Sexta-feira, 22 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

Programa nº 122

Mauro Malin

>>Caso Celso Daniel
>>Milhares de Diademas

Por Mauro Malin em 21/10/2005 | comentários

Ouça aqui

Download

Caso Celso Daniel


Talvez por não dispor de outro caminho, o governo e o PT usam todas as possibilidades de confronto no Congresso para tentar impedir que as investigações parlamentares cheguem a novas comprovações ou revelações. Mas até aqui isso não funcionou. A CPI dos Bingos marcou para quarta-feira da semana que vem a acareação de Gilberto Carvalho com os irmãos do prefeito assassinado de Santo André, Celso Daniel.



Caixa 2 é crime


Claudio Weber Abramo, da Transparência Brasil, relembra hoje, na Folha de S. Paulo, que o dinheiro do Caixa 2 vem da corrupção e usá-lo é crime. A mídia tem resistido à tentativa de diferentes instâncias políticas de apresentar fundos ilícitos de campanha eleitoral como algo natural e inevitável.


Urucubaca


Ninguém pode negar que o governo do presidente Lula atrai urucubaca. Seu terceiro ministro do Trabalho, Luiz Marinho, está hoje na primeira página dos jornais envolvido em escândalo por um ex-diretor da Volkswagen alemã. Marinho, então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, foi o protagonista de uma negociação bem sucedida com a matriz da Volks na Alemanha, em 2001, que evitou demissões na filial brasileira. Na época, a negociação ganhou grande destaque positivo na mídia.


Imprensa de memória curta


O episódio do “mensalinho” recebido de funcionários de seu gabinete pelo senador Geraldo Mesquita, do P-Sol do Acre, revelado hoje, é mais uma comprovação do erro que a imprensa comete ao não dar as biografias dos personagens que estão dos dois lados da crise do “mensalão”. Não basta dizer quem são os acusados. É preciso esclarecer quem são acusadores e juízes.


O caso do senador Geraldo Mesquita é relevante. O Jornal do Brasil revelou em abril que nove parentes do senador Mesquita trabalhavam em seu gabinete. Mas em abril ainda não tinha começado a crise do “mensalão”…


Descuido


O jornal Valor afirma hoje que focos de aftosa foram detectados em Eldorado, Mato Grosso do Sul, um mês antes do anúncio público da doença. Os primeiros sinais teriam surgido antes ainda, em agosto. Governo e pecuaristas dormiram no ponto. O prejuízo, está em manchetes de hoje, não pára de aumentar. A grande imprensa só agora, duas semanas depois, está descobrindo o que de fato aconteceu, porque mandou repórteres à região atingida pelo surto de aftosa.


Poder contestado


O Estado de S. Paulo desta sexta-feira, 21 de outubro, diz em editorial que o ministro Nélson Jobim quebrou o decoro durante o julgamento do pedido de liminar impetrado pelo deputado José Dirceu e não tem mais condições para presidir o Supremo Tribunal Federal. E lembra que Jobim revelou ter incluído no texto da Constituição de 1988, da qual foi relator, matéria não votada pelos constituintes. O Estadão usa uma palavra que descreve bem um estado de espírito muito freqüente na imprensa em face dos poderes da República, uma das explicações da crise atual: leniência.


Livro liberado


A Justiça liberou a venda do livro Na Toca dos Leões, do escritor e jornalista Fernando Morais, que havia sido embargada devido a ação movida pelo deputado Ronaldo Caiado, do PFL de Goiás. Caiado contestou a afirmação, a ele atribuída em diálogo reproduzido no livro, de que mulheres deveriam ser esterilizadas para combater a superpopulação. Caiado pode recorrer da decisão.


Milhares de Diademas


A campanha do Sim no referendo ganhou ontem apoio da revista The Economist. Não tem efeito prático, mas é interessante para o debate, que não terminará no próximo domingo. The Economist diz que o voto no Não seria um revés na política de segurança pública. Aceita a tese de que o controle de armas foi provavelmente a razão principal da queda do número de homicídios verificada em 2004. A revista, que é quase sempre conservadora, mas liberal no sentido amplo da palavra, ignora o principal argumento da frente do Não, que é a perda de um direito dos cidadãos. A The Economist não é pessimista. Acha que o referendo só vai determinar uma mudança no ritmo da necessária política de controle de armas. Se ganhar o Não – que hoje de manhã tinha 70% das preferências entre internautas da Folha online – , The Economist propõe que milhares de governos locais sigam o exemplo de Diadema, na Grande São Paulo. A cidade adotou medidas eficazes e fez baixar muito o número de homicídios.

Todos os comentários

  1. Comentou em 21/10/2005 Marco Pollo Cunha

    Hoje em dia, temos eleições para diversos cargos, sendo que o cidadão é obrigado a votar, votar em candidadtos que não são escolhidos pelo povo mas sim pelos partidos.
    Tenho uma sugestão a fazer. Já que temos dois turnos, por que no primeiro, em vez de escolhermos o nosso candidato preferido, não escolhemos o candidato, ou candidatos que não queremos que seja eleito. Caso este candidato tivesse mais votos negativos que um determinado número, ele seria desclassificado da eleição.
    Desta forma, acredito que teríamos menos parlamentares para lamentar.
    Ainda no mesmo assunto, eleições, contesto a pretensa verdade de que os deputados que estão nos congressos, representam o povo. Basta ver que a soma total dos votos dos deputados que lá estão a nos representar, é menor que 50% do eleitorado. Em meu estado, o deputado estadual mais votado não foi eleito pois o número total de votos por ele obtido, foi imenor que o cociente eleitoral.

  2. Comentou em 21/10/2005 Diogo Santos

    do jeito que a coisa anda: DIADEMA NA CABEÇA!

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem