Domingo, 23 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

Programa nº 686

>>Acusação e silêncio
>>Um país, duas realidades

Por Luciano Martins Costa em 02/01/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

Acusação e silêncio

A maioria dos jornalistas de economia trata o vice-presidente José Alencar como ‘aquele chato que vive falando de juros’.

Alencar, que é empresário bem sucedido na indústria têxtil, é tratado como um amador entre profissionais.

Pois no domingo, o vice-presidente disse, em entrevista à Folha de S.Paulo, que os juros não caem porque agentes do mercado financeiro chantageiam o governo através dos jornais.

Trata-se de uma denúncia grave.

Que se perdeu no vazio do desinteresse da imprensa.

Passou-se metade de uma semana e nenhum jornal, nem mesmo a Folha, se dignou a oferecer ao leitor uma informação adicional.

Apenas o colunista Clóvis Rossi fez referência à questão, citando Alencar, mas para acusar o presidente Lula de haver ‘terceirizado’ a política econômica para o mercado.

Nem uma palavra sobre a denúncia explícita do vice-presidente contra os jornais.

Segundo a transcrição da entrevista, diante da pergunta sobre por que os juros não caem no Brasil, José Alencar respondeu, literalmente:

‘Porque há uma ameaça de articulistas, que são economistas ligados ao sistema financeiro, que é muito organizado, e que colocam quase que como alternativa: ou nós mantemos esses juros ou mais uma vez vamos ter uma inflação violenta no país.’

Ou seja, o vice-presidente da República afirma que o presidente da República é refém de profissionais e investidores do mercado financeiro, que usam a imprensa para ameaçar com a volta da inflação.

E a imprensa faz de conta que não é com ela.

Agora, faça o leitor e ouvinte um exercício de observação. Pegue os jornais da semana, ou assista atentamente os noticiários da mídia especializada em economia.

O leitor vai constatar que um número significativo de ‘colaboradores’ e ‘consultores’ citados pelo jornalismo econômico tem como atividade principal um cargo importante no mercado financeiro.

O fato não é exatamente uma novidade, nem mesmo uma curiosidade, pois se trata de especialistas.

O problema é a predominância deles.

Em muitas ocasiões o Observatório da Imprensa tem publicado artigos apontando esse viés unilateral da imprensa.

A novidade é o vice-presidente da República vir a público dizer que a mídia funciona como intermediária de uma chantagem contra o poder público.

E a imprensa se cala.

Um país, duas realidades

A mídia impressa tem contra si os processos industriais complicados.

Compete contra a ligeireza do rádio, o imediatismo da internet e a onipresença da televisão.

Mas nada justifica escolhas preguiçosas de edição.

Dines:

– Viva o Quênia, pobre Quênia: pela 16ª vez, atletas quenianos ganharam a tradicional corrida de São Silvestre em S. Paulo. Viva o Quênia, pobre Quênia: considerado um dos mais ricos e estáveis da África, o país está sendo varrido por uma onda de protestos contra a fraude nas últimas eleições presidenciais – já morreram 250 pessoas, as últimas numa chacina dentro de uma igreja. Os jornalões de ontem, na verdade jornalecos ou no máximo jornaizinhos, destacaram as duas notícias sobre o Quênia em suas primeiras páginas. Separadamente. Não conseguiram nem estavam minimamente interessados em juntar os dois fatos. Mas para que serve o jornal e o jornalismo senão para relacionar, comparar, amarrar o que acontece? Acontece que os jornais nacionais de ontem, terça, saíram antes de ontem, na véspera. Precisavam ser impressos e distribuídos no início da noite, antes das gigantescas aglomerações em Copacabana, no Rio, e na Paulista, em S.Paulo, caso contrário ficariam encalhados. Não havia tempo, nem gente capaz de tentar algo mais inteligente, em outras palavras: não havia tempo, nem gente para se fazer jornalismo. Viva o Quênia, pobre Quênia – quem se interessa por esportes não prestou atenção ao que acontece na pátria do casal de atletas vitoriosos. Viva o jornalismo impresso, pobre jornalismo impresso: ontem foi um daqueles dias em que não há dúvidas sobre o fim dos jornais.

Todos os comentários

  1. Comentou em 09/01/2008 José Carlos

    Sobre o fim dos jornais??? Au revoir!

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem