13, inspirou a mãe a declarar a edição de agosto da ?Vogue? norte-americana (que já está nas bancas) ?a edição da idade?. A capa da revista promete respostas à eterna pergunta sobre o que vestir, não apenas aos 17 anos, mas até os 70.

Numa cultura obcecada pela juventude, a iniciativa da ?Vogue? norte-americana de dirigir-se às leitoras de mais de 50 anos será vista por muitas pessoas como inovadora e corajosa. Afinal, a idade média de suas leitoras não passa dos 30.

Wintour diz que sua decisão foi movida menos por pesquisas de mercado do que por instinto editorial -e pela insistência não exatamente sutil de leitoras. Uma delas, a escritora e assinante frustrada Judith Krantz, escreveu a Wintour uma carta irada, criticando-a por mostrar na revista tão pouco que uma mulher como ela (Krantz) pudesse usar.

Os editores da ?Vogue? reagiram convidando Krantz a externar suas queixas na edição atual, que destacou uma galeria de beldades maduras do mundo da moda: Sigourney Weaver, 51, esbelta e flexível numa frente-única de cashmere preta; Mica Ertegun, 71, usando capa de cetim e maquiagem como a das atrizes do teatro cabúqui, e a atriz Charlotte Rampling, 56, com o rosto parcialmente escondido por uma nuvem de cabelo.Um punhado de fotos menores mostra Anne Bass, Iman, Annette de la Renta, Lauren Bacall, 76, e Brooke Astor, todas sem papada e sem manchas na pele.

Segundo o NPD Group, importante firma de pesquisas de mercado, as mulheres de mais de 65 anos gastaram US$ 14,7 bilhões em roupas em 1999, quase tanto quanto o que foi gasto pelas consumidoras de 25 a 34 anos que constituem o público-alvo da ?Vogue? norte-americana.

O NPD Group também constatou -o que é mais significativo- que os gastos das mulheres mais velhas tinham aumentado 12% em relação ao ano anterior, contra uma alta de apenas 0,1% no grupo das mulheres mais jovens.

Apesar dessas cifras, a idéia mais comum entre editores e anunciantes em revistas de moda é, há muito tempo, que as leitoras mais velhas não gostam de ver modelos de sua idade apresentando roupas para elas.

Mesmo assim, a ?Vogue? norte-americana de agosto, tradicionalmente a mais fina do ano, saiu com 172 páginas de anúncios -um aumento de 14% em relação ao ano passado.
A mensagem de que as leitoras de idade madura também têm interesse em moda é vista por alguns como hesitante e vinda com atraso.

?No que diz respeito à moda, as últimas fronteiras do preconceito são o excesso de peso e a idade?, diz Kevyn Aucoin, guru de beleza e autor de manuais de maquiagem que são best-sellers.

?A diferença de idade entre os editores das revistas, que estão na casa dos 40 ou 50 anos, e as garotas que eles mostram em suas páginas aponta para uma hipocrisia que é ridícula e preocupante. Chamar a atenção para a questão da idade equivale a chamar a atenção para o fato de que você há muito tempo a ignora?, afirma Aucoin.

A ?Vogue? norte-americana se aventurou numa área já tratada em uma série de filmes e revistas que retratam a mulher de mais de 50 anos como sendo sexy e glamourosa. Um deles é ?Triângulo das Paixões?, no qual Weaver faz uma caloteira de meia-idade, suficientemente bela para seduzir um homem mais jovem. Em ?Under the Sand?, uma reflexão francesa sobre a melancolia, Charlotte Rampling representa uma viúva de 60 e poucos anos que faz ginástica e transa. A câmera se demora sobre sua pele, obviamente envelhecida.

Esse tipo de abordagem direta é mais rara no mundo da moda. Nos últimos anos um punhado de estilistas -entre eles Helmut Lang e Issey Miyake- colocaram modelos mais velhas nas passarelas. As lojas Bloomingdale’s e Banana Republic têm mostrado modelos grisalhas em seus catálogos, e, de vez em quando, a ?W?, a bíblia de quem mais entende de moda, integra modelos mais velhas em suas páginas editoriais.

Em seu livro mais recente, ?Face Forward? (Little Brown, 2000), Aucoin apresenta várias mulheres que já deixaram a juventude para trás há muito tempo.

O exemplo mais fascinante é de sua própria mãe, Thelma, 66, pintada e vestida para parecer-se com Coco Chanel e Marlene Dietrich. ?Eu não poderia fazer esse tipo de coisa para uma revista?, diz Aucoin. ?Ninguém deixaria.?

Judith Krantz concorda que os gestos do mundo da moda em direção às leitoras mais velhas têm sido tímidos e previsíveis. Mesmo a ?Vogue?, afirma, ainda tem um longo caminho a percorrer. ?Não havia nem uma única mulher média na revista?, disse a escritora. ?Você não vai encontrar nesse número ninguém que não tenha um nome famoso ou muito dinheiro.?
Mas Anna Wintour acha que já ousou o máximo que pode. ?Não vimos nenhuma outra revista tratando da idade de maneira tão abrangente quanto nós?, diz.

Será que a ?Vogue? vai repetir a dose? ?Estamos pensando em transformar isso numa edição anual?, disse Wintour. ?Mas primeiro vamos ver como o público reage a esse número.?"

    
    
                     

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem