Sábado, 22 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

Programa nº 752

>>A CPI do impossível
>>A tragédia e a comédia

Por Luciano Martins Costa em 04/04/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

A CPI do impossível

A fotografia das caixas de papéis entregues ontem pelo governo aos integrantes da CPI dos Cartões Corporativos, publicada hoje por O Estado de S.Paulo e O Globo, é o melhor retrato da impossibilidade de se chegar a uma conclusão nas investigações sobre gastos pessoais de autoridades com dinheiro público.

Só ontem foram desembarcados 102 volumes cheios de ofícios, notas fiscais e planilhas de prestação de contas.

E essa papelada se refere a apenas dois ministérios.

Como ainda faltam documentos de 33 ministérios, se considerarmos a média de cinquenta caixas para cada um, os parlamentares da CPI terão que abrir 1.650 caixas de papelão e de lá separar e analisar o que pode trazer indícios de fraudes.

Essa é a chamada missão impossível.

O material se refere a todas as despesas efetuadas por autoridades e funcionários graduados através das contas bancárias específicas e cartões de crédito corporativo, desde 1998.

A imagem de centenas de caixas, que deverão se transformar num volume impossível de ser manipulado, revela a verdadeira natureza da CPI.

Nem governo, nem a oposição e nem a imprensa acreditam de fato que se vai chegar a qualquer conclusão, a menos que o prazo para as investigações avance pelo fim dos tempos.

Mas, afinal, pouca gente ainda acredita que as CPIs servem para esclarecer alguma coisa.

O que desejam todos os envolvidos é juntar munição para a campanha eleitoral que se aproxima.

Por outro lado, nenhum jornal avançou no caso do vazamento de dados sobre gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tem como principal suspeito o senador paranaense Álvaro Dias.

O Globo e o Estadão descrevem o constrangimento que ele passou ontem na CPI e o Estadão chega a lamentar o ‘gol contra’ do senador tucano, que pode atrapalhar a investigação sobre o suposto dossiê.

A Folha prefere investir no pacote de informações que vazou da Casa Civil da Presidência e deixa em segundo plano o fato de um senador da oposição ter tido acesso aos dados e ser apontado como o responsável por passá-los à imprensa.

A rigor, tudo que se publica hoje é secundário em relação à origem de toda a celeuma, que era a suspeita de que as contas especiais e os cartões corporativos estariam sendo usados para a realização de despesas irregulares.

Por enquanto, o que se sabe a respeito disso é que tanto neste governo como no governo anterior havia quem gostasse muito de tapiocas.

A tragédia e a comédia

A imprensa se divide nesta semana entre a tragédia que vitimou a menina Isabella e a comédia de erros que envolve parlamentares e a imprensa no caso dos gastos com cartões corporativos.

Alberto Dines:

– O Brasil inteiro quer saber quem matou a menina Isabella.

O caso tem os ingredientes de uma tragédia grega, mas está sendo tratado como folhetim policial. Sobretudo depois do pré-julgamento do pai por uma delegada apressadinha.

Poucos, porém, estão interessados nos desdobramentos do Dossiê dos Cartões Corporativos, além de jornalistas e políticos. Este caso tem lances estranhos e dúbios, bem no estilo de Shakespeare. Ontem, o senador Álvaro Dias do PSDB do Paraná que já admitira ter  visto o dossiê antes da sua publicação pela Veja, ao se defender, declarou que uma revista séria não publicaria um documento tão grave baseado em apenas uma fonte. Com isso atrapalhou-se ainda mais: reconheceu que teria sido um dos informantes do semanário.

Além disso, revelou enorme ingenuidade porque no Brasil, ao contrário do que disse, não é rara a divulgação de graves denuncias baseadas num único documento, geralmente apócrifo. Ao contrário dos jornalistas que têm o direito de preservar as fontes para garantir a sua liberdade, um parlamentar da oposição não pode esconder os detalhes de suas relações com o governo sob pena de  passar a impressão aos eleitores de que foi cooptado ou é um agente duplo. Veja tem o direito de ficar calada.

O tucano Álvaro Dias tem a obrigação de abrir o bico.

Todos os comentários

  1. Comentou em 04/04/2008 Odracir Silva

    Haha… Cume ee q ee, quemossabi? ‘Por outro lado, nenhum jornal avançou no caso do vazamento de dados sobre gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tem como principal suspeito o senador paranaense Álvaro Dias.’ Quer dizer q foi o senador tucano q vazou as info. q estavam na casa civil??? Entao quer dizer q o blogueiro achou o tucaninho infiltrado na casa civil???? O governo Lula deve estar contente, o jornalista descobriu q era o senador Dias!!! Ele deve ser realmente o 007, ou entao ee vidente, ou entao ee um bom hacker. O post estaa muito engracado mesmo, ee p/ ser levado aa serio? Infelizmente, o jornalista estaa a ir em direcao errada, deveria pedir transparencia nas contas deste, ou de qquer outro governo (como o fez no post anterior).

  2. Comentou em 04/04/2008 Ivan Moraes

    ‘no Brasil, ao contrário do que disse, não é rara a divulgação de graves denuncias baseadas num único documento, geralmente apócrifo’: rede de espionagem. E esta TODO MUNDO envolvido.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem