Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1006
Menu

Programa nº 874

>>Notícia envelhecida
>>Batendo na imprensa

Por Luciano Martins Costa em 24/09/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

Notícia envelhecida

A solução mágica encontrada pelo governo americano para salvar as instituições financeiras sob risco já não é unanimidade nos jornais.

Depois de saudar o anúncio de que o Tesouro iria depositar 700 bilhões de dólares no colo dos especuladores, a imprensa começa a olhar a possibilidade de saídas menos controversas.

Uma delas seria deixar ao próprio mercado o ônus da crise, o que abriria espaço para a responsabilização de alguns dos especuladores que passaram dos limites.

Uma das conseqüências da freada na precipitada solução imaginada pelo governo Bush foi a decisão, praticamente certa, de suspender o pagamento de bônus para os executivos das instituições financeiras responsáveis pela crise.

Outro fato a se registrar é que o FBI, a polícia federal americana, está investigando a possibilidade de ter havido fraudes na avaliação de hipotecas.

Alguns dos executivos que receberam bônus bilionários ao produzir resultados recordes em suas empresas estão entre os suspeitos.

O Estadão foi o único dos grandes jornais a tratar das conseqüências da crise financeira sobre outras questões que preocupam a sociedade, como o problema do aquecimento global.

Em reportagem na seção de meio ambiente, o jornal paulista informa que a crise deve prejudicar a adoção de novas regras que estavam sendo preparadas para a redução das emissões de gás carbônico pelas indústrias da Europa, em 20% até 2020.

O cuidado do jornal mostra certa evolução na abordagem da questão ambiental, mas o fato de a notícia ser publicada longe do caderno sobre a crise mostra que os editores ainda tratam o tema fora do contexto geral da economia.

Com o novo cenário, muito do que foi publicado nos últimos dias precisa ser revisado.

A edição atual da revista Veja, que anuncia as medidas do governo Bush como a salvação dos sistema financeiro internacional, não chegou ao meio da semana: virou notícia velha. Pior: equivocada do começo ao fim.

O episódio serve como exemplo de como a falta de reflexão nas escolhas editoriais pode comprometer o serviço prestado ao leitor, e também indica que a pressa na formulação de opiniões misturadas ao noticiário pode induzir a erros de interpretação.

A edição de Veja virou revista velha antes da hora.

Batendo na imprensa

O presidente da República puxou a orelha da Folha de S.Paulo por causa da notícia sobre o uso do Fundo de Garantia no financiamento da Petrobrás.

Luiz Egypto, editor do Observatório da Imprensa:

– O presidente Lula desferiu anteontem, em Nova York, mais uma canelada na imprensa brasileira por conta da manchete da Folha de S.Paulo de domingo (21/9), que cravou que o governo reabriria as compras de ações da Petrobras com recursos do FGTS, como forma de ajudar no financiamento da exploração do pré-sal.

O presidente disse o seguinte: “Eu acho abominável alguém fazer uma manchete irresponsável daquele jeito sem nunca ter conversado comigo […]. Eu acho irresponsável porque isso mexe com o mercado, mexe com ações, por uma coisa que eu nunca falei”.


Num ponto o presidente tem razão: o enunciado da manchete – ‘Lula reabre compras de Petrobras com FGTS’ – atribui diretamente a ele, presidente, a decisão. Daí a sua cobrança com base no ‘sem nunca ter conversado comigo’. Mas a informação apurada pela Folha foi confirmada por um ministro do seu governo – Carlos Lupi, do Trabalho – para o jornal Valor Econômico; e também confirmou, para o início de outubro, uma reunião para decidir o desenho da operação.

A pedido de Lula, o ministro da Fazenda Guido Mantega desmentiu seu colega do Trabalho. Carlos Lupi ficou na encolha, mas seu fiel escudeiro, o deputado Paulo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical, saiu em defesa da idéia e criticou Mantega.

E por que, nesse episódio, o presidente Lula não repreendeu publicamente o ministro do Trabalho? Porque a esta altura do campeonato é muito mais confortável bater na imprensa – e a arquibancada gosta.

Todos os comentários

  1. Comentou em 25/09/2008 Pedro Meira

    A Veja se perdeu completamente por causa da cegueira ideológica de seus redatores. Há muito não possui mais nenhum caráter informativo.

  2. Comentou em 24/09/2008 valmir gôngora

    Pelo que se divulgou até agora, não é razoável concluir que o Presidente tenha ‘batido’ na imprensa, com se fosse ele intolerante. Lula apenas respondeu à versão do jornal, dada pela publicação como fato consumado. O Ministro Lupi, indagado a respeito, manifestou-se favoravelmente à idéia, ressalvando que o governo não havia deliberado a respeito, o que, aliás, registra a matéria do Valor e, ainda, seu depoimento à Rádio Nacional, em Brasília, no dia seguinte à publicação. Portanto, desmentiu o jornal e seu fato consumado. A matéria da Folha informa que o jornal ‘apurou’, não atribuindo a informação ao Ministro ou a quem quer que seja, e atesta tratar-se de vontade do Presidente. Em verdade, seria o caso de se indagar, a respeito de intenções, os autores da reportagem.

  3. Comentou em 24/09/2008 Ivan Moraes

    1–‘episódio serve como exemplo de como a falta de reflexão nas escolhas editoriais pode comprometer o serviço prestado ao leitor’: nao foi ‘escolha editorial’, foi propaganda ideologica neocon. 2–‘a esta altura do campeonato é muito mais confortável bater na imprensa – e a arquibancada gosta’: quem faz fofoca de maior alcance e pede respeito mais frequentemente, a media ou os politicos? Eh a media. A ‘arquibancada’ gostaria que a media parasse de ser cricri, so isso.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem