Terça-feira, 15 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1059
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Soldado a perigo

Por lgarcia em 25/09/2002 na edição 191

TELETIPO

O soldado americano Maurice Threats, que trabalhava como sentinela do Centro Comum Alternativo de Comunicações do Exército, está sendo processado por tentar vender fotos das instalações militares a uma publicação da Filadélfia ? que o denunciou mas não quis se identificar. O quartel, mais conhecido como Site R, fica numa montanha na divisa dos estados da Pensilvânia e de Maryland. Resistente a ataques nucleares, foi construído durante a Guerra Fria e é fortemente guardado. Se Threats for condenado pelas acusações de transmissão de informações militares, corrupção e tentativa de obter vantagem como funcionário público, poderá pegar até 27 anos de prisão. Seu advogado, Thomas Thornton, disse que ele quis vender as fotos do exterior das instalações porque passa por dificuldades financeiras. A AP [13/9/02] informou que o soldado continua trabalhando, mas em outra função.

James Kaminsky será o novo editor da Playboy americana, substituindo Arthur Kretchner, que vai se aposentar após 30 anos no cargo e ajudou a selecionar o ex-editor da Maxim. Em poucos meses, é o segundo editor de novas revistas de sucesso nos EUA a ingressar em publicação tradicional para lhe dar novo fôlego. Há pouco, Ed Neddham, da FHM, assumiu a Rolling Stone. A Playboy sofre redução gradual de vendas desde a década de 70, quando sua tiragem era de 7 milhões. Em junho, vendeu 3,2 milhões. Restrição de venda em quartéis e redes de lojas que escondem a revista por pressão da direita religiosa têm prejudicado os negócios. O New York Post [9/9/02] brinca que, com Kaminsky, a Playboy deve ganhar novo humor: o jornalista é primo do comediante Mel Brooks.

Coalizão de companhias de mídia americanas, incluindo America Online, Yahoo e Time Inc., está doando espaço em seus meios para campanha de doação de sangue da Cruz Vermelha. O projeto, liderado pela Microsoft em parceria com a agência publicitária McCann-Erickson envolve centenas de empresas. As propagandas devem continuar a ser veiculadas até a primeira semana de outubro. "Se esse mês fosse anualizado, provavelmente constituiria a maior doação de espaço de mídia já feita", afirma David Grubb, diretor mundial de mídia da Microsoft, acrescentando que isso vale milhões de dólares. Segundo a Advertising Age [10/9/02], os anúncios divulgam o telefone da Cruz Vermelha e não citam as empresas apoiadoras.

Todos os comentários

Siga o Observatório da Imprensa
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade | Termos de Uso
x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem