Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

Programa nº 1618

>>No tempo das raposas felpudas
>>Lei da Ficha Limpa

Por Luciano Martins Costa em 22/08/2011 | comentários

Ouça aqui

Download

No tempo das raposas felpudas

Houve época em que os principais protagonistas da política nacional eram atores do porte de Ulisses Guimarães, Leonel Brizola, Franco Montoro e Teotônio Vilela.

Era comum, então, o uso da expressão “raposa felpuda” para identificar aqueles mais argutos no jogo do poder.

José Sarney é desse tempo, e a longevidade de sua carreira na política dá conta de sua capacidade de articulação sem limites.

Os lances de então eram comparados a um jogo de estratégias – o xadrez político, dizia-se.

O cenário era o da reconstrução da democracia, após o processo interrompido pela ditadura militar, e esses personagens buscavam moldar o país conforme suas crenças ideológicas.

No centro da disputa, balançando de lá para cá, atuava o chamado “Centrão”, que teve como figura emblemática o deputado Roberto Cardoso Alves, que se celebrizou com a frase “é dando que se recebe”.

Em torno de “Robertão” vicejou a matilha que os repórteres e analistas da política batizaram de “baixo clero”.

Esses viviam de pequenos favores, restos de verbas orçamentárias para suas bases eleitorais e um espaço atrás dos ombros das verdadeiras celebridades nas fotografias dos jornais e imagens da TV.

Não costumavam ocupar o tempo das tribunas, reservado para os bons oradores, capazes de criar “bordões” que a imprensa reverberava pelo país afora.

Hoje os tempos são outros.

O único exemplar da espécie das “raposas” que ainda pode ser visto no Cerrado é o velho cacique do Maranhão – que acabou agregando outra capitania hereditária, a do Amapá.

Em torno dele, e com sua ajuda, o “baixo clero” evoluiu para o cardinalato.

Figuras miudas como o senador Renan Calheiros habituaram-se ao topo do poder – com tudo que já lhe foi imputado, Calheiros ainda manobra para ser o sucessor de Sarney na presidência do Senado.

O velho xadrez foi subsituido por outro jogo, menos sofisticado e mais bruto – uma espécie de Banco Imobiliário.

O “é dando que se recebe” virou uma ameaça: “se não der, voto contra, aumento os gastos públicos e derrubo a economia”.

E a imprensa?

Nesse período, a imprensa fez uma sequência de movimentos para dentro do campo.

Primeiro deixou as cabines de transmissão e se apropriou do apito.

Depois, largou o apito e vestiu um dos uniformes.

Agora, tenta assumir o lugar do treinador.

Lei da Ficha Limpa

Assim é que o noticiário político se apresenta nestes dias: a imprensa publica denúncias de corrupção, os acusados abandonam seus cargos em troca de um anonimato que imaginam temporário, na esperança de retornar ao poder numa próxima eleição, e as peças se movem continuamente no tabuleiro.

Aliados do governo ameaçam pular para o lado da oposição, mas ali a ração é parca – e tudo cheira a blefe.

Os outrora renhidos oposicionistas recebem a presidente e lhe fazem agrados, tudo em nome do combate à corrupção e da eliminação da miséria.

As intenções não poderiam ser melhores, mas o leitor atento não pode se esquecer de que nem tudo é o que parece.

Nesta segunda-feira, o estranho bailado dos políticos é assunto de muitos dos analistas da imprensa.

O tema subjacente é a possibilidade de uma nova aliança entre o governo e parte da oposição, capaz de colocar limites à corrupção e estabelecer um controle restrito aos gastos públicos.

Em alguns artigos, a presença da presidente Dilma Rousseff no Palácio dos Bandeirantes, ninho de tucanos, é puro jogo de cena, apenas retórica na qual os oposicionistas “caem como patinhos”.

Em editorial, dá-se uma força à chefe do Executivo diante do dilema entre cortar gastos e ceder à fome de recursos dos aliados.

Nas entrelinhas dos textos, observe-se a ilusão recorrente da imprensa de que são os jornalistas que conduzem os movimentos na política.

Mas a realidade não permite muitas ilusões: a verdadeira mudança não ocorre no centro do poder, mas na periferia, a partir do voto consciente.

O Brasil começará a mudar quando os eleitores deixarem de mandar para Brasília “raposas felpudas” ou reles gambás.

Retomar a campanha pela efetividade da Lei da Ficha Limpa já seria um bom ponto de partida.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem