Sexta-feira, 20 de Abril de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº983
Menu

Programa nº 753

>>A natureza do mal
>>O sigilo quebrado

Por Luciano Martins Costa em 07/04/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

A natureza do mal

As duas principais revistas semanais saíram nesta edição com capas pretas. Referência ao caso da menina Isabella Nardoni, que morreu ao cair ou ser atirada do 6o. andar do prédio onde morava seu pai, na zona Norte de São Paulo.

As duas reportagens revelam o cuidado de não afirmar que o pai, Alexandre Nardoni, é o assassino. Mas deixam claro que não há outros suspeitos.

É como se a imprensa procurasse se aproximar cautelosamente da possibilidade de ter que aceitar a barbárie como um fato tão próximo.

Toda a imprensa vem reproduzindo, nos últimos dias, detalhes da curta vida de Isabella, com todas as graças que costumam cercar a rotina de uma menina de classe média aos cinco anos de idade.

O retrato é de uma criança dócil, inteligente e amorosa, e o cuidado dos jornais e revistas em destacar essas características  prepara o contraste com o perfil de monstro do seu assassino, que deverá ocupar as páginas da imprensa nos próximos dias.

Já é algum avanço em relação a alguns casos anteriores, nos quais a imprensa se antecipou em julgar suspeitos, produzindo verdadeiros linchamentos morais.

A rigor, ninguém parece disposto a enfrentar a possibilidade de Alexandre Nardoni ter matado a própria filha.

Embora as informações vazadas do inquérito policial, ou pelo menos aquelas escolhidas para publicação, pareçam indicar essa como a única possibilidade de esclarecimento do crime, é como se, coletivamente, os jornalistas estivessem evitando ter que descrever o inexplicável, o
inadmissível.

A revista Veja parece estar preparando o terreno para superar esse limite da racionalidade.

A capa da edição atual é dedicada ao mal.

A revista tenta construir o que chama de uma investigação filosófica, psicológica, religiosa e histórica sobre as origens da perversidade humana. O texto antecede a reportagem sobre a morte de Isabella Nardoni.


Época insere referências históricas e filosóficas sobre o horror do infanticídio e de outras atrocidades no seu relato sobre a morte da menina.

É como se a imprensa estivesse, cautelosamente, preparando o espírito dos seus leitores para a aceitação de uma sentença inaceitável.

É como se estivesse preparando seus leitores para encarar a crua natureza do mal.

O sigilo quebrado

O cuidado em preservar o inquérito sobre o caso justifica-se pela gravidade dos fatos, e pelo risco de um erro de julgamento pela opinião pública, como o que ocorreu no já emblemático episódio da Escola Base. Mas algumas autoridades não conseguem manter a boca fechada.

Alberto Dines:

– Para evitar pré-julgamentos, o inquérito sobre a morte da menina Isabella corre em segredo de Justiça. Decisão corretíssima considerando os dramáticos antecedentes da Escola Base e a intempestiva atitude de uma delegada que no dia seguinte à tragédia, aos brados, anunciava quem era o assassino.

Mas na longa entrevista coletiva da última sexta-feira, o promotor de Justiça Francisco Cembranelli fez comentários que confrontam o sigilo que no qual deve correr o caso. Não uma, mas diversas vezes, o promotor declarou aos repórteres ávidos por manchetes que as explicações do pai e da madrasta de Isabela eram contraditórias. Em outras palavras, insinuou suspeição do casal. As rádios e televisões usaram e abusaram da declaração, assim também os jornais do dia seguinte. Depois, o promotor arrependeu-se e declarou: ‘Ainda não acuso o casal de nada’. Mas no sábado alguma autoridade vazou para a imprensa laudos periciais sobre a causa mortis da menina e que igualmente deveriam estar sob sigilo, sobretudo porque são parciais. O caso da menina está comovendo o País e ainda comoverá por muito tempo. Se as autoridades não conseguem respeitar o sigilo que elas próprias decretaram, o caminho fica aberto para o paredón e os linchamentos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 08/04/2008 Ivan Moraes

    E antes que alguem pense que eu me esqueci, a genesis completa dos dossies e mentiras mediaticas como **politica** esta excruciantemente especificada em ‘The Trap’ parte 3, no video google. Eh politica externa dos neocons que se infiltraram no governo dos EUA e que depois foi exportada pro mundo todo: http://video.google.com/videoplay?docid=8389886774314947871 Se nao fosse pela BBC e a internet, ninguem no mundo jamais teria ouvido falar nisso porque nao eh o tipo de documentario que eh permitido nos EUA.

  2. Comentou em 07/04/2008 Ivan Moraes

    Naomi Wolf em ‘Maquete do Fascismo’ no youtube descreve o ‘fascismo tecnicamente e nao retoricamente’. (http://youtube.com/watch?v=8C-wU-Bt9q4&feature=related) 10 etapas da evolucao do fascismo: 1-a criacao do ‘inimigo terrivel’ (PT). 2-criacao do gulag (sendo americana ela desconhece a ‘favelizacao intencional’ que aconteceu no Brasil e Venezuela). 3-desenvolvimento de uma classe de agitadores (advinhe…). 4-estruturacao de uma organizacao de espionagem (sem comentario). 5-perseguicao intensa aos lideres de grupos de direitos da cidadania (como Gloria Reis e Alcinea Cavalcante). 6-detencao e libertacao arbitraria (dos favelados,certamente, nao acontece com gente rica). 7-concentre se em alvos importantes (qualquer lider considerado ‘contra’). 8-controle da imprensa. 9-‘dissencao eh traicao’. 10-suspenda as leis. No Brasil so falta o #10, mas so porque politicos estao dispostos a mudar qualquer lei e qualquer regulamento por 30 dinheiros.

  3. Comentou em 07/04/2008 Ivan Moraes

    ‘É como se estivesse preparando seus leitores para encarar a crua natureza do mal’: que coincidencia, eu tambem: ‘The trap: what happened to our dreams of freedom?’. Iluminando o mundo mais uma vez no video google… a BBC: http://video.google.com/videoplay?docid=-5376212150896990926

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem