Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

Programa nº 1609

>>A queda do outro muro
>>A ultradireita e a crise

Por Luciano Martins Costa em 09/08/2011 | comentários

Ouça aqui

Download

A queda do outro muro

“Bolsas assombram mundo”, “Investidor foge para papéis dos Estados Unidos e derruba Bolsas”, “Mercados arrasados”, “Bolsas repetem auge da crise de 2008” – as manchetes desta terça-feira, dia 9, carregam o leitor de volta para um dia de setembro, três anos atrás, quando a crise dos derivativos derreteu Wall Street.

A imprensa, de modo geral, está comparando a situação atual com aquele evento, mas o próprio noticiário recomenda um olhar diferente.

Não há semelhança entre os acontecimentos de 2008 e os de 2011, os protagonistas são outros e desta vez não se espera que os Bancos Centrais abram os cofres públicos para pagar os prejuizos.

Mas uma crise certamente levou a outra.

O noticiário desta terça, visto pelos jornais de papel, cria a ilusão de que o mundo foi surpreendido por uma hecatombe.

Mas a queda das bolsas é o evento mais anunciado dos últimos tempos.

Interessante observar como o sistema econômico, baseado na crueza dos números, na verdade é movido por emoções.

Faz mais de uma semana que se anuncia a possibilidade de rebaixamento da economia americana por parte das agências de avaliação de risco, e o mercado esperava que uma frase do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, produzisse a mágica de reverter a realidade matemática.

E embora os analistas mais respeitados não apostem um centavo na opinião dessas agências, bastou uma declaração da Standard & Poors – que errou feio em 2008, dando notas altas para bancos virtualmente quebrados – para as bolsas virem abaixo.

Estamos assistindo o desfecho da aventura irresponsável que conduziu à crise de 2008.

O mundo está sendo conduzido para um período de recessão que pode durar dez anos e, ironicamente, as atenções se voltam para a capacidade dos países emergentes de manter a economia global acima da linha d’água.

O desastre que estamos assistindo é o teste de realidade para um sistema econômico que flertou exageradamente com o perigo.

Depois da queda do muro de Berlim, em 1989, pode-se afirmar que este agosto de 2011 registra a queda de Wall Street como ícone do sistema financeiro mundial.

Buscar a interpretação adequada para os fatos, ainda no calor dos acontecimentos, é a tarefa mais difícil do jornalismo, mas é também a mais importante.

Neste momento, mais do que nunca, a imprensa tem que encarar seus próprios temores e se dispor a analisar o sistema.

Não apenas o sistema econômico, mas o próprio sistema de crenças da imprensa.

A ilusão de que o mercado tudo pode acaba de ruir.

A ultradireita e a crise

Um elemento crucial da atual crise produzida pela demora na elevação do teto da dívida norteamericana tem sido negligenciado pelos jornais nacionais e do exterior.

Atentando para os aspectos econômicos, a cobertura esqueceu-se das questões políticas que envolveram a elevação do teto da dívida. E se esqueceu também do papel desempenhado pelo Tea Party, representante da extrema direita no país, no desgaste não só do governo de Barack Obama e do Partido Democrata, mas também do Partido Republicano.

Soma-se a isso o fato de que o Tea Party tem fortes relações estabelecidas com a emissora Fox News, que pertence ao notório aventureiro australiano rupert Murdoch. Reportagens e mais reportagens sobre essas relações povoam o site Media Matters, que em alguns artigos chega a dizer que não existiria o Tea Party se não fosse o suporte da Fox News (veja em http://mediamatters.org/research/201105230011).

Esse aspecto da crise vai ser tema para as discussões do Observatório da Imprensa desta terça-feira. Em estúdio, na companhia de Alberto Dines, participam o professor da UnB David Fleisher, o articulista e repórter do Estado de S.Paulo Rolf Kuntz e a editora de internacional do Globo, Sandra Cohen. O programa contará também, em entrevistas, com o jornalista William Waack, o professor Reinaldo Gonçalves, da UFRJ, e o economista Sérgio Besserman.

O Observatório da Imprensa na TV vai ao ar às 22 horas, pela TV-Brasil, ao vivo, em rede nacional. Em São Paulo pelo canal 4 da NET e 116 da Sky.

(Com Tatiane Klein).

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem