Sábado, 15 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

Programa nº

>>Veja faz reportagem
>>Mais um dossiê

Por Luciano Martins Costa em 24/03/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

Veja faz reportagem

A grande novidade da semana é que a revista Veja resolveu voltar a se interessar por jornalismo.

Nada muito original, nada muito especial, mas a reportagem sobre a Amazônia representa um esforço que a revista de maior circulação paga da América Latina não vinha fazendo há muito tempo.

A grande qualidade da edição de Veja é a escolha do tema.

O grande defeito é a ilusão arrogante de que pode oferecer um diagnóstico definitivo para a questão.

Talvez a melhor informação da reportagem seja um retângulo vermelho que representa, comparado com duas páginas abertas, o total do desmatamento ocorrido na floresta nas duas últimas décadas.

No mais, o corpo principal do texto é composto por respostas da revista a questões que ela chama de ‘senso comum’. Mas não explica de onde tirou esse tal de senso comum.

A tentativa de partir de suposições básicas para respostas complexas torna o resultado confuso.

A reportagem tem o mérito de reconhecer a importância da preservação da floresta, mas faltou citar e contextualizar as fontes que autorizam certas afirmações.

Não há como fugir da impressão de que os editores da revista estavam cumprindo uma tarefa, ainda que a contragosto.

Certos atos falhos, como dizer que algumas cidades plantadas em meio à floresta ‘são verdadeiros oásis no interior da selva’, revelam o que a revista pensa realmente da questão do uso da Amazônia.

A Editora Abril tem um interessante projeto chamado Planeta Sustentável, que centraliza o tratamento dos temas ligados aos problemas sócio-ambientais.

É desse núcleo editorial que partem as sugestões de pautas sobre meio ambiente, responsabilidade social e sustentabilidade para as publicações do grupo.

Veja parece ter recebido a pauta sobre a Amazônia como uma tarefa penosa em sua cota de assuntos politicamente corretos.

No meio das 22 páginas sobre a floresta, foram plantadas cinco páginas de publicidade do núcleo Planeta Sustentável e seus apoiadores.

Os leitores que conhecem o projeto ficam imaginando se a revista, por sua própria iniciativa, faria uma reportagem como essa a favor da preservação da Amazônia.

A despeito do esforço politicamente correto, Veja não consegue fugir de sua natureza: em toda a reportagem, não há sequer uma citação aos muitos projetos bem-sucedidos de agroecologia integrada sustentável, modelo que disputa espaço com o sistema das grandes propriedades monopolizadas pela agroindústria.

A edição é coroada por um artigo do economista Gustavo Iochpe, duas páginas de preconceito e desinformação sobre a verdadeira dimensão da questão ambiental.

Para o leitor que não alcançou a promessa anunciada pela reportagem, de sair ‘com um conhecimento bem mais objetivo da Amazônia’, o artigo é um manifesto a favor da exploração econômica da floresta.

No final, fica-se com a impressão de que os editores usam a ‘mão do gato’ para dizer no artigo o que não puderam ou não quiseram dizer na reportagem.

Mais um dossiê

Veja aparece com um novo ‘dossiê’, o gênero de jornalismo no qual se especializou nos últimos tempos.

O tom é o mesmo dos casos anteriores, e o processo segue a rotina: a revista publica suas denúncias, políticos fazem a repercussão e ganham notoriedade.

Mas será bom jornalismo?

Alberto Dines:

– Enquanto os estudiosos examinam com atenção o relatório sobre o Estado de Mídia dilvugado na semana passada, a nossa mídia continua oferecendo um espetáculo lamentável, lamentável e perverso. A Veja do último fim de semana acusa o governo de estar preparando um dossiê sobre os gastos da presidência da República no período 1998 a 2001, isto é, no fim do segundo mandato de FHC. Este dossiê, segundo o semanário, visa a intimidar a oposição na CPI dos Cartões Corporativos. Ora, se a revista acusa o governo de estar preparando uma chantagem, por que razão publicou dados sigilosos e aparentemente falsos, conforme declarou a ministra Dilma Roussef? Na corrida sensacionalista, inverteram-se os papéis: ao divulgar os dados, Veja inocenta automaticamente o governo e converte-se, ela própria, em agente e beneficiária da chantagem.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem