Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

Programa nº 2395

>>A volta do parafuso
>>O peso da mídia

Por Luciano Martins Costa em 27/08/2014 | comentários

Ouça aqui

Download

A volta do parafuso

Os jornais desta quarta-feira (27/8) se esbaldam com os números da primeira pesquisa Ibope de intenção de voto feita após a morte do ex-governador Eduardo Campos e sua substituição pela ex-ministra Marina Silva na chapa do PSB.

A tendência dos analistas é considerar que esse retrato pode ser alterado nas próximas semanas, em função da propaganda eleitoral na televisão e por conta de um novo posicionamento estratégico dos candidatos Dilma Rousseff, do PT, e Aécio Neves, do PSDB, diante da rápida ascensão da ex-ministra.

A imprensa também dá grande repercussão ao primeiro debate direto entre os candidatos, transmitido na noite de terça pela TV Bandeirantes.

As avaliações dos três principais jornais do País são muito parecidas, e mostram como Marina Silva procurou se inserir como uma cunha na disputa polarizada entre o PT e o PSDB, tentando consolidar-se como uma "terceira via".

No entanto, segundo observadores credenciados pela mídia, ela teve dificuldade para explicar como pretende reformar os paradigmas da política com uma base partidária predominantemente conservadora.

Analistas consideraram Dilma Rousseff mais segura que seus contendores, dedicada a ressaltar números positivos de seu governo, apesar de ter se transformado em alvo direto do bombardeio de todos os outros participantes.

Aécio Neves é apresentado como tendo tido um desempenho mediano, ocupado em se mostrar como o principal antagonista da atual presidente, e baseou todos os seu ataques a Dilma Rousseff em temas exaustivamente tratados pelos jornais.

Marina Silva, segundo os analistas, procurou se impor como protagonista importante, mas começou o debate de forma tímida e confusa, ao tentar capitalizar os protestos que ocuparam as ruas das grandes cidades brasileiras no segundo semestre do ano passado.

No fim, conseguiu se inserir no centro do debate, mas ainda ficou a dever um esclarecimento definitivo sobre como produziria uma "nova política" tendo como candidato a vice-presidente um parlamentar apoiado por seus velhos desafetos do agronegócio.

De qualquer modo, há quem diga que a ex-ministra apertou um parafuso no esquife da candidatura de Aécio Neves.

O peso da mídia

Debates eleitorais pela televisão não têm o objetivo de esclarecer o eleitor.

Pelo contrário, quase sempre a intenção é criar confusão com números e usar meias-verdades para constranger o oponente.

No caso em questão, é natural que o nome que aparece na liderança nas pesquisas seja o alvo de todos os debatedores, e foi o que aconteceu.

Mas há uma nova dinâmica, mostrada pelo Ibope, o que potencializa mudanças bruscas no cenário eleitoral.

Por exemplo, embora a candidata Marina Silva tenha se apresentado como aquela que vai reformar os modos da política, os jornais desta quarta-feira insistem em explorar as suspeitas de uso irregular de recursos por seu partido.

Os três principais diários de circulação nacional destacam investigação da Polícia Federal dando conta de que o avião em que se acidentou o ex-governador Eduardo Campos no dia 13 foi comprado com dinheiro de empresas-fantasmas.

Esse é o tipo de armadilha que se esconde no caminho da ex-ministra.

Para consolidar o potencial de votos que aparece na pesquisa Ibope, ela terá que manter a mística da heroína que pretende resgatar a moralidade na política, convencer os cidadãos de que não será influenciada pelo dinheiro que financia seu partido e ainda conquistar a confiança dos eleitores de oposição que começam a abandonar o barco de Aécio Neves.

Além disso, precisa administrar os conflitos de interesse que a opõem a seu candidato a vice, o deputado gaúcho Beto Albuquerque.

O principal trunfo de Marina Silva ainda é a herança idealista de seus tempos de defensora da floresta, ao lado do seringalista Chico Mendes, que cultivou como militante do Partido dos Trabalhadores.

Aécio Neves precisará reinventar sua estratégia, se quiser continuar no jogo.

A presidente Dilma Rousseff tem o desafio de estancar a evasão entre os próprios simpatizantes do PT, que sentem saudade da inocência perdida.

De qualquer modo, embora tenha caído 4 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, a avaliação positiva de seu governo cresceu 2 pontos, o que mostra espaço para consolidar sua liderança.

Nessa situação volátil, aumenta o valor da propaganda eleitoral – que tem em média quase quatro vezes o pico da audiência alcançada pelo debate na TV Bandeirantes – e cresce a influência da mídia.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem