Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

Programa nº 1699

>>O livro invisível
>>Apostando no silêncio

Por Luciano Martins Costa em 14/12/2011 | comentários

Ouça aqui

Download

O livro invisível

O espetacular lançamento do livro A privataria tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Jr., certamente um dos mais velozes fenômenos de venda da indústria brasileira de livros, produz outras circunstâncias estranhas, além do escancarado constrangimento da chamada grande imprensa: o autor e a editora foram vítimas de uma pirataria militante, com a distribuição ilegal de cópias digitais da obra.

Nas primeiras horas da manhã desta terça-feira, dia 13, cópias digitais em formato .pdf já estavam à venda ou eram distribuidas gratuitamente em vários sites. No blog livrosdehumanas.org, podia-se baixar uma cópia com desconto de 30% sobre o preço oficial de R$ 34,90. (ver: http://livrosdehumanas.org).

O publisher e sócio da Geração Editorial, Luiz Fernando Emediato, foi informado pelas redes sociais da derrama de exemplares pirateados quando o sistema paralelo de distribuição e venda já se configurava como uma ação viral – quando determinado tema entra simultaneamente entre os tópicos mais vistos da internet, através de sites, blogs, redes de relacionamento e sistemas de mensagens curtas, tornando-se quase impossível contê-lo.

Ao longo da terça-feira, o esforço da Geração Editorial ainda não havia conseguido bloquear o sistema paralelo de vendas, o que teoricamente deveria aumentar o interesse jornalístico por esse fenômeno do mercado editorial.

O sucesso estrondoso do livro criou uma situação inusitada: ele se instalou rapidamente no topo do ranking de vendas da Livraria da Folha na semana, enquando a Folha de S.Paulo seguia ignorando sua existência.

O leitor há de ficar atento à listagem dos livros mais vendidos na revista Veja, para verificar se o mistério se repete: um livro campeão de vendas que a imprensa considera inexistente.

Em entrevista à agência Carta Maior, Luiz Fernando Emediato disse acreditar que a grande imprensa vai entrar em breve no debate que se seguiu à publicação, por causa do grande interesse demonstrado pelo público através das redes sociais e da mídia online.

Mas a chamada grande imprensa seguiu desprezando o acontecimento jornalístico mais interessante da temporada, assim como se calaram os principais personagens da história.

Para os jornais, A privataria tucana é um livro invisível. É como se os editores acreditassem que aquilo que não sai na imprensa tradicional nunca aconteceu.

Apostando no silêncio

Emediato dizia esperar que o ex-governador José Serra viesse a público a qualquer momento para se justificar, uma vez que não é acusado diretamente dos crimes citados na reportagem. “Mas falar que não sabia das movimentações milionárias da filha, é algo difícil de acreditar”, afirmou.

Saboreando o sucesso comercial de seu empreendimento, o editor participou ativamente dos debates nas redes sociais desde o sábado, ao mesmo tempo em que administrava uma estratégia cautelosa em relação ao PSDB.

Pelo menos dois colunistas da Folha de S.Paulo e uma colunista do Estadão estavam digerindo o livro na terça-feira.

O ex-governador José Serra, principal personagem da reportagem, resolveu sair do mutismo e declarou ao site do Estadão, no fim da tarde desta terça-feira, que não se manifestaria sobre o assunto. “Vou comentar o que sobre lixo? Lixo é lixo”, teria dito Serra, segundo a site do jornal paulista.

Presente ao mesmo evento, a inauguração da sala da liderança do PSDB na Câmara dos Deputados, batizada com o nome do falecido ex-deputado e jornalista Artur da Távola, o senador Aécio Neves, apontado como mentor da investigação que colocou Ribeiro Jr. na pista de José Serra, também evitou comentários, chamando a obra de “literatura menor”.

Todo o teor da reportagem trata de desqualificar o autor do livro (ver http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,serra-chama-de-lixo-livro-sobre-privatizacoes-do-governo-fhc,810591,0.htm).

O mesmo viés aparece na repercussão imediata de outros sites da grande imprensa, na madrugada desta quarta-feira, dia 14.

A primeira manifestação de Serra depois da publicação do livro foi seguida de uma postagem no Twitter, na noite de terça-feira. “Não se faz política para ser-se digno. Faz-se política por ser digno”, escreveu, citando Artur da Távola.

No mesmo horário a frase foi postada em sua página no Facebook (/timeserra45).

No seu site (www.joseserra.com.br), atualizado pela última vez na véspera do lançamento do livro, seu artigo publicado originalmente no Estado de S.Paulosob o título “O mal essencial”, trata de corrupção.

Nenhuma referência às acusações contidas no livro.

Serra parece confiante de que, se a grande imprensa não noticiar, a onda vai passar.

 

 

 

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem