Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

Programa nº 173

Mauro Malin

>>Finanças de campanha
>>Relação conflituosa

Por Mauro Malin em 02/01/2006 | comentários

Ouça aqui

Download

Finanças de campanha


Vira e mexe recai-se na mesma fonte de problemas políticos: o financiamento de campanhas eleitorais. Hoje o Painel da Folha informa que um documento sobre caixa dois na campanha eleitoral de Eduardo Azeredo ao governo de Minas Gerais em 1998 envolve 12 partidos. O Estadão noticia que a CPI dos Correios rastreou a passagem de 377 milhões de reais por uma conta da empresa do publicitário Duda Mendonça. Aí já não se trata de campanha, mas de benesses conquistadas pelo marqueteiro vitorioso.


Relação conflituosa


O Alberto Dines diz que se o presidente Lula continuar às turras com a imprensa, haverá mais tensão ainda em futuras entrevistas.


Dines:


– O presidente da República levou seis meses para reconhecer de forma inequívoca que recebeu uma facada nas costas dos companheiros do PT. Isso aconteceu ontem à noite, no Fantástico. O presidente levou três anos para admitir que não poderia continuar malhando a imprensa sem encará-la francamente numa entrevista coletiva ou exclusiva. Felizmente capitulou. Quando premido pelas confissões do marqueteiro Duda Mendonça, o presidente Lula fez um pronunciamento admitindo que foi traído. Meses depois, recebeu Paulo Markun com seus antecessores do Roda Viva e ontem respondeu ao razoável cerco de Pedro Bial, do Fantástico.


Estamos, portanto, na estaca zero. Em algum momento o presidente precisará dizer quem o esfaqueou. E não pode esperar pelas conclusões da CPI. O esfaqueador ou esfaqueadores terão que ser reconhecidos em outras entrevistas para jornalistas responsáveis, com direito a réplicas e tréplicas. Mesmo que o presidente Lula pretenda utilizar a imprensa como palanque eleitoral como o fez ontem no Fantástico é indispensável lembrar no momento em que começa o seu ano decisivo, que o fenômeno Lula foi um fenômeno midiático. Se continuar massacrando a imprensa como tem feito ultimamente, as próximas entrevistas serão fatalmente mais penosas para o entrevistado do que foi a de ontem no Fantástico.


Dirceu com Paulo Coelho


A assessoria de imprensa do ex-ministro José Dirceu funcionou a todo vapor na passagem de ano. Emplacou a mesma nota, com pequena variação de detalhes, na coluna de hoje de Ancelmo Gois, no Globo, e no Painel da Folha. A nota tem sabor de Paulo Coelho, de quem Dirceu é hóspede na França.


Dirceu faz o dever de casa de toda personalidade que pretende se manter à tona. A mídia acolhe.


Num registro menos frívolo, o ex-ministro e ex-deputado tinha dado em São Paulo, antes de viajar, entrevista ao jornal Página 12, da Argentina, publicada no dia 31. Está na Folha de hoje. Dirceu insiste na tese do complô da mídia. Diz que Fernando Henrique Cardoso e o PSDB se aproveitaram da investigação sobre corrupção para desdobrar uma estratégia de desestabilização, com a ajuda da imprensa de São Paulo.


Cuidado com a histeria


Em entrevista ao jornal Valor desta segunda-feira, 2 de janeiro, o professor Renato Lessa, do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Iuperj, dá uma boa sugestão de critério para a cobertura jornalística neste ano eleitoral. Ele diz que a campanha poderá resvalar para a histeria ética sem que questões de conteúdo sejam tratadas. Se a imprensa se deixar levar pelos mais baixos instintos dos partidos engalfinhados, e dela própria, é isso que vai predominar. E o resultado será maior desgaste do sistema representativo.


Lessa trabalha também com a idéia interessante de que o presidente da República, desde Fernando Collor, virou uma espécie de relações públicas do governo.


Só problemas, sem soluções


O Estadão abriu o ano com uma bela cacetada na demagogia em torno de moradores de rua. O editorial “Parasitas da mendicância”, de ontem, critica o espaço dado na mídia a pessoas que jamais apresentam soluções para os problemas, apenas tratam de impedir que eles sejam minorados. O editorial foi suscitado pela construção de uma rampa “antimendigos” num acesso à Avenida Paulista a partir da Doutor Arnaldo.


Faltou dizer que as autoridades também não têm nem um esboço de política consistente para o problema, limitando-se a enxotar, ou tentar enxotar, alguns grupos mais conspícuos, como o da passagem de acesso à Paulista.

Todos os comentários

  1. Comentou em 03/01/2006 Cristhian Tambosi

    ‘O Estadão noticia que a CPI dos Correios rastreou a passagem de 377 milhões de reais por uma conta da empresa do publicitário Duda Mendonça.’

    Faltou uma informação muito importante: estes 377 milhões passaram durante quanto tempo? Foram 377 milhões em 1 mês, em 1 ano, em 10 anos?

    Esta informação é indispensável para que se possa afirmar: ‘Aí já não se trata de campanha, mas de benesses conquistadas pelo marqueteiro vitorioso.’

    E o Pedro Bial, querendo concluir toda a investigação com base na sua (do Pedro) dedução lógica, é quase um deus este repórter, acho que o que falta para consertar o país é substituir todo o aparato investigatório do Estado e os Tribunais pelas deduções lógicas irrefutáveis do Pedro Bial (ou de seus patrões, risos).

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem