>>A conta negativa >>A política e a floresta | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

Programa nº 788

>>A conta negativa
>>A política e a floresta

Por Luciano Martins Costa em 27/05/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

A conta negativa

As contas externas do Brasil são o tema unânime das manchetes de hoje.

Os principais jornais do País, aqueles que mais influenciam os formadores de opinião, trazem títulos alarmantes para a notícia de que, no período de janeiro a abril, a conta de todas as transações de comércio, serviços e divisas do Brasil com o exterior apresentou o pior resultado de todos os tempos.

As contas externas apresentarem um déficit recorde nos primeiros meses deste ano.

Nas páginas de economia de cada um dos jornais, o tratamento dado a esses números apresenta algumas variações, mas no geral observa-se que os três principais diários escolheram expressões mais pesadas para explicar o fato do que os jornais especializados.

Os dois principais jornais de economia e negócios registram os mesmos números, mas evitam expressões como ‘rombo’ ou ‘perda histórica’.

A impressão que pode ficar para o leitor é de que, embalados na onda de boas notícias na economia, que já dura pelo menos três anos, a imprensa perdeu o hábito de lidar com notícias nem tão otimistas.

O que se noticia hoje é que o Brasil remeteu mais dinheiro para fora nos quatro primeiros meses deste ano do que os valores que foram internalizados no mesmo período.

Os jornais também observam que o fenômeno era mais ou menos previsível e que não há motivo para preocupações.

Além de possuir reservas suficientes para cobrir o que a imprensa chama de ‘rombo’, o Brasil deverá continuar recebendo grandes volumes de investimento externo direto.

Praticamente todos os especialistas citados nas reportagens observam que se trata de uma acomodação esperada nas contas, devido à remessa de lucros de empresas e investidores e também por causa da valorização crescente e prolongada do real frente ao dólar.

Então, o leitor atento irá perguntar: se é assim, por que os títulos alarmistas?

Certamente, a imprensa se embalou demais nas boas notícias na área de economia.

Ou não consegue se livrar do vício das manchetes fortes, quando chegam as más notícias.

A política e a floresta

Os desentendimentos entre o novo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e o governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, temperados pelo sotaque exótico do ministro de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, já causam prejuízos ao Brasil.

No caso, o País perde pelo adiamento da divulgação de dados sobre o desmatamento da Amazônia.

O novo relatório, que, segundo antecipou Carlos Minc, vai mostrar um aumento superior a 60% nos desmatamentos em Mato Grosso, era esperado por técnicos e especialistas para esta semana.

Minc aproveitou a informação, que ainda não é oficial, para fustigar seu desafeto, o governador Maggi.

Com isso, colocou um órgão científico, o Inpe, Instituto Nacional de  Pesquisas Espaciais, no meio de uma disputa política.

Para evitar um desgaste que pode afetar a reputação do órgão que dirige, o presidente do Inpe adiou por tempo indeterminado a divulgação do relatório.

Além do fato, já grave, de que um bate-boca entre personagens da política retarda o cumprimento do direito da população brasileira de receber informações sobre a Amazônia, existe um grande número de institutos, universidades e pesquisadores independentes que precisam manter atualizadas suas planilhas sobre o estado da floresta.

Por cima de tudo, resta ainda a preocupação com a repercussão internacional do fato.

O adiamento da divulgação dos números sobre a devastação da Amazônia com certeza reforça o movimento de empresas e organizações internacionais interessadas em discutir a soberania brasileira sobre a floresta.

A questão ambiental exige cuidados extremos e uma abordagem científica, longe de especulações e intrigas políticas.

Desde que a ex-ministra Marina Silva pediu demissão do Ministério do Meio Ambiente e foi indicado seu substituto, o noticiário sobre a Amazônia tem tratado mais de bate-bocas do que de informações concretas sobre a efetividade da política ambiental no Brasil. 

E observe-se que Carlos Minc ainda nem tomou posse oficialmente.

De volta a 68

Aos quarenta anos, o movimento de contestação dos jovens, que se espalhou da Europa para  boa parte do mundo em 1968, passa por uma revisão histórica.

O maio de 68 ficou marcado como a explosão de manifestações de inconformismo e com a eclosão do protagonismo dos jovens, que viria a provocar grandes mudanças na História.

A edição de hoje do ‘Observatório da Imprensa’ vai tratar de 1968. À meia-noite e dez na TV-Cultura, às 22:40 na TV-Brasil, ao vivo.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem