Terça-feira, 17 de Julho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº995
Menu

Programa nº 765

>>Multinacional Brasil
>>Entrevista fria

Por Luciano Martins Costa em 23/04/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

Multinacional Brasil

A imprensa brasileira não fez as conexões devidas, mas a notícia de que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social vai financiar a produção de etanol na África cria um novo viés na onda de declarações de todo tipo contra o projeto dos biocombustíveis.

O anúncio feito em Acra na noite de segunda-feira teve grande repercussão na Suécia, destino do álcool combustível a ser produzido em Gana.

O governo sueco anunciou há poucos meses um plano de substituição da matriz de combustíveis até 2020, no qual o etanol cumpre um papel central.

A presença do BNDES na África representa não apenas a consolidação de um novo projeto de alternativas para o petróleo, mas também um sinal de que o governo não pretende repetir os erros do velho Proálcool.

Ao expandir e diversificar as fontes de produção, o governo cria condições para assegurar o fluxo de produção e dar confiabilidade aos consumidores e à indústria automotiva.

Ao licenciar em território nacional usinas de pequeno porte, estimula a competição e evita que o poder se concentre nas mãos dos grandes usineiros, como ocorreu com o Proálcool.

Outro aspecto importante da notícia, que não está destacado nos jornais, é o fato de o projeto etanol permitir ao Brasil estabelecer com a África relações de negócios de longo prazo, que inclui transferência de tecnologia – uma novidade no processo de desenvolvimento africano, até aqui baseado nas velhas práticas do colonialismo.

Além de Gana, outros cinco países africanos já iniciaram negociações com equipes técnicas e de negócios coordenadas pelo BNDES.

O resultado pode surpreender os analistas prediletos da imprensa brasileira, que tradicionalmente condenam qualquer esforço diplomático e de relações comerciais que não seja dirigido aos países desenvolvidos.

Além de se apresentar como alternativa para substituição dos combustíveis fósseis, o etanol se oferece agora como meio de afirmação do Brasil no cenário internacional.

Boa notícia também é notícia.

Entrevista fria

A entrevista do casal Nardoni ao programa Fantástico, da Rede Globo, no domingo, foi uma lição de mau jornalismo.

As razões pelas quais o entrevistador não parecia interessado nos entrevistados é o tema do comentário de Luiz Egypto, editor do Observatório da Imprensa:

– Ensina-se – ou pelo menos ensinava-se – nas boas escolas de jornalismo que a entrevista não foi feita para levantar a bola de ninguém. O entrevistador está ali, diante do entrevistado, para fazê-lo falar aquilo que ele não quer dizer. Os métodos para conseguir isso são vários, mas a base é uma só: o jogo de perguntas e respostas é como uma partida de xadrez, na qual o jornalista provoca sua fonte a dizer aquilo que ela preferiria manter em segredo.

Não foi o que se viu na edição de domingo (20/4) do Fantástico. Anunciada a partir do meio da tarde – com muita discrição, para não atiçar a concorrência – a revista dominical da Rede Globo exibiu matéria de 36 minutos com uma exclusiva de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, pai e madrasta da menina Isabella, assassinada três semanas atrás.

Embora se tratasse de um repórter experiente, a falta de apetite do entrevistador, que em momento algum confrontou o casal com perguntas mais incisivas, deixou nos telespectadores um inefável gosto de ‘armação’. Restou a impressão de matéria jornalística pautada pelos advogados de defesa dos indiciados pelo crime. Uma ótima aula sobre como não conduzir uma entrevista.

Todos os comentários

  1. Comentou em 24/04/2008 Angélica Weise

    Concordo. A entrevista indagou muita gente.
    Porque um jornalista experiente no assunto, não fez as devidas perguntas?
    Foi um furo jornalístico, que tentou emocionar o público, mas responder as nossas dúvidas, disso não se teve respostas.

  2. Comentou em 24/04/2008 Antonio Carlos Pinheiro

    Que bom seria se a grande imprensa fizesse ‘perguntas mais incisivas’ ou ‘perguntas que o entrevistado não quer responder’ aos políticos do PSDB.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem