Sexta-feira, 25 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

Programa nº 1176

>>A imprensa em choque
>>O país de hoje

Por Luciano Martins Costa em 01/12/2009 | comentários

Referências Bibliográficas

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. 3ª ed: São Paulo, Martins Fontes, 1998.

ADGHIRNI, Zélia Leal. ‘Informação on-line e mudanças estruturais no Jornalismo’ in Anais da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares em Comunicação (Intercom), 2001.

ANDRADE, Almir de. As duas faces do tempo – Ensaio críticos sobre os fundamentos da filosofia dialética. São Paulo, Ed. USP, 1971.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em Rede – A era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. Vol. 1. Paz e Terra, São Paulo, 1999.

DAMASIO, Antônio R. ‘Lembrando de quando tudo aconteceu’ in As múltiplas faces do tempo - Revista Scientific American Brasil. Ano 1, nº 5, outubro de 2002

DAVIES, Paul. ‘Esse fluxo misterioso’ in As múltiplas faces do tempo - Revista Scientific American Brasil. Ano 1, nº 5, outubro de 2002

FRÉDÉRIX, Pierre. De L’Agence D’Information Havas a L’Agence France Press – un siécle de chasse aux nouvelles. Paris (França),Flammarion, 1959.

HARVEY, David. ‘A experiência do espaço e do tempo’ in A condição pós moderna. 6 a Ed. São Paulo, Loyola, 1996.

HAWKING, Stephen, W. Uma breve história do tempo – do Big Bang aos buracos negros. 13ª ed: Rio de Janeiro, Rocco, 1989.

LEMOS, André. Cibercultura – tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegrem Sulina, 2002

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informação. São Paulo, Editora 34, 1993.

MORETSZHON, Sylvia. Jornalismo em 'tempo real' – o fetiche da velocidade. Rio de Janeiro, Revan, 2002.

RAMONET, Ignacio. A tirania da comunicação. 2a Ed., Petrópolis, Vozes, 2001.

RIBEIRO, Jorge Cláudio. Sempre Alerta – condições e contradições do trabalho jornalístico. São Paulo, Brasiliense, 1994.

THOMPSON, E. P. ‘Tempo, disciplina, de trabalho e capitalismo industrial’ in Costumes em Comum – Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo, Cia das Letras, 2002, pp. 367-304.

Teses e dissertações

BRANDÃO, Elizabeth Pazito. Da ciência ao mercado, a informação em tempo real. Brasília, 1999. Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação. Universidade de Brasília, 1999

BRIGOLINI, Kátia Milagres. A influência do tempo real no poder da notícia. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Comunicação. Universidade de Brasília, 2002.

CHIARINI, Adriana Barreto. Como os diários impressos podem continuar interessantes com a concorrência dos serviços em tempo real? – As reformas de ‘O Globo’ em 1995 e do ‘Correio Braziliense’ em 2000: à procura de respostas. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Comunicação. Universidade de Brasília, 2000.

SILVA, Jaqueline de Paiva. O mercado financeiro pautando a cobertura de economia da grande imprensa. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Comunicação. Universidade de Brasília, 2002.

Na Internet

________________. Bruno Patino: Directeur général Le Monde Interactif – entrevista para. Le journal du Net em 11.01.2001, 23/07/2002. (http://journaldunet.com/itws/it_patino.shtml)

FIDALGO, António. Percepção e experiência na Internet. Biblioteca on line das Ciências da Comunicação, 2002, acessado em 14/04/2003. (http://bocc.ubi.pt/pag/_texto.php3?html2=fidalgo-antonio-percepcao-na-Rede.html)

MORETZSOHN, Sylvia. O fetiche da velocidade no jornalismo do 'tempo real'. Sala de prensa, nº 38. 10/06/2002b. (http://www.saladeprensa.org/art295)

PATINO, BRUNO. Transmettre, réagir, se souvenir : le journalisme sur l’Internet.. Tradução-livre de Zélia Adghirni in Text-e.org. 14/12/2001. (http://www.text-e.org/conf/index.cfm?fa=printable&ConfText_ID=8).

RAMONET, Ignácio. El periodismo del nuevo siglo. La Factoría, 1999, acessado em: 28/11/2001. (http://www.lafactoriaWeb.com/articulos/ramonet.htm).

RAPHAEL, Jordan. On-line Journalism in Brazil – Part One: Iggy-dot-com. On-line Journalism Review, 2002, acessado em 04/04/2.002 (http://www.ojr.org/ojr/world_reports/1017960056.php).

Ouça aqui

Download

A imprensa em choque


Os jornais transmitem uma sensação de desalento nesta terça-feira, no pacote de notícias sobre o novo escândalo que transforma o Distrito Federal em cenário de filme policial.


A sensação decorre das evidências de que bastou o governador José Roberto Arruda ameaçar seus companheiros do partido Democratas para que dirigentes do partido já começassem a pensar em aliviar sua situação.


Avisado de que poderia ser desfiliado sumariamente, Arruda alertou que poderia também radicalizar, insinuando que viria a público com revelações sobre seus julgadores.


A imprensa reage como se estivesse em estado de choque com a evidência de que os moralistas de ontem são os acusados de hoje.


A imprensa recebe essas evidências de que tudo na política é corrupção e transmite aos leitores certo desalento, como se a sociedade tivesse que se resignar com a inevitabilidade da desonestidade na política.


Até mesmo o projeto de iniciativa popular que pretende impedir candidaturas de pessoas com ficha judicial suja é apresentado como uma ilusão: segundo os jornais, tal proposta jamais seria aprovada num Congresso tomado por parlamentares cuja biografia não é recomendada a pessoas sensíveis.


Ora, o papel da imprensa não é simplesmente repercutir os acontecimentos e declarações dos entrevistados.


Historicamente, os jornais têm se encarregado de sobrepor ao relato puro e simples dos fatos a reflexão necessária para que eles sejam entendidos e superados, quando for o caso.


A imprensa tem tradicionalmente as funções educativa, utilitária e fiscalizadora.


Cumpre este último papel ao citar as normas diante de controversas sobre a legalidade de algum ato. Torna-se utilitária quando oferece informações úteis ao funcionamento da sociedade e cumpre a missão de educação ao reforçar os valores democráticos e civilizatórios.


Se a imprensa deixa vazar desalento e conformismo diante de mais um escândalo político, o leitor pode ser induzido a desconfiar que o regime democrático não atende aos melhores interesses da sociedade.


Aí, sim, estaríamos com sérios problemas.


O país de hoje


No momento histórico em que o Brasil é apontado entre as lideranças que podem fazer a humanidade escolher um caminho mais sustentável para o desenvolvimento, contornando rapidamente a crise e apresentando-se como protagonista destacado na luta contra o aquecimento global, convém lembrar o pensador que um dia previu essa possibilidade.


Apesar de ainda arrastar velhos defeitos e de pagar o custo de uma elite política e econômica conservadora e viciada em privilégios, o Brasil se apresenta nas melhores condições para fazer cumprir os prognósticos do pensador que anteviu este momento.


Alberto Dines:


– Cabral foi o descobridor mas quem inventou o Brasil foi um escritor austríaco que durante a 2ª Guerra Mundial aqui se refugiou e como retribuição escreveu Brasil, um País do Futuro. O nome pegou, virou sinônimo e pseudônimo do Brasil.


Stefan Zweig, o autor, suicidou-se em Petrópolis meio ano depois de lançar o livro. Esta é uma das dramáticas histórias que compõem o 4º Episódio da serie sobre os 70 anos do início da 2ª Guerra Mundial produzida pelo “Observatório da Imprensa”.


Como se não bastasse o Holocausto, o drama das portas fechadas, países neutros trancados aos fugitivos. Quantos poderiam ter sido salvos? Até hoje ninguém fez esta conta.


Não perca esta história do mundo de ontem, hoje tão atual. Na TV-Brasil, às 23 horas, em rede nacional. Em S. Paulo, pela Canal 4 da NET e 181 da TVA.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem