Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1016
Menu

Programa nº

>>Desafio para a mídia
>>Debates sem idéias

Por Mauro Malin em 27/09/2006 | comentários

Ouça aqui

Download

Desafio para a mídia


A mídia está longe de atuar naquilo que a retórica governista chama de “conspiração”, mas há um ativismo, uma clara seleção dos fatos colocados em relevo, principalmente em jornais e revistas. É mais do que hora de se pensar, nas redações, no significado histórico desse comportamento, que não ajuda a democracia brasileira a enfrentar uma situação plena de riscos.


(Ler também A mídia diante de um desafio inédito.)


Catimbeiros


O governo retarda, na medida do possível, a divulgação de informações recolhidas pela polícia que possam prejudicar a candidatura do presidente Lula à reeleição. E os jornais levaram muitos dias para dar o necessário destaque a acusações contra o ex-ministro da Saúde Barjas Negri, auxiliar e depois sucessor de José Serra.



Debates sem idéias


Os debates realizados ontem pela Rede Globo nas 27 unidades da Federação, em horário tardio, mostraram como a imprensa é importante na política. Infelizmente, estiveram longe de contribuir de modo expressivo para a análise de idéias e propostas. Não por opção da Globo, que tomou todo cuidado para ser neutra, abstendo-se até mesmo de formular perguntas. Mas por opção dos candidatos, como no caso de São Paulo. Esse é o jogo no Brasil de hoje.


A cadeira de Lula


A grande incógnita é se Lula vai amanhã ao debate da Globo ou deixa a cadeira vazia. Se fosse no horário da novela, ele seria praticamente obrigado a ir.



Defesa da liberdade


O editor do Observatório da Imprensa Online, Luiz Egypto, cita palavras de um veterano petista para defender o papel da imprensa.


Egypto:


– Não se trata de uma comemoração, mas vale o registro: ontem subiu para a web a edição número 400 do Observatório da Imprensa. Os leitores têm respondido a esse esforço tanto em audiência como em participação. E às vésperas das eleições, é natural que os ânimos se acirrem. Isto fica bastante claro nos comentários postados no site. São freqüentes, por exemplo, as manifestações que atribuem à imprensa as agruras por que passam o governo Lula e seu partido, imersos em tantos escândalos. Sobre isso, convém ouvir uma voz insuspeitada – a do deputado Paulo Delgado, do PT mineiro, em entrevista à repórter Maiá Menezes, no Globo de ontem (26/9). Diz ele:


“Nós estamos cuspindo na rotativa em que comemos. O PT é um produto da imprensa. A imprensa sempre ampliou a nossa voz e a nossa luta. A cobertura democrática cobra mais do vencedor. Sempre. O PT sabe disso. É obrigação da imprensa livre. Nós devemos nos contentar em vencer as eleições. E não em triunfar sobre a liberdade de imprensa e de opinião”.


O deputado falou e disse.


Gestão de choque


Mônica Bergamo informa hoje na Folha que o choque de gestão alardeado pelo ex-governador Alckmin resultou em rombo nas contas públicas paulistas. Será que isso também é parte de uma conspiração da mídia?


Análise quantitativa


A pesquisadora Alexandra Aldé, do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, relata que a análise quantitativa dos jornais mais influentes mostra um tratamento duro contra o candidato Lula.


Alexandra:


– O Laboratório de Pesquisa em Comunicação Política e Opinião Pública do Iuperj desde 2000 tem procurado monitorar nos anos eleitorais como os principais jornais cobrem os candidatos a presidente, a majoritários. E os resultados são quantitativos. Isso dá muita segurança para a gente fazer análises sobre o comportamento dos meios. Sobre a eleição de 2006, o que chama bastante a atenção é a atitude muito negativa da mídia em relação ao presidente Lula. A candidatura não foi um fiasco. Uma candidatura que teve o tempo todo os mais altos índices de voto, alianças, apoios. É estranho, um pouco, que a mídia consiga achar tantas matérias negativas para falar do Lula candidato. Porque o que a gente avalia não é tanto a parcialidade da imprensa. Isso é uma questão muito subjetiva. Mas o conteúdo. Ou seja: essas matérias trazem fatos que, para as candidaturas, são positivos ou negativos?


Mauro:


– Em 2005 o presidente e seu partido estiveram sob o fogo de gravíssimas denúncias. Estranho seria se, em 2006, sua candidatura fosse noticiada de forma essencialmente positiva. A entrevista de Alexandra Aldé foi dada duas semanas atrás, antes da crise na campanha de Lula. Agora os dados devem estar ainda mais negativos.



Pesquisas em xeque


Cresce o número de institutos de pesquisa e cai a confiabilidade de seu trabalho. Hoje, na Folha, Nelson de Sá, põe o dedo na ferida. E mostra como blogs de política correram a divulgar números inconsistentes de intenção de voto.


# # #


Outros tópicos recentes


De Alberto Dines


A imprensa e os aloprados


Jornalismo fiteiro, momentos finais


O publico como elemento ativo. E consciente


 


 Do blog Em Cima da Mídia


A mídia diante de um desafio inédito


Roberto Jefferson diz que estopim foi Furnas


Piracicaba na Berlinda


Responder com perguntas


PCC pela rama


Mundo digital atropela revistas de História

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem