Sexta-feira, 24 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1038
Menu

Programa nº

>>Descobrindo o óbvio
>>O vale tudo das concessões

Por Luciano Martins Costa em 15/05/2009 | comentários

Ouça aqui

Download

Descobrindo o óbvio

Segundo aFolha de S.Paulo, o secretário paulista da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, descobriu que a corrupção policial incita o crime.

Esse é o título da reportagem que abre o caderno Cotidiano desta sexta-feira.

A afirmação, que lembra o Conselheiro Acácio, personagem imortal de Machado de Assis, pode ter sido um erro de interpretação do jornal, mas aponta para um fenômeno que se observa há cerca de duas décadas: a imprensa abandonou o jornalismo investigativo, afastou-se de suas fontes no interior do sistema institucional e perdeu a capacidade de interpretar sinais do dia a dia que apontam para a evolução de problemas sociais como a criminalidade.

É claro que a corrupção policial incita o crime, e uma afirmação dessas não se presta a título de reportagem.

A notícia verdadeira é que o novo secretário de Segurança está convencido de que a corrupção policial, no Estado de São Paulo, chegou a tal ponto que coloca sob risco a eficiência da própria polícia.

Pelo menos foi isso que ele declarou à Folha, apontando os fatos.

Depois do escândalo envolvendo o ex-secretário adjunto de Segurança Lauro Malheiros Neto, acusado de participar de um esquema de achaques a líderes de uma organização criminosa e de cobrar propina para aliviar a situação de policiais investigados pela corregedoria, a polícia paulista precisava de um choque de ordem.

Esse é o sentido da reportagem da Folha.

Mas como aqui tratamos de imprensa e não da administração pública, convém observar que a reportagem da Folha faz um retrato escabroso da situação da segurança pública no Estado.

Mas chama a atenção a aparente surpresa do jornal com o grau de comprometimento da estrutura policial com o crime, fato de amplo conhecimento de qualquer cidadão que tenha tido necessidade dos serviços de segurança pública nos últimos anos, especialmente nos bairros periféricos.

Se ainda tivesse repórteres investigativos, a imprensa não precisaria de declarações de autoridades para informar seus leitores sobre a grave situação.

A corrupção policial é uma realidade nacional.

Além da Folha, também o Estado de S.Paulo e o Globo trazem nesta sexta-feira reportagens sobre o envolvimento de policiais com o crime em Brasília e no Rio de Janeiro.

A rigor, em muitos Estados parte da polícia se associou ao crime organizado, quando não é a própria responsável por sua organização.

A reportagem da Folha, que reproduz uma extensa radiografia do problema em São Paulo, oferecida pelo secretário da Segurança, é apenas um enunciado.

A imprensa precisa retomar a prática do jornalismo investigativo para ajudar a sociedade a entender e combater o problema em sua totalidade.

O vale tudo das concessões

Alberto Dines:

– A mídia já começou a espernear diante do anúncio da concessão de duas emissoras de TV e duas de rádio ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC: a Folha de S. Paulo disparou a primeira salva de tiros em sua edição de ontem, rádios e portais da internet acompanharam o caso, a onda promete crescer.

É um caso inédito, disso não há dúvidas. Mas apesar do concessionário ser um sindicato de trabalhadores o ato não se diferencia das centenas de licenças para emissoras de rádio e TV outorgadas ou renovadas periodicamente em benefício de deputados, senadores ou de seus laranjas e apaniguados.

O sistema é o mesmo: equivocado e irregular. Ignora a isonomia, o pluralismo, ignora principalmente a necessidade de estabelecer uma política capaz de regular definitivamente as concessões de radiodifusão. Dá no mesmo oferecer uma TV educativa a um sindicato ou ao dono de um curral eleitoral no interior. Ambos constituem privilégios.

O governo precisa decidir se deseja mesmo uma doutrina para corrigir as atuais aberrações no sistema de concessões de rádio e TV ou se pretende mantê-las. Convocou para o final do ano a primeira Conferência Nacional de Comunicação, cuja agenda prevê uma discussão em profundidade sobre as iniqüidades que reinam em nossa mídia eletrônica e poucos meses antes faz esta farta distribuição de presentes.

Precisamos desconcentrar nossa mídia, isso é imperioso, mas não às custas deste tipo de ambigüidade que confunde a sociedade, confunde o cidadão e reforça a impressão de que no Brasil vale tudo, desde que os beneficiários sejam da turma da “gente boa”.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem