Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

Programa nº 1102

>>Análises apressadas
>>Novo round na Guerra Santa

Por Luciano Martins Costa em 17/08/2009 | comentários

Ouça aqui

Download

Análises apressadas


A imprensa ainda não conseguiu digerir a possibilidade da candidatura da senadora Marina Silva à Presidência da República.


Da mesma forma, políticos e analistas entre os selecionados pela mídia exibiram um festival de contradições nas opiniões publicadas durante o final de semana sobre os prováveis efeitos de uma eventual candidatura da ex-ministra do Meio Ambiente.


Entre as revistas semanais de informação, Época e IstoÉ sairam na frente, somando-se a Carta Capital, que havia antecipado as análises sobre a novidade eleitoral em sua edição eletrônica.


Veja simplesmente ignorou o fato, registrando apenas de passagem que Marina Silva pode trocar o PT pelo PV para se candidatar à sucessão de Lula da Silva.


O leitor que dispôs de tempo para ler cuidadosamente tudo que foi publicado neste final de semana sobre o provável ingresso da senadora na disputa pode ter notado também que a imprensa se preocupa essencialmente em consolidar a tese de que a candidatura de Marina Silva prejudica especialmente as pretensões da provável candidata do governo, a ministra Dilma Rousseff.


Os cenários analisados incluem ainda a possível candidatura do deputado Ciro Gomes, que está sendo pressionado para disputar o governo de São Paulo mas prefere a corrida para o Planalto.


Em praticamente todos os jornais de circulação nacional, predomina a tese de que, se confirmada, a participação da senadora vai romper a polarização da disputa presidencial, que desde 1994 contrapõe PT e PSDB como núcleos principais das duas forças dominantes e antagônicas na política nacional.


Apesar de a primeira sondagem da opinião pública, feita pelo DataFolha e reproduzida por praticamente toda a imprensa, registrar que a candidatura de Marina Silva, com apenas 3% das intenções de voto, produz pouca alteração no cenário geral, os jornais já especulam sobre o desenho de um quadro diferente, caso Ciro Gomes também decida disputar a Presidência.


A imprensa parece ter pressa em definir o enigma Marina, mas em todos os painéis desenhados comete-se o erro de se pretender um retrato definitivo de uma circunstância completamente nova, que pode sofrer influências de fatos ainda em andamento, como o escândalo do Senado Federal. 


Novo round na Guerra Santa


Alberto Dines:


– Qualquer guerra é perversa, mas a guerra em nome de Deus é coisa do Diabo. Denunciar as eventuais falcatruas dos lideres de uma seita religiosa é uma obrigação das autoridades, também da imprensa, mas é impiedoso ignorar as convicções dos seus fiéis.


Na última terça-feira a Folha de S. Paulo noticiou com grande destaque: “Universal é acusada de lavar dinheiro”. A pedido do Ministério Público de S. Paulo, a Justiça abriu na véspera uma ação criminal por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha contra dez dirigentes da Igreja Universal, entre eles o seu dirigente máximo, bispo Edir Macedo.


A IURD, enquanto confissão religiosa, não estava sendo denunciada, nem os seus oito milhões de devotos e crentes, a manchete da Folha, portanto, foi formulada de maneira preconceituosa. Naquela mesma noite, o “Jornal Nacional” da TV Globo dedicou 11 minutos – na TV, uma eternidade ! —  à repercussão do noticiário daquela manhã.


Da quarta-feira até ontem, domingo, toda a grande mídia aderiu com gosto ao pesado bombardeio contra o bispo Macedo e o seu conglomerado que inclui 23 emissoras de TV, entre elas a Rede Record, 78 rádios (próprias e arrendadas), três jornais e outras 16 empresas em diversos segmentos.


Não é a primeira vez que o grupo empresarial é alvo de investigações relacionadas com o recolhimento dos dízimos pagos pelos fiéis e indevidamente embolsados por Edir Macedo e seus parceiros, a maioria destacados dirigentes da Igreja Universal. Mas aqueles que freqüentam os  templos, participam dos cultos e seguem a sua Teologia da Prosperidade não deveriam ser misturados às supostas trapaças de seus sacerdotes.


É preciso não esquecer que o grupo ligado à Igreja Universal criou um partido, o PRB (Partido Republicano Brasileiro (antes chamava-se PMR), cujo membro mais destacado é  o vice-presidente da República, José Alencar. O PRB faz parte da base aliada do governo e todas as suas concessões de radiodifusão são tão legais – ou tão ilegais — quanto a maioria das outras. A religião é o ópio do povo, mas Karl Marx ao criar a máxima não diferenciou os credos.


A ofensiva contra a Igreja Universal do Reino de Deus não parece espontânea, sugere alguns indícios de orquestração. É certo que as evidências são gritantes, parece irrepreensível o trabalho investigativo do MP Estadual baseado na quebra do sigilo fiscal e bancário dos envolvidos. O que causa alguma estranheza é a rapidez da formação da bola de neve  midiática. A Folha tinha legítimas razões para vingar-se das 107 ações quase simultâneas impetradas por fieis da Universal contra um primoroso levantamento conduzido pela repórter Elvira Lobato [link para a matéria da FSP, 11/8, p. A-8, “Folha foi alvo de 107 ações”].


Os grupos Globo e Edir Macedo são inimigos históricos, seus conflitos transcendem o âmbito empresarial e situam-se também no explosivo terreno religioso. Mas o resto da veiculação foi com muita sede ao pote: não levou em conta os interesses dos anunciantes e do próprio público, ambos interessados em manter o atual leque de opções. E arrogantemente desconsiderou o enorme rebanho evangélico ao qual não foi oferecida qualquer compensação informativa, como se os oito milhões de crentes não importassem já que não lêem jornalões, revistões e a mídia nacional.


A criação de um escândalo alternativo ao de José Sarney convém a muitos grupos políticos. E, como sabemos, a mídia não consegue manter duas ofensivas simultâneas. O caso de Edir Macedo tem mais apelo popular.


Não estão claras também as razões  da recente e surpreendente  reviravolta da mídia no tocante à Concordata do estado brasileiro com o Vaticano. Os jornalões acumpliciaram-se com o governo no fim do ano passado e disfarçaram todos os indícios de um tratado com a Santa Sé, na realidade, um convênio preferencial com a Igreja Católica. Na ocasião este Observatório esperneou. Agora,  um a um, os veículos começam a interessar-se pela questão do estado secular como se nada tivesse acontecido em Roma em Novembro de 2008.


Nossa mídia não consegue ser transparente. Mesmo quando trilha os insondáveis caminhos da fé.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem