Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

Programa nº 1577

>>O desafio do leitor em movimento
>>A essência do jornalismo

Por Luciano Martins Costa em 24/06/2011 | comentários

Ouça aqui

Download

O desafio do leitor em movimento

Uma nota na Folha de S.Paulo desta sexta-feira, dia 24, informa que o brasileiro é o leitor que mais utiliza tablets e smartphones para acessar conteúdo jornalístico.

A notícia tem origem em estudo realizado pela empresa americana de consultoria ComScore, criada em 1999 e considerada a instituição de pesquisa com maior penetração e capilaridade no ambiente de negócios digitais.

A metodologia da empresa utiliza a experiência de monitoramento de compras online, que permite consultar centenas de milhares ou até milhões de pessoas, ao contrário das técnicas baseadas em amostragens selecionadas.

Sua reputação entre profissionais de publicidade e marketingequivale, no Brasil, ao status obtido pelo Ibope na mensuração da audiência de televisão.

Por essas razões, o trabalho da ComScore merece ser analisado com atenção pelos gestores das empresas jornalísticas.

O levantamento considerou 13 mercados em todo o mundo.

Segundo o resumo apresentado pela Folha, no Brasil o tráfego de sites de conteúdo jornalístico a partir de aparelhos móveis diferentes de computadores portáteis é mais do que duas vezes maior que a média mundial de acessos a sites por esses novos gadgets.

Dos mercados pesquisados, apenas a Índia apresenta índices inferiores de acesso a conteúdo noticioso do que a média.

No cômputo geral, o acesso à internet ainda é feito basicamente a partir de computadores pessoais, mas a preferência pela busca de notícias a partir de telefones celulares e tablets mostra uma tendência que pode afetar a forma de produzir jornalismo.

O aparelho preferido pelos brasileiros entre os meios de acesso diferentes de computadores pessoais é o tabletiPad, seguido pelo iPhone, também da Apple.

Embora o número de aparelhos desse tipo no Brasil ainda não possa ser comparado aos de mercados como Japão e Estados Unidos, para os pesquisadores é importante observar como os usuários se apropriam das novas tecnologias.

Com uma base ainda dominada por computadores de mesa, o mercado brasileiro de internet tende a se expandir com os planos de universalização do acesso e os gestores precisam conhecer a evolução dos hábitos do público para preparar suas estratégias.

Essencialmente, o que a pesquisa da ComScore está dizendo é que, com um aparelho portátil nas mãos, feito originalmente para ser usado como telefone e com acesso à internet, é forte a tendência de uso desse equipamento para a obtenção de notícias e informações.

Isso afeta profundamente o conceito de leitura e, com isso, até mesmo o modo de produzir, organizar e entregar o conteúdo jornalístico.

A essência do jornalismo

Uma das características que se pode constatar no uso de aparelhos como smartphonese tabletsé o acesso a informações utilitárias, como localização de endereços, confirmação de horários de eventos e obtenção de dados sobre condições de trânsito, assim como o  acesso a previsões meteorológicas, muito popular nos Estados Unidos.

No entanto, também se pode observar empiricamente, através das redes sociais, que o compartilhamento de informações é uma prática consolidada entre os usuários.

Praticamente todas as empresas jornalísticas já instalaram em suas páginas online os pontos de ligação de reportagens, imagens e artigos com as redes tipo Facebook ou Twitter.

Desse conjunto de dados se pode concluir que o público se torna cada vez mais móvel e, contraditoriamente, ainda mais ligado nos acontecimentos.

A imagem do homem sentado num café com um jornal de papel nas mãos era o mais alto grau de mobilidade da notícia que a imprensa conseguia imaginar até pouco tempo atrás.

Agora, quase tudo cabe num aparelho que pode ser levado no bolso da camisa.

A questão que se coloca é: qual será o tamanho do jornalismo que se vai oferecer a esse cidadão?

O dilema de oferecer textos longos nos tablets já foi superado com o sucesso dos livros digitais.

A pesquisa da ComScore mostra que, quando a informação é interessante, o tamanho da tela deixa de ser um obstáculo à leitura.

Portanto, voltamos à origem: o grande desafio da imprensa segue sendo o de produzir conteúdos que valham o tempo do público.

As mudanças na tecnologia exigem adaptações no formato e talvez venham a alterar até mesmo as técnicas de redação e composição de dados numa reportagem, como a apresentação de parte das informações em formato gráfico.

O que não muda é a essência do jornalismo e sua capacidade de representar da maneira mais realista e instigante os fatos do mundo.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem