Sábado, 23 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

Programa nº 796

>>A Amazônia ilegal
>>Dois pesos, duas medidas

Por Luciano Martins Costa em 06/06/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

A Amazônia ilegal

Em meio aos debates sobre o modo como o Brasil administra seu
patrimônio natural, que se estendem para fora do Brasil e excitam a
imprensa internacional, o presidente da República anunciou ontem a
criação de três das cinco reservas previstas para a região amazônica.

Os jornais, em peso, destacaram a frase de Lula dizendo que a Amazônia
é igual água benta, todo mundo acha que pode meter o dedo.

Mas deixaram de lado alguns detalhes importantes.

Um desses detalhes é a natureza de cada reserva.

Alguns dos maiores especialistas em Amazônia discutem a eficâcia de
parques nacionais e reservas naturais em regiões da floresta onde
existe minério ou em áreas próximas de zonas desmatadas.

Em muitos casos, projetos de manejo integrado são mais eficazes para
garantir a preservação.

Os jornais passaram ao largo dessa discussão.

Outra questão é a razão pela qual as outras duas reservas previstas
não foram aprovadas.

Uma delas fica em área rica em bauxita, e o governo preferiu evitar
que a criação da reserva viesse a impedir no futuro a extração do
minério.

Essa era uma oportunidade interessante para a imprensa questionar a
falta de uma estratégia de longo prazo para a Amazônia, que permita
conciliar a preservação da floresta, o bem-estar das populações
nativas e a necessidade econômica de explorar suas riquezas.

A criação de reservas, por si só, não melhora as condições de proteção
do patrimônio natural, porque é impossível patrulhar toda sua
extensão.

Mas o único jornal que deixou o discurso do presidente em segundo
plano e tentou olhar para a questão amazônica de uma forma mais
abrangente foi o Globo.

O Globo informa que 8,5% da Amazônia, cerca de 42 milhões de hectares
estão em situação irregular ou fora do controle do governo.

São terras não documentadas, ou com documentos falsos e sobreposição de títulos.
Para se ter uma idéia, observa o jornal, a área equivale aos
territórios dos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo,
Paraíba e Sergipe. Somados.

É uma área maior do que a Alemanha e praticamente o dobro do
território britânico sobre a qual o Brasil não tem soberania.

Ali se pode desmatar impunemente, pois não há como multar os proprietários.

E a imprensa não vê que essa terra de ninguém é que acaba se
transformando na ponta de lança da agropecuária na Amazônia.

Essa é uma das ocasiões em que os jornais dão a notícia, mas não
ajudam o leitor a entender a verdade.

Dois pesos, duas medidas

No período em que denunciava o chamado ‘apagão aéreo’, a imprensa
tratou a ex-diretora da Agência Nacional da Aviação Civil Denise Abreu
como criminosa.

Só faltou responsabilizá-la pela tragédia com o Airbus da TAM.

Hoje Denise Abreu tem reputação suficiente para servir de fonte em
declarações contra a ministra da Casa Civil.

Alberto Dines:

– Há pouco mais de um ano, Denise Abreu, ex-diretora da ANAC, estava sob
o fogo cerrado da imprensa como uma das responsáveis pela situação
caótica da nossa aviação civil. Foi obrigada a demitir-se em agosto de
2007. Hoje a imprensa corre atrás dela para suplicar mais algumas
gotas de veneno contra Dilma Roussef, ministra-chefe da Casa Civil.

No início de 2006 quando a Varig embicava em queda-livre, a ministra
Dilma Roussef foi clara ao dizer que ‘o dinheiro público não pode
ser gasto para salvar empresas privadas’. Nos meses seguintes a
imprensa não disse uma palavra capaz de persuadir o governo a salvar a
Varig. Iniciava-se aquilo que o colunista Luiz Nassif designou como ‘a
imolação da Varig’.

Agora a imprensa está excitadíssima: denuncia irregularidades na
transferência da Varig para a Gol e a forte presença de estrangeiros
entre os acionistas da velha Varig. Por que razão a imprensa não se
mexeu quando ainda era possível salvar a empresa-símbolo da nossa
aviação?

Ao assumir a pasta da Defesa, o ministro Nelson Jobim criticou o
duopólio TAM-GOL, responsável, aliás, pelas duas maiores catástrofes
aéreas. Este duopólio agora é quase um cartel e a imprensa continua
quieta, sem coragem para desagradar dois grandes anunciantes.

Certamente houve muita mutreta na transferência da Varig para a Gol, a
mídia deve cobrar explicações.

Mas a mídia tem obrigação de explicar a sua omissão enquanto a Varig
era canibalizada pelos abutres que hoje dominam nossos céus.

Todos os comentários

  1. Comentou em 07/06/2008 Ivan Moraes

    ‘mídia tem obrigação de explicar a sua omissão enquanto a Varig era canibalizada pelos abutres’: bom, espionagem paralegalizada funciona assim: a media podia fechar o bico e abaixar o facho pra falar com brasileiros. A ‘denuncia’ a respeito de Dilma eh chantagem atravez da media. Assim que os abutres conseguirem o que querem -que eh o que nao esta e o que nao pode estar nem perto de impresso nos jornais- entao o ‘probleminha’ da Dilma na media desaparece num passe de magica, apezar do senador espiao em Brasilia e de todos os outros. Ela entao fica conhecida como ‘manejavel’, e vai estar aberta aa chantagem atravez da media como todo o resto de Brasilia esta ha 30 anos… triumfo. Nao eh preciso explicacoes da media: ‘Excalibur’, da serie ‘Law and Order’ mostra direitinho como espionagem funciona dentro dos governos do continente. Pouquissimas pessoas sabem do que se trata todo esse ‘probleminha’ da Dilma.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem