Sábado, 16 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

Programa nº 678

>>Cobertura superficial
>>Novidades na TV

Por Luciano Martins Costa em 19/12/2007 | comentários

Ouça aqui

Download

Cobertura superficial

A cobertura que os jornais brasileiros fizeram da reunião de cúpula do Mercosul, encerrada ontem em Montevidéu, pode ser considerada pífia.

Nada mais do que a reprodução dos discursos, a descrição de algumas cenas do encontro, e nenhuma informação sobre o estado das negociações.

Os jornais brasileiros ainda se impressionam com bravatas do venezuelano Hugo Chavez contra os Estados Unidos.

Num momento em que o Brasil, país líder do bloco, enfrenta um profundo corte na previsão de receitas por conta da extinção da CPMF, quando Chávez faz o rescaldo da derrota no plebiscito e quando o boliviano Evo Morales enfrenta uma grave crise institucional, é pouco o que foi oferecido hoje aos leitores.

Também se falou pouco sobre a crise nas relações entre a Argentina e o Uruguai, por causa da instalação de uma fábrica de papel perto da fronteira entre os dois países.

Basicamente, o noticiário apenas faz referência aos afagos do uruguaio Tabaré Vásquez à argentina Cristina Kirchner.

Os jornais souberam fazer muito bem a descrição do clima do encontro, mas não se preocuparam em atualizar o leitor quanto ao estado do processo de integração regional.

Além disso, era de se esperar que os líderes do Mercosul fizessem referência aos temas que preocupam cada um dos países.

Apenas o Globo fez uma citação, ainda que rápida, ao fato de que os presidentes reunidos ofereceram apoio ao boliviano Evo Morales no conflito com os Estados autonomistas.

Mesmo assim, nenhum dos jornais reproduziu o material distribuído por agências internacionais, nos quais fica claro que o Mercosul não apoiará um movimento de sedição na Bolívia.

Trata-se de um detalhe importante para o leitor entender o alcance da crise interna boliviana.

Mas os jornais brasileiros já tomaram partido e não parecem interessados em esclarecer.

Na cobertura dos temas latino-americanos, a imprensa brasileira passa a impressão sutil de que, no fundo, preferia ter vizinhos menos… latino-americanos.

Novidades na TV

O advento da TV digital traz uma grande oportunidade para o Brasil repensar o sistema de concessão de canais de radiodifusão, por causa do impacto da nova tecnologia nos processos de produção e distribuição de conteúdos.

Mas o caminho da democratização da comunicação precisa ser pavimentado com ajuda da imprensa.

Iniciativas nesse sentido, que eventualmente surgem no Congresso, deveriam receber mais luzes da mídia.

Luiz Egypto:

Um sinal alvissareiro sobre a política de concessão de canais de radiodifusão foi dado na quarta-feira passada, quando uma subcomissão especial da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara aprovou o relatório da deputada Maria do Carmo (PT-MG), que estabelece novas normas e procedimentos para a tramitação dos processos de outorga e renovação dessas concessões.

Embora muito bem-vindo por suas proposições democratizantes, o relatório ainda deve percorrer caminhos espinhosos. Primeiro, precisa ser aprovado pela própria Comissão, cujo plenário abriga vários parlamentares radiodifusores. Depois, aceitar suas recomendações implicará a aprovação de três Propostas de Emenda Constitucional (PEC) e um projeto de lei, além do desarquivamento de outras iniciativas que dormitam nas gavetas do Legislativo. Um projeto da ex-deputada Jandira Feghali, por exemplo, que estabelece critérios para a regionalização da produção de TV e porcentuais de veiculação de produção independente, foi aprovado pela Câmara em 2003 e até hoje está parado no Senado.

Sempre resta a esperança de que nossos parlamentares  se convençam, de uma vez por todas, que o aprimoramento da democracia depende de uma comunicação democrática. Mas está difícil.

Clique aqui para conhecer o relatório da deputada Maria do Carmo.

Todos os comentários

  1. Comentou em 20/12/2007 Ivan Moraes

    Nao seria engracadissimo se o brasileiro corresse pra comprar tvs digitais e em 5 anos alguem inventasse uma tecnologia que transmitisse sinais digitais pra todo mundo… exceto as nossas viriam de outros paises e em outro systema de transmissao digital? Nossa! O ‘padrao japones’ daria um prejuizo enorme pros brasileiros por incompetencia da elite comunicacional brasileira! Nossa, ainda bem que isso nao aconteceria jamais…

  2. Comentou em 19/12/2007 Odracir Silva

    Concordoq os jornais foram superficiais… porem me diga uma coisa, isto ee um fato novo? Haa muito tempo os jornais estao assim, mais superficiais. Lembro do Estadao fazendo aquelas reportagens longa, mais minuciosas, porem jaa nao faz mais. E acho q nao haa mais pq o leitor nao quer. Acho q ee o tal mundo moderno, a tal geracao ‘zap’, q nao tem tempo para ler noticias ou de se educar. E demonstra muito bem no nosso atual presidente, q nem vontade de ler livro, ele tem.

  3. Comentou em 19/12/2007 Duda Gomes

    Na TV a cabo, já começou a campanha em relação ao novo projeto de concessões – um sujeito mal encarado aparece aterrorizando os telespectadores ao dizer que sua liberdade de ver a porcaria que eles programam está ameaçada, já que se cogita obrigar os concessionários a exibir 50% de material nacional em todos os canais, brasileiros ou não.
    Ainda não li o texto do ante-projeto em questão, mas valeria dar uma aprofundada no que está sendo proposto – até para que possamos formar opinião antes que o debate seja sequestrado pela grande mídia.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem