Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

Programa nº 1919

Luciano Martins-Costa

>>A notícia como fábula
>>Realidade e ficção

Por Luciano Martins Costa em 22/10/2012 | comentários

Ouça aqui

Download

 

A notícia como fábula

A uma semana do segundo turno das eleições municipais, os jornais aproveitam as edições de sábado e domingo para fazer o balanço dos partidos que têm mais chances de crescer, apresentam projeções para 2014 e oscilam entre duas possíveis lideranças de oposição com vistas à disputa presidencial daqui a dois anos.

Diante da derrota iminente de José Serra em São Paulo, a julgar pelas pesquisas mais recentes, e já antevendo o desmanche do PSD, iniciativa partidária do atual prefeito paulista, Gilberto Kassab, em parceria com a Federação do Comércio, a imprensa faz suas apostas.

Há um esforço para alargar as pautas e manter no centro da cena política o ex-governador de Minas Aécio Neves, mas o desempenho do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, já começa a alimentar especulações sobre eventual aliança entre seu partido, o PSB, e o PSDB de Neves.

No entanto, na falta de fatos concretos, a imprensa trata de construir fabulações, ou seja, elabora histórias em que fantasia e realidade se misturam para a montagem de uma possibilidade que, por enquanto, não passa de especulação.

Mas nem só de possíveis alianças vive o noticiário político.

Embora condenem, oficialmente, o baixo nível de algumas pautas da campanha eleitoral, os jornais seguem explorando os temas que trouxeram à cena política personagens do submundo dos negócios religiosos.

Com a grande exposição que obteve ao explorar a questão das campanhas contra a homofobia, o pastor da Assembleia de Deus Silas Malafaia, usado pela equipe do candidato José Serra para atacar seus adversários em 2010 e 2012, anuncia seu projeto de estabelecer em São Paulo uma filial de sua igreja, que tem sede no Rio de Janeiro.

Folha de S. Paulo fez ainda mais por Malafaia: editou uma entrevista com o empresário da fé no programa que a TV Folha divulga através da TV Cultura de São Paulo, no domingo, dando-lhe nova oportunidade de influenciar a eleição paulistana e vender sua mensagem obscurantista.

Malafaia deitou e rolou, com seu estilo histriônico, num jogo desigual no qual o entrevistado não foi contestado, fez propaganda de sua igreja e defendeu abertamente a candidatura de José Serra.

O título que a TV Folha deu à entrevista, “questão de fé”, funcionou como um aval para o entrevistado.

Realidade e ficção

A combinação entre a entrevista de Malafaia e o restante da programação revela um esforço daFolha de São Paulo para transitar entre a informação objetiva e a tentação de influenciar a opinião do público.

Supõe-se que deixar o entrevistado falar livremente é a melhor maneira de expor seu pensamento objetivamente, mas no caso a TV Folha acabou servindo de palanque ao líder religioso.

No entanto, no debate que se seguiu, entre dois analistas da campanha, ambos disseram que problemas políticos ou morais, como o tema do “kit gay” e o julgamento no STF, não afetam a escolha do eleitorado paulistano, 80% do qual deseja mudanças na prefeitura.

Esse conjunto de narrativas pode ser lido no contexto descrito pelo jornalista e pesquisador Renato Modernell no seu livro intitulado “A notícia como fábula: realidade e ficção se confundem na mídia”.

Comparando vários exemplos de reportagens que transitam pelo terreno da imaginação e são apresentadas como representação real dos fatos narrados,

Modernell observa que, apesar de não ser possível produzir uma “escala Richter” das fabulações, pode-se constatar elementos de ficção agregados à escrita jornalística com o propósito de desviar a narrativa para determinada significação.

O pesquisador rastreia alguns artifícios utilizados pela imprensa para produzir essas fábulas travestidas de informação objetiva.

Omissão, repetição, recorte, deslocamento de contexto, falseamento de autoria, envenenamento da verdade, nariz de cera e outros mecanismos são usuais no jornalismo, sempre na busca de estabelecer uma veracidade onde só existem “as lendas da objetividade e da imparcialidade”.

Não se trata, aqui, como ressalva Renato Modernell em seu ensaio, de desqualificar a imprensa como um todo – afinal, sua eficiência e seu livre funcionamento ajudam a garantir as liberdades civis.

No entanto, não se pode esquecer que, tratando-se de um sistema, a imprensa sempre terá interesses específicos que não são sempre, necessariamente, os mesmos da maioria da sociedade.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem