Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

Programa nº 1984

>>Redações em uníssono
>>Ecoando a voz do dono

Por Luciano Martins Costa em 25/01/2013 | comentários

Ouça aqui

Download

 

Ecoando a voz do dono

Um dos exercícios mais interessantes na análise da imprensa é a busca de pontos em comum entre o noticiário e os editoriais e artigos.

Nos jornais desta sexta-feira (25/01), por exemplo, algumas das coincidências estão expostas nas reportagens sobre o projeto de redução da tarifa de energia elétrica.

O tom do material publicado, sobre um pronunciamento da presidente da República anunciando que o Tesouro Nacional vai garantir o corte de custos da energia, induz o leitor a uma interpretação negativa da decisão do governo.

Artigos e editoriais repetem quase literalmente declarações de representantes da oposição e o tom geral do conteúdo dos jornais tende a inverter o sentido da iniciativa e transformá-la em algo condenável.

Os fatos vêm à luz para serem interpretados, e tanto podem produzir apoio como rejeição.

Mas o que se observa aqui é a homogeneização do discurso jornalístico, com a imposição de um viés dominante e a eliminação do contraditório.

No caso da proposta de redução da tarifa de energia, o assunto frequenta o noticiário desde o primeiro trimestre de 2012, como parte dos debates sobre o aumento da competitividade da economia brasileira e a necessidade de evitar a volta da inflação.

O corte nos gastos operacionais das empresas era uma demanda apoiada pela imprensa, dentro do discurso recorrente sobre o conjunto de valores que é chamado comumente de “custo Brasil”.

O tema é manchete nos três principais jornais de circulação nacional, com uma pequena diferença do Globo, que diz o seguinte: “BC diz que luz cairá 11% em média ao ano”.

A proposta editorial, legítima, é apontar uma possível diferença entre o anúncio da presidente da República, que prevê um desconto de 18% nas contas de luz dos consumidores domésticos, e as projeções do Comitê de Política Monetária do Banco Central, divulgadas na mesma quinta-feira.

No entanto, como seus concorrentes e consortes Folha de S. Paulo e o Estado de S. Paulo, o Globo transforma em editorial a opinião manifestada por representantes da oposição, afirmando que a presidente aproveitou o anúncio da medida para fazer um discurso eleitoral.

O mesmo tom é repetido por colunistas dos jornais, produzindo um coro que denuncia a falta de diversidade de opiniões na imprensa.

Redações em uníssono

Em seu livro recentemente lançado, intitulado “Ah! – atestado de óbito do Jornal da Tarde e outras histórias”, o jornalista Vital Battaglia observa que a decadência da imprensa brasileira começou quando os proprietários das empresas de comunicação retiraram do comando dos jornais os profissionais que haviam participado da resistência contra a ditadura e, julgando-se também jornalistas, impuseram-se às redações.

Observada sob esse ponto de vista, a história recente da imprensa no Brasil faz mais sentido, pelo motivo muito simples de que o jornalismo de qualidade exige certo espírito rebelde e questionador, que a presença intimidadora do dono tende a desestimular.

Jornalistas conformistas ou adesistas tendem a condicionar seu espírito crítico ao viés do patrão.

O advento das tecnologias digitais de comunicação e informação se deu quase ao mesmo tempo em que as principais empresas de mídia brasileiras começaram a trocar seus comandos e reduzir a autonomia das redações, escolhendo para as principais tarefas profissionais mais cordatos com relação à opinião do dono.

Em alguns casos, como no Estado de S. Paulo, o projeto de modernização realizado no final dos anos 1980 e início dos anos 1990 foi conduzido o tempo todo em meio a um conflito aberto entre acionistas e os profissionais encarregados da mudança.

Depois disso, o que se viu foi o processo de domesticação da redação, até o ponto em que foi entregue a um diretor que culminou uma sucessão de desmandos com o assassinato de uma ex-namorada.

O mesmo olhar, dirigido a todos os outros jornais, vai mostrar um processo semelhante, com algumas diferenças no método: aqui se deve destacar o caso do gaúcho Zero Hora, onde foi determinado que os membros da família proprietária que pretendessem participar diretamente da atividade jornalística deveriam buscar a melhor formação profissional possível.

Ainda assim, a melhor qualificação não substitui a exigência fundamental do jornalismo: a capacidade de divergir, de se opor à corrente, de questionar certas convicções e se manter aberto a idiossincrasias.

Essa é uma condição que praticamente desapareceu das empresas brasileiras de comunicação.

As edições desta sexta-feira dos três jornais de circulação nacional demonstram que a voz do dono é a única ouvida nas redações.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem