Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

Programa nº 2418

>>Os mesmos cães de guarda
>>Os que ladram e os que mordem

Por Luciano Martins Costa em 30/09/2014 | comentários

Ouça aqui

Download

Os mesmos cães de guarda

Os jornais retratavam, na manhã desta terça-feira (30/9), a expectativa geral sobre a pesquisa de intenção de voto que poderia indicar a consolidação da tendência observada há três semanas: o quadro mostra a sólida ascensão da candidatura da presidente Dilma Rousseff e o refluxo da onda Marina Silva.

Os números podem indicar uma definição da disputa no primeiro turno, a depender da escolha dos eleitores que estão deixando a candidata do PSB.

Aécio Neves, do PSDB, espera ansiosamente um sinal dos oráculos.

Os analistas da imprensa insistem em afirmar que a mudança de rumo do eleitorado, que até o final de agosto parecia conduzir a ex-ministra do Meio Ambiente a uma posição privilegiada no segundo turno, é resultado dos ataques que ela vem sofrendo por conta de contradições exploradas pelos adversários.

Mas essa não é a verdade completa: no núcleo de campanha do Partido dos Trabalhadores, e mesmo entre destacados militantes do PSDB de São Paulo, existe a convicção de que a recuperação da candidatura petista se deve às informações sobre as conquistas sociais da última década que tem sido veiculados na propaganda de Dilma Rousseff no rádio e na televisão.

Resumindo, pode-se afirmar que os ataques a Marina Silva, desfechados tanto pela campanha do PT quanto pelo candidato do PSDB, Aécio Neves, quebram a mística que cercava a ex-ministra desde a morte de seu parceiro de chapa, o ex-governador Eduardo Campos.

Mas o que tem revertido uma grande proporção de votos em favor da reeleição da presidente da República é a divulgação intensa de indicadores reais sobre as condições de vida da maioria da população, que a imprensa esconde do público.

Entre conselheiros da ex-ministra do Meio Ambiente, ocorre nos últimos dias certa urgência em recuperar sua imagem como militante da causa da sustentabilidade, como recurso para estancar a perda de votos entre os eleitores engajados em movimentos sociais, principalmente os jovens.

Oficialmente, porém, seu comitê de campanha insiste em reafirmar que a nova Marina Silva "é a maior aliada do agronegócio brasileiro", como declarou o biólogo João Paulo Capobianco, um de seus conselheiros mais próximos, durante evento organizado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Os que ladram e os que mordem

Há muito a ser dito sobre as idas e vindas da candidata do PSB, e sobre o espaço que sua trajetória de indefinições abre para os concorrentes.

Os jornais registram, por exemplo, que o senador Aécio Neves criou para esta semana decisiva uma agenda que começa com a exploração do tema da sustentabilidade, seguindo-se a questão da gestão pública e políticas sociais, deixando a economia para o último dia da propaganda eleitoral no rádio e na TV.

O candidato predileto das grandes empresas de comunicação não precisa de muito esforço para divulgar seus projetos, porque a mídia tradicional atua desde sempre como uma extensão de seu comitê de campanha.

Pode-se afirmar exatamente o contrário da candidatura de Dilma Rousseff: ela só conseguiu reverter o quadro porque conta com mais tempo no horário da propaganda eleitoral e tem podido compensar o boicote que lhe faz a imprensa.

Com mais informação, aumenta a aprovação ao seu governo.

Em 1932, o jornalista e filósofo francês Paul Nizan publicou o ensaio intitulado "Os cães de guarda", para denunciar os intelectuais que, no começo do século XX, atuavam como guardiães do status quo.

Em 2007, o jornalista Serge Halimi, atuando no jornal francês Le Monde Diplomatique, denunciou a atuação da imprensa como força subversiva a serviço de si mesma e do poder econômico, no livro intitulado "Os novos cães de guarda".

O livro de Halimi foi resenhado por Norma Couri neste Observatório (ver aqui) e inspirou um polêmico documentário produzido em 2012.

O quadro eleitoral mudou porque a propaganda na televisão e no rádio quebra a hegemonia da mídia tradicional e reduz a desigualdade imposta pela imprensa à candidatura de Dilma Rousseff.

Com as "exceções de praxe", a imprensa brasileira é o quartel-general dos cães de guarda, que se apresentam como um contra-poder independente e pluralista mas atuam invariavelmente como evangelistas da doutrina segundo a qual a sociedade deve ser regida pelo mercado.

Por exemplo, nesta terça, a Folha alerta, em manchete: "Com Dilma em alta, Bolsa tem a maior queda em 3 anos".

Alguns se dedicam a ladrar, mas há os que mordem.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem