Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

Programa nº 2327

>>A fumaça do noticiário
>>Uma paçoca e uma tubaína

Por Luciano Martins Costa em 23/05/2014 | comentários

Ouça aqui

Download

A fumaça do noticiário

Pesquisas de intenção de voto são um grande incentivo para a criatividade nas redações: com base em dados parciais, e muitas vezes sem considerar elementos conjunturais que influenciam as respostas dos consultados, os editores tascam suas versões com a mesma convicção de um apostador diante do guichê do jóquei clube.

Para quem duvida que há um viés homogêneo na mídia tradicional do País, basta comparar a interpretação apresentada nesta sexta-feira (23/5) pelos três principais jornais de circulação nacional à última pesquisa eleitoral do Ibope.

Os números indicam uma reversão na tendência apresentada nas duas consultas anteriores, que mostravam uma queda acentuada na preferência dada à reeleição da atual presidente da República.

No entanto, agora os jornais se prendem apenas aos indicadores mais recentes, esquecendo o que disseram na consulta anterior, feita entre os dias 10 e 14 de abril: se o leitor for reler as edições do dia 15 do mês passado, vai encontrar uma profusão de opiniões falando em "tendência de queda" da presidente.

Por que razão, quando a candidata reverte o quadro e volta aos índices de preferência registrados em março, quando tinha 40% das intenções de voto, o critério passa a ser outro?

São poucos os fatos capazes de mudar a convicção de um grande número de indivíduos ao mesmo tempo.

Entre março e abril, segundo a imprensa, a queda nas chances de reeleição de Dilma Rousseff foi provocada pela inflação – a bem da verdade, de um bombardeio de más notícias, destacadas pelos jornais, sobre oscilações de preços de alguns produtos.

Se o catastrofismo da imprensa influenciou os eleitores no mês passado, o que teria feito com que a tendência fosse revertida, devolvendo à presidente os mesmos 40% de março?

Os analistas selecionados pelos jornais dizem que a mudança foi causada por um anúncio do partido situacionista, acenando com o risco de retrocesso caso a oposição ganhe a eleição presidencial.

Isso equivale a considerar que basta uma boa equipe de marqueteiros e qualquer um pode mudar a opinião de uma enorme massa de eleitores?

Claro que não: os jornalistas sabem que a opinião é influenciada por uma enorme complexidade de fatores, e que um filme de dez minutos na TV não seria capaz de reverter a tendência do eleitorado.

Uma paçoca e uma tubaína

O único texto que faz alguma justiça ao leitor mais crítico foi publicado pelo Globo, e tem como título a melhor interpretação que se pode fazer do atual momento político: "Um enigma eleitoral".

Ali se observa que Dilma Rousseff se mantém na liderança da disputa, e que nove em cada dez eleitores se dizem "satisfeitos" ou "muito satisfeitos" com a vida que levam, porém dois terços querem mudanças no próximo governo e 67% querem uma mudança sem Dilma.

Para completar a análise, seria interessante refletir sobre a origem desse desejo de mudança em um contexto de ampla satisfação.

Ganha uma paçoca quem especular que a satisfação de "nove entre dez" brasileiros é produzida pela percepção racional de que sua vida melhorou nos últimos anos.

Ganha uma tubaína quem acrescentar que o desejo de mudança nasce do aumento da consciência do cidadão sobre a permanência de problemas estruturais na política e nas instituições públicas.

Ganha a paçoca e a tubaína quem somar as duas coisas e observar que a imprensa esconde a parte boa da realidade e exacerba a parte ruim.

Portanto, não é completamente correta nenhuma análise sobre pesquisas de intenção de voto que não levar em conta a influência do noticiário no estado de espírito dos eleitores.

Ao bombardear a sociedade com um noticiário negativo e sem tréguas, a imprensa produz um pessimismo que se personifica na figura da chefe do Executivo.

No entanto, a realidade acaba se impondo, e produz a contradição vista pelo articulista do Globo.

Como se vê, é um enigma de fácil solução.

A leitura do conjunto de jornais mostra que a imprensa não consegue admitir que, apesar de sua campanha catastrofista, a sociedade vai discernindo a realidade em meio à fumaça do noticiário.

A leitura dos indicadores da pesquisa induz à conclusão de que o eleitor está menos suscetível à influência da mídia.

Pelos números do Ibope, todos os candidatos ganharam alguns pontos.

Só a imprensa perdeu.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem