Terça-feira, 18 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1041
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Serra, um evento, três visões

Por lgarcia em 03/04/2002 na edição 166

ELEIÇÕES 2002

Raphael Perret Leal (*)

Na quinta-feira, 28 de março, José Serra, candidato do PSDB à presidência da República, compareceu à inauguração de um porto no Ceará, estado governado pelo correligionário Tasso Jereissati. Serra não falou em público, mas concedeu entrevista após o evento. Tasso foi o responsável pelo principal discurso da cerimônia.

Tratava-se de um fato frio, burocrático, sem muito apelo. Porém, a cobertura do evento por três jornais brasileiros teve enfoques tão diferentes que fica clara a simpatia ou a antipatia de cada veículo pelo candidato tucano ou mesmo pelo PSDB.

Abaixo um resumo do que noticiou cada um dos jornais (em ordem alfabética):

Folha de S.Paulo


Serra vira coadjuvante em festa organizada por Tasso

Além de não discursar, Serra ficou o tempo todo observando à distância enquanto Tasso recebia presentes e agradecimentos. O pré-candidato disse não ter discursado porque foi apenas "acompanhar" a inauguração. (…) Serra só falou durante a entrevista coletiva, em que resumiu suas propostas de governo. O programa, segundo ele, deverá excluir privatizações na área de saneamento básico e priorizar a diminuição da mortalidade infantil no Nordeste." [No mais, declarações em discurso indireto de Tasso durante a inauguração.]


O Globo


Serra defende investimento de R$ 3 bilhões

O candidato do PSDB à Presidência, senador José Serra, disse ontem que será preciso investir anualmente cerca de R$ 3 bilhões, nos próximos dez anos, para que a cobertura de saneamento básico no Brasil atinja níveis satisfatórios. (…) O governo Fernando Henrique, disse Serra, retomou os financiamentos de obras de saneamento básico com recursos do FGTS, paralisados desde o escândalo do Canal da Maternidade, durante o governo Collor, e da crise no sistema público de financiamento. [No mais, várias declarações de Serra, fazendo planos e vangloriando-se de sua atuação como ministro; ao lado, um box com a relação de Tasso e Serra durante a cerimônia.]


Jornal do Brasil


PSDB tenta selar paz interna

A paz reina no PSDB. Pelo menos, é o que a direção do partido se esforça para demonstrar. Ontem, no Ceará, a troca de amabilidades entre o senador e candidato à Presidência, José Serra, e o governador Tasso Jereissati em nada lembrava o clima de mágoa e ressentimento que há bem pouco tempo marcava a relação dos dois. (…) Mas o governador, que deixa o cargo em 5 de abril para disputar uma vaga no Senado, ainda alimenta mágoa porque acha que teve a candidatura à Presidência abalada por uma conspiração com o aval do Palácio do Planalto. Ontem, os ressentimentos surgiram nas entrelinhas do discurso de inauguração do complexo portuário, quando Tasso fez questão de frisar que é "discípulo"’ de Mário Covas. [No mais, comentários sobre o evento: motivo, presenças etc.]


(*) Analista de sistemas e jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem