Domingo, 20 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

Programa nº 182

Mauro Malin

>>Hora de avançar na análise
>>Xenofobia puxa xenofobia

Por Mauro Malin em 13/01/2006 | comentários

Ouça aqui

Download

Hora de avançar na análise


Os jornais anunciam hoje a antecipação da conclusão dos trabalhos da CPI dos Correios. A imprensa precisa acelerar sua própria avaliação, traçar um panorama articulado e abrangente do que se descobriu até agora. Saber “tudo” nunca se saberá. Porque alguns permanecerão calados até o fim. E porque não se pode parar de viver o hoje para tentar entender completamente o ontem.


Pela culatra


Seria engraçado que falsos doadores de remuneração extra perdessem o mandato por falta de decoro, como sugeriu ontem o presidente do Conselho de Ética da Câmara, deputado Ricardo Izar. Uma malandragem em boa hora atalhada pelo trabalho da imprensa. Foi o jornal O Globo que deu destaque à manobra.



Os pais da criança


A Folha de S. Paulo mostra nesta sexta-feira, 13 de janeiro, a propósito da disputa entre os pré-candidatos Geraldo Alckmin e José Serra, que o grupo de Alckmin teve papel importante na escolha do pefelista Gilberto Kassab para vice de Serra na Prefeitura. Hoje, o fato de Kassab ser vice-prefeito é apontado como obstáculo à candidatura de Serra.


Os pré-candidatos despejam diariamente sua retórica e seus argumentos. Quando a imprensa pratica apenas jornalismo declaratório, o público tem mais dificuldade para avaliar a consistência dos discursos. Daí a importância da recapitulação feita pela Folha.



Xenofobia puxa xenofobia


O Alberto Dines recomenda à imprensa que se mantenha distante de manifestações de chauvinismo.


Dines:


– Em plena era da globalização assistimos ao recrudescimento das xenofobias. E a mídia, sobretudo ela, precisa vacinar-se contra o vírus da exaltação nacionalista. O espancamento do surfista catarinense na Austrália foi um ato de violência cometido por uma juventude desprovida de humanidade, bestas sem alma fabricadas pela sociedade de consumo. Difícil acreditar que tenha sido uma agressão ao Brasil ou aos brasileiros. O assassinato do eletricista Jean Charles de Menezes por policiais em Londres foi uma das barbaridades produzidas por uma estratégia antiterrorista que acaba igualando-se ao próprio terrorismo. Foi uma ação desumana, não foi um atentado ao Brasil. Qualquer que fosse a nacionalidade da vítima a reação deveria ser a mesma. Aquela babá brasileira assassinada pelo namorado nos Estados Unidos ganhou manchetes aqui mas a violência contra as mulheres só merece algumas linhas da imprensa brasileira.


A mídia, sem o perceber, está embarcando num perigoso chauvinismo patrioteiro. Os mineiros que tentaram entrar ilegalmente nos Estados Unidos, depois de expulsos foram recebidos com o hino e bandeira nacional. Preferiram abandonar o país, mas a mídia os apresentou como heróis. A xenofobia puxa xenofobia. O terreno é perigoso.


Missão de paz


O coronel da reserva Geraldo Cavagnari, pesquisador da Unicamp, faz uma avaliação positiva da participação brasileira na missão de paz no Haiti. Cavagnari diz que a tropa internacional, sob comando brasileiro, não tem nem terá dificuldade para se impor, mas que o problema não é exclusiva nem principalmente militar. É de múltiplas carências econômicas, sociais e de infra-estrutura. O pesquisador critica a ONU e países desenvolvidos por terem prometido enviar recursos e criar condições e até agora não o terem feito.


A mídia ainda não pôs isso em foco. Tem a mania de subestimar o próprio país.


Segundo Cavagnari, o conflito no Haiti não é entre grupos políticos armados, como em outros países. O que há são gangues criminosas contra uma sociedade desarmada e faminta.


Nesta sexta-feira às 17 horas (no áudio foi dito erradamente 19 horas) o enviado da Folha de S. Paulo ao Haiti, Iuri Dantas, participará de um bate-papo na Internet. O endereço é www.folha.com.br.


Caveirão recolhido


O recolhimento dos veículos blindados apelidados de Caveirão, determinado pela governadora Rosinha Mateus, provavelmente vai melhorar a vida de moradores de favelas. O veículo, herança dos conflitos das polícia com manifestantes durante a ditadura militar, vinha sendo usado para ofensivas alucinadas. De alto-falantes saíam sinistros gritos de combate, como registrou o jornalista Fritz Utzeri: “Homem de preto, qual é tua missão?/ É entrar lá na favela e deixar corpo no chão.”


Mas o recolhimento do blindado vai privar a mídia de imagens sensacionalistas, como as que chegaram a ser gravadas pela Rede Globo de dentro de um carro desses, em meio a uma incursão da Polícia Militar.

Todos os comentários

  1. Comentou em 13/01/2006 Luiz Claudio Leão

    Estranhamente a imprensa se mantém calada sobre as denúncias do suposto dimasduto. Em minha opinião o encurtamento da CPI dos Correios se explica devido ao fato de que se ela prosseguir muita gente que hoje posa de moralista terá seus nomes aparecendo em listas comprometedoras. Não acho que exista alguém 100% honesto no cenário atual. Acho que existe apenas interesse eleitoral e uma imprensa tendenciosa. Apesar de tentar acreditar que eu poderia estar errado, não dá para entender por que tanto alarde com uma denúncia tipo ‘dólares de Cuba’ e agora nada, absolutamente nada a respeito do tal dimasduto quando existe um documento enumerando os supostos pagadores, os supostos recebedores e as quantias. Não vi ainda em nenhum veículo de comunicação um jornalista perguntar ao ACM Neto ou ao Eduardo Paes se eles receberam mesmo. Enquanto isso toma pancada no governo. Se deixa as estradas sem manutenção, apanha, se inicia obras, apanha. Obviamente que se o governo e o PT ficam calados em relação ao encerramento da CPI pode ser devido a mais informações sobre o Duda Mendonça as quais ficam melhor sem o conhecimento público. Em resumo, está difícil de saber em quem acreditar no momento em que o país passa.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem