Sábado, 19 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

Programa nº 2259

>>A emoção é má conselheira
>>Protestos de minorias

Por Luciano Martins Costa em 18/02/2014 | comentários

Ouça aqui

Download

A emoção é má conselheira

A morte do cinegrafista Santiago Andrade, ocorrida no dia 6/2 durante ato de protesto contra o preço do transporte público no Rio de Janeiro, pode produzir consequências muito mais profundas na rotina dos brasileiros do que o atentado do Riocentro, ocorrido em abril de 1981, o massacre do Carandiru, em outubro de 1992, e a chacina da Candelária, em julho de 1993.

A comparação entre esses eventos ilustra como a realidade midiatizada não guarda uma razão de proporcionalidade com a realidade em si.

Com exceção dos assassinatos cometidos por policiais nas escadarias da igreja da Candelária, os outros assuntos são lembrados de alguma forma pelos jornais nesta terça-feira (18/2).

O caso Riocentro tem nova denúncia, com a citação de seis outros acusados de planejar ou promover o atentado, e o julgamento dos acusados no massacre do Carandiru está sendo acompanhado pela imprensa

No entanto, apesar da grande repercussão desses acontecimentos, não se pode afirmar que eles provocaram mudanças na legislação ou nas políticas de segurança.

O ato insano tentado no Riocentro por militares inconformados com o fim da ditadura não produziu uma legislação contra o terrorismo de Estado, o massacre do Carandiru não mudou o currículo das escolas preparatórias da Polícia Militar, mas o caso do cinegrafista morto pela explosão de um rojão que não estava apontado para ele pode resultar em uma legislação restritiva à liberdade de manifestação.

Os jornais registram intenções de legisladores de limitar o direito a protestos  coletivos nas ruas e agravar as sanções contra autores de atos de vandalismo e outras violências durante as manifestações .

E o que a imprensa tem a ver com tudo isso?

Para responder essa pergunta, é preciso observar que a chamada mídia tradicional ainda influencia a agenda institucional, afetando decisões políticas, alterando o humor do mercado e principalmente estimulando egos ansiosos por uma boa exposição.

Da mesma forma, convém registrar que os fatos de grande repercussão e forte efeito emocional tendem a produzir reações inversamente proporcionais no que se refere à racionalidade e ao bom senso.

Protestos de minorias

Dito isso, voltemos ao acontecimento.

A morte do cinegrafista Santiago Andrade, fato grave por si mesmo, ganhou maior repercussão porque resulta da sequência de atos de vandalismo que vem acompanhando as manifestações de protesto.

Proporcionalmente, não há como comparar sua gravidade com os outros eventos citados, mas esse incidente tem o potencial de causar uma reação em cadeia ao fim da qual poderemos ter alguém condenado a uma pena superior ao de assassinos reincidentes pelo fato de usar máscara durante um ato de protesto.

Uma das notícias do dia informa que o governo federal estuda propor ao Congresso uma lei para punir com dez anos de prisão quem reincidir no uso de máscara para participar de ações de vandalismo.

Mas quem identifica e indicia os suspeitos? – uma polícia contaminada pela arbitrariedade.

Outra medida anunciada, de iniciativa do secretário de Segurança do Rio, pretende exigir autorização prévia de 48 horas para manifestações públicas.

Há também propostas para prevenir o uso abusivo da força por parte da polícia, mas esse tópico não ganhou destaque no noticiário.

Como se vê, a indignação estimulada pelo modo como os fatos são noticiados tira legisladores e autoridades de sua zona de conforto, e pode induzi-los a decisões equivocadas.

Além disso, não se pode omitir que a inquietação manifestada nas ruas alcança um número muito reduzido de cidadãos, ao contrário do que o noticiário sugere.

O protesto contra a Copa do Mundo, por exemplo, é um desses temas de uma minoria, com claro viés político-partidário.

Parte das reações é provocada por erros de avaliação da imprensa, que estimulam decisões irracionais de agentes públicos.

Por exemplo, observe-se os canhestros esforços do grupo Globo para se isentar da tentativa de incriminar o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) pela morte do cinegrafista.

Criticada até por um de seus colunistas, o canto e compositor Caetano Veloso, a maior empresa brasileira de comunicação se vê obrigada a prestar contas de suas escolhas editoriais nas páginas do Globo e em notas oficiais  durante o Jornal Nacional.

O que se está a dizer aqui, em suma, é que o noticiário produz distorções na interpretação da realidade, e legislar no calor desses enganos pode ser muito perigoso.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem