Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

Programa nº

>>Coro sem platéia
>>PCC adora notícia

Por Mauro Malin em 18/08/2006 | comentários

Ouça aqui

Download

Maluf busca imunidade


Informa-se que 3 milhões e 200 mil pessoas deixaram de ver ontem no estado de São Paulo o chatíssimo horário obrigatório. Perderam a inesquecível oportunidade de ver Paulo Maluf pleitear uma cadeira na Câmara dos Deputados que, caso seja conquistada, lhe dará melhores recursos, como a imunidade parlamentar, para enfrentar os processos que lhe são movidos pelas autoridades.



Coro sem platéia


Alberto Dines diz que o manifesto das entidades de empresas de comunicação caiu no vazio.


Dines:


– Pior do que reação contrária é a ausência absoluta de reação. Cair no vazio é pecado mortal. O manifesto das cinco entidades empresariais de comunicação simplesmente não aconteceu. Ninguém deu bola, inclusive os próprios jornais que o veicularam. Divulgada na terça à noite por todas as tevês, publicada na manhã seguinte na capa dos principais jornais do país a nota não foi lida e se foi lida não foi entendida. E caso tenha sido entendida foi descartada pelos leitores como irrelevante. A novidade era a convocação de um pacto político contra o terror, mas o título além de errado lembrava os dizeres das faixas de passeata em Ipanema. Alguma coisa está errada com uma imprensa que mesmo em uníssono e aos berros não consegue ser ouvida. Este foi o problema mais grave desvendado pela nota conjunta divulgada chá dois dias. Estava tudo pronto para que nossos meios de comunicação se apresentassem à sociedade brasileira como uma força moral capaz de impor-se à classe política, aos governantes e numa hora de emergência estabelecer as prioridades nacionais. Simplesmente não colou. Resta perguntar: e o que é que cola? Qual o ingrediente capaz de emocionar uma sociedade que a própria mídia tornou passiva?



Conselho omisso


Ausência clamorosa em todo o debate sobre o seqüestro do jornalista Portanova e do auxiliar técnico Calado, da TV Globo, foi a do Conselho de Comunicação Social. A primeira onda de ataques contra a polícia paulista começou na madrugada de 12 para 13 de maio. O Conselho, órgão auxiliar do Congresso Nacional, se reuniu no dia 7 de agosto e não tomou conhecimento do assunto.


PCC adora notícia


A repórter do Jornal da Tarde Rita Magalhães está convencida de que a mídia, depois de ter lutado para mostrar que o problema do crime organizado existia, ao contrário do que pretendiam autoridades policiais paulistas, agora passou a ser utilizada pela quadrilha denominada PCC.


Rita:


– Quando nós começamos a falar sobre o PCC, denunciar o que o PCC estava fazendo dentro dos presídios, a intenção era alertar as autoridades de segurança para mostrar que a facção existia e que ela estava partindo para a ação criminosa. Durante muito tempo, pelo menos uns dois anos, até o governo realmente aceitar a existência do PCC, foi essa a nossa luta. De 2001 para cá muita coisa mudou. O que a gente percebe hoje é que o PCC tem orgulho de ver suas ações divulgadas, promovidas. E esse seqüestro ocorrido no sábado mostra isso claramente, para mim. Eles seqüestram um jornalista da Globo para que seja divulgado o que eles querem que seja divulgado. Sinto que a gente é usada pela facção. Hoje para mim talvez fosse a hora de desacelerar e realmente pesar o que deve ser publicado ou não. Porque a gente está promovendo uma facção criminosa, e eles gostam disso. Eles aplaudem, eles fazem festa no presídio quando vêem que as suas ações deram certo. E agora, com certeza, depois do que a Globo fez no sábado, pararam o presídio para fazer uma nova festa.



Ditador paraguaio


É alarmante, mais do que decepcionante, que a reportagem biográfica do New York Times sobre o ex-ditador paraguaio Alfredo Stroessner, falecido anteontem após longa permanência no Brasil, tenha sido incomparavelmente melhor e mais completa do que qualquer dos registros feitos na imprensa brasileira. Stroessner foi alvo de dezenas de processos sob acusação de ter mandado matar, prender, torturar, e de ganhar muito dinheiro com contrabando. O argentino La Nacion publicou um relato da participação do ditador paraguaio na Operação Condor, que promoveu assassinatos, prisão e tortura de opositores das ditaduras militares do Cone Sul. O New York Times relatou que a Sociedade Inter-Americana de Imprensa, SIP, concedeu ao general Stroessner, em 1961, uma condecoração chamada “Medalha Civil”.


# # #


Outros tópicos recentes


De Alberto Dines


Mídia perdeu a oportunidade para impor um pacto contra o terror


A mensagem da mídia aos políticos


Os sinos dobram pelos imparciais


 Do blog Em Cima da Mídia


Três populações


Rescaldo do Dia dos Pais


SBT já tinha recebido fita


No lixo, em Araraquara


Catimbas congressuais

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem