Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

Programa nº 431

Mauro Malin

>>Milícias ameaçaram repórter
>>Mortes nas estradas

Por Mauro Malin em 08/01/2007 | comentários

Ouça aqui

Download

Milícias ameaçaram repórter


O editor adjunto de cidade do Globo Jorge Antônio Barros denuncia ameaça de morte feita pelas chamadas milícias do Rio de Janeiro a uma repórter do jornal.


Jorge:


– A questão da milícia que eu acho grave é o grande envolvimento de policiais civis e militares. Esses integrantes das forças de segurança que faziam antes seus trabalhos de segurança particular, seu “bico”, que não é permitido por lei, mas que é uma coisa legítima, agora se uniram, formaram um outro grupo armado, um terceiro ator armado nesse processo, perigosíssimo, que inclusive ameaçou jornalistas que foram os primeiros a denunciar. Vera Araújo, repórter do Globo, foi ameaçada, por telefone, ameaçada de morte, porque foi a primeira a denunciar as milícias, do modo como elas se formaram. Sofreu ameaças, ficou oito meses afastada de licença, por traumas psicológicos gerados por essas ameaças. Então, esse grupo, que parece ser simpático às comunidades, é extremamente perigoso, porque eles têm envolvimento total com o aparelho policial oficial, conhecem os meandros, como tudo funciona, a tal ponto que no último dia do ano, pelo rádio da polícia, os PMs saudavam os milicianos, desejando a eles feliz 2007. Isso é que é lamentável. O atual secretário de Segurança, antes de assumir o cargo, duas semanas antes, prometeu que iria investigar o envolvimento dos policiais. Eu creio que isso seja muito difícil de acontecer, por causa do corporativismo dentro da Polícia. Mas se o novo governo quiser realmente implantar um sistema de ordem e de controle desses altos níveis de violência no Rio, vai ter que combater duro as milícias. Se não, está fadado a ser derrotado pelo crime.




Força virtual


Quinhentos homens da Força Nacional no Rio significam, em média, pouco mais de 150 homens por turno de oito horas. No sábado de manhã, em alguns quarteirões da praia de Ipanema perto do hotel Caesar Park, havia 36 homens e mulheres da PM. As Polícias do Rio têm 50 mil homens. Alguém dirá: não é a quantidade que importa, é a qualidade. Pode ser. Nesse caso, é preciso parar de agitar números para a arquibancada. Ontem, reportagem da Folha mostrou a Força Nacional como objeto de chacota de militares. Hoje, a mesma Folha revela, em entrevista do ministro da Defesa, Waldir Pires, a confusão que cerca o emprego das Forças Armadas na segurança pública. E o coronel da reserva da PM José Vicente da Silva Filho lembra em artigo no Estadão que não haverá solução rápida para a questão da segurança.


“Prender, prender, prender”


O deputado federal Luiz Antônio Fleury, que era governador de São Paulo quando houve o massacre do Carandiru, pede plebiscito para reduzir a maioridade penal para 16 anos. A Veja pede a construção de mais presídios e recomenda “prender, prender, prender”. O governo de São Paulo não fez outra coisa nos últimos anos. E o resultado se conhece.


Mortes nas estradas


Alberto Dines condena a acomodação geral diante do quadro de mortes nas estradas brasileiras.


Dines:


– Os humoristas deveriam ser levados a sério. Pelo menos às vezes, em algumas ocasiões. Ontem, por exemplo, dia sete de Janeiro, José Simão da Folha perguntou aos leitores: “Falta muito para acabar 2007?” A pergunta é perturbadora, incômoda, mas os humoristas estão ai para isso, para incomodar. E respondendo à pergunta de José Simão – hoje faltam 357 dias para acabar o ano. Mas para acabar o verão (que mal começou) ainda faltam quase três meses. Significa que até meados de março estão condenados a morrer em nossas estradas cerca de quatorze mil, oitocentos e cinqüenta compatriotas. Isso se for válido o número de 165 mortes por dia só em acidentes de trânsito. De quem é a culpa – das rotinas, das repetições ou da falta de atenção? As autoridades sabem que no início do ano, por causa das férias, as pessoas viajam mais. Também sabem que as fortes chuvas de verão tornam extremamente perigosas as favelas nas encostas dos morros. Hoje já temos repartições de defesa civil cuja missão principal é prevenir, avisar por antecipação. A imprensa também tem a obrigação de chamar a atenção para as sazonalidades. E, apesar disso, o cidadão parece alheio ao calendário, alheio às estatísticas e alheio às advertências. Vota nas eleições e não cobra dos eleitos, assiste à televisão e não leva a sério o que está vendo. E assim, por exclusão, chegamos à triste conclusão de que ano novo está parecendo um ano velho em grande parte por culpa dos humoristas.

Todos os comentários

  1. Comentou em 09/09/2009 ARISTIDES COSCOSCOVIS

    O bairro santa amélia e região da pampulha está virando um território de milícias
    os ‘seguranças’ ameaçam os moradores com pequenos furtos e invasões em residências
    para que os moradores aderem ao serviço de ronda noturna.
    eles passam cobrando adesão com ameaças implícitas.
    se os nossos representantes não fizerem nada, logo seremos igual ao Rio e São Paulo
    totalmente dominados pelos bandidos
    como quase nunca podemos contar com os parlamentares prefeitos e governadores
    contamos sempre com a imprensa

  2. Comentou em 26/01/2007 leonardo nao interessa a ti

    Estou com o milicianos e não abro, vamos acabar com os traficantes, e a reporter engraçadinha teve o que merecia, pq ela nao foi denunciar lá o trafico, os politicos ladroes que com toda certeza devem esta ate o pescoço enrolados com o trafico, se o governo nao consegue, então que a milicia tome conta, sou a favor das milicias, vamos distribuir o dinheiro com quem realmente faz a diferença, com quem realmente nós dê segurança, pagas-se bem os politicos filhos da xxxxx, e eles nao fazem nada, agore deixem nas mãos dos profissionais, a população deveria ter o direito de portar arma não so em casa, mas na rua, ja morrem muitos inocentes, que pelo menos morram tentando se defenderem, melhor do que serem pegos indefesos, sendo incapazes de se defenderem, pq os ricos nao vão deixar de andar armandos, garanto a vcs, abraços, a midia no brasil na sua maioria é lixo, igual aos traficantes, politicos corruptos, etc, lamentavel, mas é a realidade, que se faça como o Chaves na Venezuela, tomar as emissoras corruptas.

  3. Comentou em 08/01/2007 Luis Neubern

    (continua). Uma outra garotinha, magricelinha, se disse feliz por estar fazendo uma dieta à base de alfaces! Os exercícios físicos a que eram submetidas faziam lembrar os jogadores de futebol quando em testes de resistência, feitos em hospitais de especialidade cardíaca. A matéria foi longa, a impressão foi a que teve o maior tempo de exposição. A pergunta que fica é, por quê? Será que é matéria paga? É ideia do Dr. Drauzio Varella? Criança se dizer feliz por estar comendo alface? Não é possível. Quantas adolecentes, com problemas de anorexia, não estavam assistindo a matéria? Quantas não correram para o espelho e se viram baleias, apesar de seus 40 kilos. Quantas não correram para o banheiro e meteram o dedo na garganta e vomitaram todo o jantar? Qual a responsabilidade social dessa matéria, tendo em vistas as mortes das anoréxicas? A resposta, me baseando pela matéria, é, nenhuma. Essa turma do Jornal Nacional não está nem ai para quem morra por não comer. Que se danem. Para tanto basta ver suas apresentadoras e boa parte das atrizes. Só ossinho. Depois, com a cara lavada, de pesar, surpresa, na vóz da magricela Fátima Bernardes, noticia, ‘MODELO DE 21 ANOS MORRE VÍTIMA DE ANOREXIA EM SÃO PAULO, tinha 1,72 m e pesava 40 quilos.’ Como disse o macaco Simão, ‘falta muito para acabar 2007?’ E mundo louco.

  4. Comentou em 08/01/2007 Luis Neubern

    Gostaria de fazer um comentário que não tem nada haver com o texto. Apenas utilizar este espaço para fazer uma crítica ao Jornal Nacional de hoje, 08/01. Alguns grandões da Rede Globo já disseram que acompanham este Observatório da Imprensa, quem sabe leiam minha crítica e façam uma reflexão. Que pretensão a minha. Mas tenho que desabafar. Acho que querem nos enlouquecer. Nas últimas semanas várias notícias sobre mortes por anorexia vem sendo divulgadas. Adolecentes de 15, 16 anos, com trinta e poucos quilos, morrendo por falta de comida. Este Observatório em sua versão eletrônica debateu o assunto e Dines perguntou aos participantes, qual a culpa da mídia? As respostas não foram claras. Hoje o Jornal Nacional contribui com sua parcela de culpa nas mortes. Apresentou uma matéria sobre crianças de, quero crer, 7 a 10 anos de idade, submetidas a uma rotina de dieta e malhação, todas acompanhadas por uma nutricionista. No final de 18 meses este grupo de cianças será comparado com um outro grupo, que não participa do sofrimento da dieta e malhações. Com isso, quer provar a doutora, que o grupo mortificado será mais saudável que o entregue aos prazeres da gula e o ostracismo provocados pelos games. Mostrou um garoto gordo, sendo pesado, e, com os números apresentados, o pobre exclamou: Não é possivel, esta balança está quebrada. O colega gritou: homem bomba, gordo! (continua)

  5. Comentou em 08/01/2007 Dante Caleffi

    Folha de São Paulo,sentindo a ausência de Lula, sua matéria prima midiática,envereda pela ficção.O caminho mais curto para desacreditar qualquer veículo.Cita militares anônimos,com afinidade com o PSDB e deputados,ainda por cima. Logo não são militares,são PMs,reformados,não são da ativa e desconhecem o que falam.O que se percebe, é que devem fazer parte do grupo de lobistas nacional de PMs,que acampou em Brasília,pressionou de todas as maneiras, em benefício da derrota do projeto de unificação das polícias. Como se sabe,as PMs,são instituições anacronicas, com hierarquia militar,comandadas por oficiais que as convertem em franquias de negócios privados.Soldados e praças, são fatores de produção, com cotas a serem cumpridas.Possuem tribunais e leis próprias,promovendo a impunidade ao abrigo do corporativismo. Esses indivíduos mencionados pela Folha ,vêem com apreensão o sucesso dessa empresa,comparada as instituições que representam.Ainda que veículos inescrupulosos coma Folha de São Paulo, os apoiem.

  6. Comentou em 08/01/2007 Fabio de Oliveira Ribeiro

    Pois é… Há bem pouco tempo assistimos no Bom Dia Brasil, jornal da Globo, um sociólogo falando que as milicias estavam substituindo os soldados do tráfico em várias favelas e isto representava um avanço porque haveria mais segurança. No dia em que esta reportagem foi ao ar fiquei com uma pulga atrás da orelha. Afinal, se as milicias realmente forem capazes de conter a criminalidade, quem é que será capaz de contê-las quando for necessário? Lembrei-me então de um documentário alemão sobre a ascensão do nazismo que adquiri ano passado numa banca de jornal. O referido documentário dá um destaque grande à construção e funcionamento das milicias nazis (SA), que foram o embrião dos SS/Gestapo. Agora você está a dizer que uma repórter da própria Globo foi ameaçada… Meu avô dizia sempre que ‘quem alimenta cobras embaixo da cama um dia acaba sendo mordido’. A Globo está a criar cobras e receber mordidas, infelizmente.

  7. Comentou em 08/01/2007 Marco Costa Costa

    Favelas nas encostas dos morros sempre existiu. Se sabemos que esta situação não é coisa recente, porque então, as autoridades que estão ai para trabalhar em prol da coletividade, durante o ano porque não se remove essas famílias de áreas de risco. Entra ano sai ano, vem as chuvas e, assistimos um espetáculo de terror com muitos barracos vindo abaixo, ceifando a vida de dezenas de pessoas, as quais moram nestes locais pôr pura falta de condições econômicas. Aqui postamos uma sugestão para as ‘autoridades’ de plantão, vamos arregaçar as mangas e, começar a trabalhar para evitar que o próximo ano não tenhamos notícias desta natureza.

  8. Comentou em 08/01/2007 Denise silva

    Polícias que não são capazes de cortar na própria carne apodrecem por dentro. Faz muito tempo que ouvimos a midia e as autoridades dizendo, com irresponsável acomodação, que uma parte da policia é assim, mas a maioria é honesta.Ora! senhores, será que existiria transporte aéreo se as cias. de aviação vendessem passagens dizendo que a grande maoria dos vôos chegariam aos seus destinos?

  9. Comentou em 08/01/2007 Ana Rodrigues e Rodrigues

    As pessoas simplesmente não acreditam mais na mídia em geral. Primeiro porque ela mesma se encarregou banalizar as piores tragédias, de acordo com sua conveniências. Segundo porque ela é especialista em vender gato por lebre. Ex: Exaltação da privatização. Quem paga conta de luz, telefone ou usa gás de cozinha, pedágio sabe o quanto subiram os custos. A imprensa em uníssono vendeu a idéia como se fosse resolver todas as mazelas do país e a nossa dívida pública aumentou exponencialmente. Necessidade de reforma da previdência. Outro conto do vigário que a mídia quer aplicar no cidadão incauto. Não se vê um único debate profundo sobre o tema entre conhecedores isentos pró e contra. E quanto aos números é pior ainda: no caso dos salarios dos suplentes no congresso o valor começou em 30 mil e passou 80 mil em poucos dias. O número de mortes passou de 95 para 165 por dia. Vamos combinar que não dá prá levar vocês a sério, sob pena de enlouquecermos!!!

  10. Comentou em 08/01/2007 Marnei Fernando

    Bom dia malin… vejo que o fim de semana lhe fez muito bem… espero que o estresse da semana não lhe tire o bom senso… Mauro… como andam as investigações sobre o Abel Pereira e os sanguessugas no governo FHC / SERRA? Não consigo achar nada a respeito na mídia…

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem