Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > ***

Valéria Zukeran

Por lgarcia em 05/02/2003 na edição 210

FUTEBOL EM DISPUTA

“A diferença nas transmissões”, copyright O Estado de S.Paulo, 30/1/03

“Na disputa judicial entre a Rede Globo e o SBT fica a dúvida para o torcedor: afinal, qual será o horário do jogo e qual emissora irá transmitir a partida de seu time no Campeonato Paulista? As respostas para as duas perguntas ainda não estão definidas, mas existem indícios da posição que cada TV tomará.

O SBT afirma que não sabe ainda se irá transmitir os jogos, mas garantiu que sua grade de programação respeitará o que já está estabelecido na tabela divulgada pela Federação Paulista de Futebol. Assim, a emissora transmitirá os jogos de quarta-feira às 21 horas, os de sábado em rodada dupla às 16 e 18 horas e os de domingo às 11 horas.

A Globo dá a mesma informação do SBT: como não sabe se vai transmitir, não definiu o horário dos jogos. Mas, como tem acontecido nos últimos anos, a emissora faz com que os clubes se adaptem à sua programação. Se for mantido o formato do Campeonato Brasileiro, os jogos de quarta-feira provavelmente passam a ser transmitidos às 21h40 e os de domingo às 16 horas. Se a decisão da Justiça for favorável à Globo, a Record também passaria a transmitir os jogos, às quartas (20h30) e aos sábados (16 horas).”

“O que dizem os críticos”, copyright O Estado de S.Paulo, 30/1/03

“A disputa entre Globo e SBT pela transmissão ao vivo dos jogos do Campeonato Paulista pode afetar o principal interessado nas exibições: o telespectador. A opinião é dos críticos de TV Leila Reis e Ivan Ângelo, que condenam a briga de liminares, mas entendem ser saudável a diversidade estética das transmissões. ?O enfrentamento não beneficia ninguém, mas provoca a abertura do mercado. O SBT não possuía equipe esportiva e teve de contratar profissionais?, comenta Ivan, contrário à exclusividade de exibição dos jogos. ?As emissoras deveriam se unir, repartindo custos e obtendo lucros de acordo com as cotas de publicidade?, diz ele.

Para Leila, a polêmica mostra que a Globo não possui a hegemonia absoluta do mercado. ?Há 20 anos, a emissora carioca ganharia a briga devido ao seu poder econômico, mas acabou a época de vacas gordas?, comentou, lembrando também que a tecnologia, inacessível a outros canais, tornou-se mais barata.

?As emissoras comerciais de sinal aberto no Brasil estão tecnicamente no mesmo nível.?

A analista entende que a volta da emissora de Silvio Santos ao esporte trouxe uma estética de transmissão diferenciada ao torcedor. ?O futebol na Globo tornou-se previsível. É uma maneira do SBT agregar telespectadores cansados da ?fórmula global? e atrair seu próprio público, formado nos últimos anos.?

Em um ponto os analistas concordam: a novela judicial entre as emissoras ainda deve ter muitos capítulos. ?O único interesse das TVs é comercial e a Justiça é o caminho mais difícil para resolver o problema?, disse Leila. ?A polêmica lembra os leilões das estatais. Todos se esquecem do prejuízo ao consumidor, pois as emissoras não conseguem transmitir os jogos com plena capacidade?, opinou Ivan.”

O que o público prefere

As transmissões esportivas do SBT ganharam a preferência dos internautas que acessaram o site do Grupo Estado (www.estadao.com.br) e responderam à enquete ?Em que emissora você prefere ver jogos de futebol ?? A TV de Sílvio Santos teve 55,48% dos votos. Mesmo com tradição em eventos esportivos, a Globo ficou em segundo lugar, com 28,58%. A Record, que ultimamente também vem apostando no futebol, ficou em terceiro, com 15,94% (G.V.N.)

“SBT manda equipes, e Globo exibe pequenos”, copyright Folha de S.Paulo, 1/2/03

“Na Justiça, o caso deve permanecer estagnado, mas, em campo, as TVs devem protagonizar hoje mais um capítulo da disputa pela transmissão do Paulista.

A Globo, que por decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) detém a exclusividade do torneio, em fato raríssimo em sua programação, mantinha na grade, até o fim da tarde de ontem, Ituano x Guarani, jogo que não reúne nenhum grande clube do Estado.

Na outra partida da rodada, o Corinthians pega o Botafogo, em Ribeirão Preto, às 18h. A Record, que tem acordo com a Globo, prevê a transmissão desta partida.

O SBT, apesar da decisão contrária do STJ, afirmou que mandaria hoje equipes para tentar transmitir os jogos. A emissora, em nota oficial, afirmou que só os exibirá caso haja julgamento dos recursos apresentados.

Mas o processo sobre a exibição do Paulista está no STJ. O ministro relator Antônio de Pádua Ribeiro volta de férias hoje, mas dificilmente deve proferir decisão. Ele está em Belo Horizonte e só volta para Brasília na segunda.

O STJ analisa dois pedidos: a FPF quer que o SBT retome a exclusividade, e a Globo quer essa pretensão desconsiderada.

O Paulista já mudou cinco vezes de mãos desde que o SBT disse ter comprado os direitos. Na última mudança, na terça-feira, o STJ devolveu à Globo a transmissão.

O SBT, que exibiu Corinthians x Lusa alegando que ambos não assinaram o contrato com a Globo, não poderá repetir o argumento hoje. Botafogo e Ituano validaram o acordo da FPF com a rival.”

***

“Futebol é arma em guerra pela audiência na TV”, copyright Folha de S.Paulo, 1/2/03

“O futebol é uma das principais armas das emissoras na ?guerra? da audiência da TV.

A maior marca obtida até hoje em uma transmissão esportiva -fora jogos da seleção- ocorreu em 2000, na semifinal da Taça Libertadores entre Palmeiras e Corinthians.

A Globo chegou a registrar 56,9 pontos, e a Bandeirantes, 9,8 (cada ponto representa 47 mil domicílios na Grande SP).

A Bandeirantes obteve sua maior audiência na final do Mundial de Clubes da Fifa, em 2000 -atingiu 53 pontos em Vasco x Corinthians.

Neste ano, o SBT, que detém os direitos exclusivos do Sul-Americano sub-20, comemorou o resultado do jogo entre Brasil e Peru. A audiência oscilou entre 12 e 16 pontos. A Globo teve média de 22.

A disputa entre Globo e SBT pela transmissão do futebol começou em 1995.

O SBT, que detinha os direitos de transmissão, obteve altas audiências com a Copa do Brasil, vencida pelo Corinthians. Com a transmissão esportiva, viu aumento de 7% ou 8% em suas as verbas publicitárias.

O SBT tentou comprar, então, o Brasileiro-95, mas perdeu para a Globo, que o exibiu junto com a Bandeirantes.”

***

“SBT acata decisão da Justiça e fica sem jogo”, copyright Folha de S.Paulo, 2/2/03

“O SBT respeitou a decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça), favorável a Globo, e não transmitiu nenhuma das duas partidas de ontem do Paulista.

Às 16h, a Globo transmitiu o confronto entre Ituano e Guarani, num fato raro, já que a emissora não costuma exibir partidas envolvendo dois times do interior.

Impossibilitada de alterar o horário dos confrontos do Estadual, ela aumentou o espaço dado a Ituano e Guarani em seu noticiário esportivo ontem.

Já a partida entre Botafogo e Corinthians, no interior, que começou às 18h, foi transmitida pela Record, com respaldo da Globo, com quem tem um acordo.

Ontem também, durante a sua programação e o jogo do Corinthians, a Record anunciou para hoje, às 11h, a transmissão do confronto entre Internacional de Limeira e São Paulo, no interior.

Em nota oficial, o SBT afirmou que aguardará o julgamento dos recursos apresentados.

Por causa da disputa das duas emissoras, o direito de transmissão do campeonato já mudou de dono cinco vezes desde que o SBT anunciou tê-lo comprado.

O ministro relator Antônio de Pádua Ribeiro deve proferir a sua decisão sobre a disputa amanhã.

O imbróglio começou porque a Globo recusou uma oferta da FPF para transmitir 12 jogos da competição por R$ 12 milhões.

Diante da recusa, a entidade negociou 22 partidas pelo mesmo valor com a concorrente, porém a Globo tinha a preferência até 29 de dezembro do ano passado.

A emissora alega que não foi respeitado o seu direito de preferência e afirma ter se manifestado dois dias antes de o prazo terminar. Porém, o documento com sua decisão teria sido protocolado pela FPF no dia 2 de janeiro.

Apesar de ter respeitado o STJ ontem, o SBT havia desrespeitado a decisão do órgão ao exibir o empate em um gol entre Corinthians e Lusa, na última quarta-feira.

Na ocasião, alegou que os dois times não assinaram o contrato com a Globo. O argumento não poderia ser usado nos jogos de ontem porque Botafogo e Ituano validaram o compromisso.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem