Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

Uso indevido de informações

Por lgarcia em 02/10/2002 na edição 192

O GLOBO

Ivanete Boschetti (*)

Fui procurada pela jornalista Daniela Nahas, do jornal O Globo, interessada em fazer uma reportagem avaliando os programas de assistência social implementados pelo governo Fernando Henrique Cardoso, com base na pesquisa que desenvolvo com recursos do CNPq e no livro Assistência social no Brasil: um direito entre originalidade e conservadorismo, recentemente publicado.

Após dois encontros de mais de duas horas cada e uma entrevista gravada, qual não foi minha surpresa e indignação ao abrir o Globo no domingo, dia 22/09, e constatar que:

1. O texto publicado não é o mesmo redigido pela jornalista, apresentado a mim na quarta-feira (18/9) e que havia recebido autorização para publicação;

2. A matéria publicada, além de conter dois erros (diz que sou ex-assistente social e que a Lei Orgânica de Assistência foi aprovada em 1983, e não 1993) e restringir-se a um único aspecto da temática da reportagem inicial, sugere que critico apenas o Legislativo pelo uso de emendas parlamentares, e descontextualiza totalmente este fato da referida pesquisa.

Todas as pessoas que conhecem a pesquisa, inclusive seu órgão financiador, ou leram o livro sabem que o conteúdo e as conclusões são exatamente o contrário, e mostram o quanto o governo Fernando Henrique Cardoso modificou esta lei por meio de medidas provisórias, restringiu direitos, reduziu o número de pessoas beneficiadas em vários programas e projetos e extinguiu outros, além de ter utilizado largamente as emendas parlamentares para negociar e fortalecer apoios na bancada governista. Parte destas conclusões, comprovadas com dados pesquisados cientificamente, constavam do texto da jornalista que não foi publicado.

Assim, quero manifestar minha indignação e registrar o que considero um desrespeito do jornal O Globo com meu trabalho e minha pessoa, visto que utilizou, de forma completamente parcial, parte de informações da minha pesquisa, de modo a forçar uma análise positiva do governo Fernando Henrique Cardoso que, na área dos programas da Secretaria de Estado de Assistência Social, vem descumprindo a legislação.

Nesse sentido, gostaria de denunciar essa atitude do Globo, ressaltando que enviei o conteúdo deste email ao editor do caderno onde a matéria foi publicada, jornalista Gustavo Villela.

Nota de O Globo

Todas as informações publicadas na entrevista foram fornecidas pela professora. Em nenhum momento a repórter pediu autorização para publicar a matéria ou a entrevista. O esboço da matéria foi mostrado à professora para sanar algumas dúvidas da repórter. Com relação aos erros apontados pela professora, a repórter esclarece que a contra-capa do livro Assistência Social no Brasil: um Direito entre Originalidade e Conservadorismo  diz que Ivanete Boschetti foi assistente social da LBA por dez anos. De fato, a data da aprovação da Lei Orgânica de Assistência Social foi grafada incorretamente. Se todas as informações fornecidas não foram aproveitadas, isso se deve à falta de espaço. Não houve também qualquer intenção de apresentar a entrevista como uma avaliação positiva do governo. Tanto assim que a opinião da professora, dizendo que o clientelismo continua presente nas políticas de assistência social no Brasil, favorecendo a malversação dos recursos, consta da entrevista (Rodolfo Fernandes, diretor de Redação)

(*) Professora do Departamento de Serviço
Social da UnB

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem