Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

Programa nº 149

Mauro Malin

>>Ibope avalia Lula
>>Atenção ao Judiciário

Por Mauro Malin em 29/11/2005 | comentários

Ouça aqui

Download

Ibope avalia Lula


Se for mantida a correlação observada ao longo do ano com as pesquisas CNT-Sensus, a próxima pesquisa do Ibope para a CNI poderá mostrar a aprovação do presidente Lula entre 41% e 42%. O Ibope deu sempre cerca de cinco pontos percentuais menos favoráveis a Lula do que o Sensus. A pesquisa CNT-Sensus de novembro mostrou Lula com 46,7% de aprovação. Em junho, antes de Roberto Jefferson dar com a língua nos dentes, o Ibope encontrou 55% de aprovação para o modo como Lula governava o país. Esse número caiu para 47% em agosto e 46% em outubro.


A pesquisa do Ibope será feita nos próximos dias.



Quem vota em Lula


O analista Rogério Smith, da consultoria Tendências, analisou os resultados do Ibope em 2005 até aqui. Concluiu que o voto em Lula é majoritário entre os homens, os mais velhos, com baixa escolaridade, nordestinos, de baixíssima renda familiar e habitantes de municípios periféricos pouco populosos.


Na opinião de Smith, a manutenção da vantagem nesse eleitorado não bastaria para reeleger Lula em 2006. A perda de apoio entre os mais escolarizados, urbanizados, jovens e de maior renda se traduziria em derrota no segundo turno.


Atenção ao Judiciário


O Alberto Dines pede melhor cobertura jornalística das atividades do Poder Judiciário.


Dines:


– Mauro, amanhã, quarta-feira, teremos nova trepidação no imponente palácio onde está o Supremo Tribunal Federal na praça dos Três Poderes em Brasília. Será a continuação do julgamento do recurso do deputado José Dirceu para interromper o processo de cassação do seu mandato. Falta o voto do ministro Sepúlveda Pertence, mas além dele espera-se a continuação do troca-troca que ocorreu na sessão anterior. O suposto empate anterior pode evaporar-se e até mesmo virar goleada. Qualquer que seja o resultado, os grandes veículos jornalísticos, sobretudo os jornais, precisam reaprender a cobrir o Judiciário. A prolongada crise e os impasses dela decorrentes transferiram os centros de decisão do Legislativo para o Judiciário. Significa que a cobertura da suprema corte precisa merecer a mesma atenção, o mesmo espaço e exigir a mesma vigilância da cobertura política. A verdade, Mauro, é que o jornalismo hoje se tornou tão especializado como a medicina. Aliás, a edição de hoje à noite do Observatório da Imprensa na TV vai tratar exatamente do jornalismo médico diante das ameaças de epidemias. Às dez e meia da noite na TVE e às onze na TV Cultura.


Sigilo da fonte


Dines, o Estado de S. Paulo desta terça-feira, 29 de novembro, dá destaque à informação de que um procurador pretende contestar na Justiça o direito da imprensa de preservar o anonimato das fontes.


O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Roberto Busatto, disse que a pretensão do procurador nega frontalmente o Estado democrático de direito.


Incredulidade estrangeira


Veronica Goyzueta é presidente da Associação dos Correspondentes Estrangeiros em São Paulo, que congrega em torno de 100 jornalistas. Peruana, ela trabalha no Brasil há 13 anos. Atualmente, é correspondente do jornal ABC, de Madri. Veronica narra a incredulidade dos editores no exterior quando começou a crise do “mensalão”.


Veronica:


– O Lula chegou ao poder com uma grande expectativa no mundo todo. Acho que é um dos presidentes mais lembrados no mundo. Quando começaram as primeiras denúncias sobre o governo, houve um clima de não querer acreditar. Era uma coisa que nós, correspondentes, sentimos nas redações dos nossos jornais. A gente passava as informações, os editores tomavam um pouco de cautela [sobre] se era verdade, se as denúncias eram fundamentadas. Houve um temor de que fossem manobras da oposição. Até que as evidências começaram a aparecer e as notícias começaram a ter mais força nos jornais de fora. Com o passar do tempo, nesta altura já da crise, tem caído mais o interesse, porque as notícias se repetem muito e não tem grandes novidades. A não ser semana passada, houve as notícias sobre Palocci, mas as informações sobre o governo Lula têm caído bastante.

Todos os comentários

  1. Comentou em 02/12/2005 Vergilho Carvalho Sobrinho

    Os índices recentemente divulgados quanto ao desempenho da industria e da agricultura já começam a refletir o desastrado governo, que está mais para mula(animal famoso pela atitude de empacar) do que Lula; Acho que a imprensa e a oposição estão cumprindo o seu papel; a oposição, no meu modo de ver, tem sido ineficiente. Lembre-se que quem levantou a lebre não foi a oposição… Ah… se o PT fosse oposição o presidente já era. Cometem barbaridades e dai querem culpar a imprensa e a oposição. Fácil, comodo, conveniente, não acham? No início achei que parte do PT ainda merecia confiança mas a cada dia que passa fico mais preocupado.

  2. Comentou em 29/11/2005 Julio pedro

    . A covardia é a prisão dos fracos e decadentes.
    Artur Virgílio é uma abominação. Um idiota, criado no seio de uma ridícula família burguesa, que se acha aristocrata só porque tem a falta de imaginação de repetir o mesmo nome há quatro gerações.
    É um cafajeste metido a refinado, que grita com mulher em público e acha aceitável ameaçar dar uma surra no Presidente da República..
    ACM Neto também é um boçalzinho, que nunca precisou trabalhar duro na vida, se elegeu deputado às custas do avô coronel. E que avô, hein? Fraudador de painel de votação do Congresso que, quando se viu prestes a perder o mandato, não honrou as calças que vestia e renunciou. Não vale um traque de José Dirceu. Pois é o netinho deste sujeito asqueroso quem se acha no direito de ameaçar publicamente o Presidente da República do Brasil, eleito com a maior votação da história. Queria ver ser macho pra ameaçar um dos generais ditadores que seu vovô tanto apoiava. Bravateiro, inconseqüente, arrogante, sem um pingo de compostura e decoro para exercer o cargo que exerce.
    A louca da Heloísa Helena, que acha que ser de esquerda é fazer esse triste papel de lavadora das privadas da direita, o qual vem exercendo há tempos, também achou bonito ameaçar de pancada o mandatário maior da nação. É claro que não foi levada a sério, pois além de mal poder com um gato morto pelo rabo, sempre teve fama de histérica e mal-amada, que faz da agressividade verbal exibicionista uma espécie de sexualidade alternativa. É uma piada ambulante, até naquele Congresso de bufões.
    O Brasil tem hoje a pior bancada na Câmara Federal de todos os tempos.Com raras e honrosas exceções, que só confirmam a regra.
    E também, salvo as raras e honrosas exceções confirmadoras, o Brasil tem hoje a pior imprensa que já teve desde que vendidos e golpistas como Carlos Lacerda e David Nasser bateram as botas.
    A começar pelas “estrelas” dos noticiários e programas de entrevistas.
    Arnaldo Jabor é um cineasta fracassado, que cometeu três filmecos pornográficos, metidos a cult. Desistiu, felizmente, e quando pensávamos estar livres de sua falta de talento, eis que o monstro ressurge e resolve torrar nossa paciência de outro jeito: fingindo que está com encosto do Paulo Francis. Paulo Francis era um direitista doente. Mas, pelo menos era ele mesmo. Uma bosta de ele mesmo, vale lembrar. Agora, imagine um pastiche desta bosta? Acertou, é Arnaldo Jabor.
    Jô Soares é o filho único de um casal de grã-finos, criado no Copacabana Palace, e que nunca conseguiu superar a idade mental de doze anos. Tanto que não consegue fechar a boca e comer do jeito que um homem de sessenta anos deveria. Com barbas brancas na cara, continua se comportando como o garoto gordo que faz o papel de bobo da classe. Acha que é engraçado, quando está sendo apenas ridículo. Acha que é mais inteligente que todo mundo, quando só é arrogante. Assistiu um programinha mambembe de um entrevistador estadunidense, imitou em tudo, até no cenário, e com isso se sente no direito de humilhar seus entrevistados, seus músicos, sua equipe técnica e até sua platéia. Ou claque, melhor dizendo.Agora, decidiu que seu papel de deformador de opinião é fazer campanha declarada contra um governo que foi democraticamente eleito.
    Nas quartas-feiras, reúne no seu picadeiro um grupelho de peruas, todas na menopausa e se achando o máximo por serem debochadamente chamadas de “meninas”.
    Cristiane Lobo ri com cara de idiota e concorda com tudo que o Gordo diz. Talvez com medo de perder o empreguinho global e ter de cobrir defunto de periferia na Record.
    A pobre professora da USP , que deve estar por lá atrás de um mensalinho pra engordar seus honorários, tenta falar, mas, é sempre atropelada por Lúcia Hipólito. Aí sorri amarelo e deixa pra lá, com aquela cara de “tia” que entende a ignorância das criancinhas.
    Ana Paula, aquela mistura de loura do Tchan com foca de jornal de bairro, é tão competente que só conseguiu emprego mesmo no falido JB. Diz um monte de besteiras, sacode as bijuterias e faz caras e bocas pra câmera, talvez sonhando com um convite tardio para posar na Playboy.
    E tem a Lúcia Hipólito, a pior figura que já apareceu na telinha nos últimos tempos. É feia, é brega, é antipática, é arrogante, é mal educada, interrompe a fala das outras e ainda se acha a última coca-cola gelada do sertão. Parece a bruxa malvada das antigas histórias da Disney. É o estereótipo da perua de família rica que quer se afirmar como “intelectual” pra esnobar as amigas no chá das cinco. Apresenta-se como “cientista política”. Como assim, “cientista”? Alguém já leu algum artigo científico desta senhora? Já discutiu seus livros em algum congresso? Já viu o currículo Lattes dela? Ela realiza suas pesquisas científicas em qual instituição?
    O que se sabe é que exerce função de jornalista e pelo que se intitula, sem ter a devida formação na área. Mas, acha que pode ditar regras sobre tudo. Solta batatas imperdoáveis até na boca de um estudante de primeiro período de sociologia. Como a da última quarta-feira, dia dois de novembro, quando disse que não poderíamos ter escolhido Lula para “gerenciar” o Brasil, “pois ele nunca gerenciou nem mesmo um carrinho de pipocas”.
    Claro que todo mundo que estudou “ciências políticas” sabe o quanto é importante a experiência gerencial de carrinhos de pipocas na carreira de um presidente da república, não é mesmo?
    Alguém precisa avisar à “cientista” que o cargo de Presidente da República é representativo e não gerencial. E que o Estado não é uma empresa. Tem relações sociais, econômicas e humanas bem mais complexas que uma padaria ou uma fábrica de automóveis. Não pressupõe a hierarquia existente em uma empresa. Não visa o lucro e não tem dono. Se a gente fosse escolher Presidente, como se escolhe gerente, era melhor fazer concurso público em vez de eleição.
    A única das “meninas” que dizia coisa com coisa, a veterana jornalista Teresa Cruivinel, foi posta pra fora do programa, ou saiu de lá correndo para não pagar mais mico naquele festim idiota, que mais parece um fim de tarde na Daslu.
    E o que temos na mídia impressa? A revista VEJA.
    A revista VEJA merece um capítulo à parte, pois já deixou de ser uma publicação jornalística, pra embarcar no gênero ficcional com narrativa de literatura fantástica. Traz em suas páginas seres que só poderiam existir mesmo na ficção fantástica, como o Diogo Mainard.
    Eu até acredito em fadas, saci, duendes e fantasmas. Mas, não acredito que alguém como o Diogo Mainard possa existir de verdade.
    O pior é que, ao embarcar na literatura de ficção fantástica, a VEJA devia ter, pelo menos, treinado seus repórteres, distribuindo um exemplar de “Os Cavalinhos de Platiplanto”, clássico do gênero, escrito por J.J.Veiga. A boa referência literária faria com que as criaturas, pelo menos, conseguissem imaginar uma historieta melhor do que esta de Fidel mandando ao Brasil dinheiro para financiar a campanha de Lula. E ainda escondido em caixas de uísque. Por que não caixas de charutos, que seria mais verossímil? Ou será que Fidel invadiu o Paraguai desde 2002 e a gente ainda não sabe?
    As outras publicações chafurdam num mar de jabaculês, sensacionalismo e ignorância.
    Nem escrever corretamente em português conseguem mais.
    Mas, é essa imprensa sem preparo e totalmente comprometida com as forças conservadoras que forma a opinião da classe média brasileira.
    A classe média brasileira que é tonta, idiota e tem péssima formação educacional. Quem chega a fazer faculdade, nunca mais lê um livro, depois que se forma. Quando lê, é auto-ajuda, escrita pelo Lair Ribeiro.
    Mesmo assim, essa turma acha que é bem informada às custas de VEJAS, ÉPOCAS, FOLHAS, GLOBOS e se sente elite, adotando as idéias e comportamentos da gentalha da mídia, que forma sua opinião.
    Já a elite de verdade é hipócrita, canalha, egoísta e cruel. Tem ódio de Lula, por ser mestiço, nordestino e pobre. Acha um insulto ser governada por ele e se pudesse já o teria tirado do poder na ponta da baioneta, como fez com João Goulart, que nem pobre, nem nordestino era, apenas um moderado socialista.
    É uma elite pobre de cultura e formação, composta por quatrocentões decadentes, descendentes de degredados, que se julgam nobres e por emergentes ridículos, que se sentem quatrocentões.
    Uma elite ignara, que compra livros como de fossem azulejos, para decorar paredes.
    E é uma elite burra, que nunca leu Gilberto Freyre nem Adam Smith e não aprendeu que, até para poder continuar a habitar a casa grande, precisa deixar a senzala comer um pouco melhor.
    Não, Poeta Cazuza, eu não vou “pedir piedade para esta gente careta e covarde!” “Pelo menos esta noite, não.” Estou mais é querendo que todos eles vão pro diabo que os carregue.
    Estou de saco cheio de tanta baixaria, mediocridade, autoritarismo, maucaratismo e violência real e simbólica.
    Estou de saco cheio de ver esses cretinos mentindo, enganando e manipulando pra não deixar que o sonho do povo se realize.
    Estou de saco cheio de ver a desfaçatez com que tentam convencer o povo de que ele sempre toma a decisão errada e que, por isso, é melhor não decidir mais e entregar o país pra que eles, os iluminados, governem.
    Estou de saco cheio de ver esse mesmo filme se repetindo nos últimos quarenta anos, desde que me entendo por gente: a elite canalha governando, mesmo que à força. A classe média pusilânime aplaudindo, e se sentindo representada, como se tivesse algum poder. E o povo, sofrido e conformado, “levando pedras como penitente” e sonhando com um Messias, que o virá salvar.
    Estou de saco cheio de ver o país dar um passo adiante e dez para trás, por que o progresso democrático contraria os interesses de meia dúzia de poderosos, cuja ganância é maior que o tempo que eles terão de vida para aproveitar o produto de sua perversidade.
    Estou de saco cheio de ver o único Governo em muitos anos que nos livrou do FMI, voltou a financiar moradias, criou um programa de segurança alimentar para atender os famintos, assumiu a liderança da América Latina e impôs respeito no mundo todo, ser execrado diariamente nos jornais, como se tivesse inventado a corrupção, a violência e todos os problemas que o país arrasta há quinhentos anos.
    Estou de saco cheio de saber que isso é preconceito, sim. É ódio de classe, sim. É desejo de manter privilégios inaceitáveis, sim. Pois quando o sociólogo da Sorbone quebrou o país três vezes, liquidou o patrimônio do país a preço de banana, sucateou o parque industrial do país com uma política monetária absurda, multiplicou a dívida externa e comprou votos pela bagatela de duzentos mil para se reeleger, nunca mereceu da mídia o linchamento diário que vêm recebendo o Governo Lula e o PT. Nunca foi desrespeitado em plenário pela oposição da forma como o presidente Lula tem sido desrespeitado. Nunca foi ameaçado de pancada por um canalha, uma histérica e um herdeirozinho de quinta categoria.
    Estou de saco cheio de ver tanta injustiça, tanta mentira tanta cara-de-pau, tanta irresponsabilidade com o futuro do país, no esforço de criar uma crise que eles sabem que é hipócrita, falsa e eleitoreira, pois trata como novidade práticas seculares.
    E tudo isso em um momento que poderíamos estar aproveitando para crescer, promover o bem-estar do povo, afirmar nossa grandeza como nação pacífica e progressista diante do mundo.
    Eles não se importam em jogar na lata do lixo da história o futuro das nossas crianças, desde que´possam trazer de volta ao poder o partido da compra de votos, da privataria, da dengue, da quebradeira e do apagão

    Eles não pensam que, se interrompermos os projetos sociais que hoje assistem a mais de trinta milhões de brasileiros, estaremos fomentando ainda mais os bolsões de miséria, donde sairão os bandidos que matarão, seqüestrarão e roubarão a paz de seus filhos e netos.

    Essa gente dorme, meu Deus? Essa gente coloca a cabeça no travesseiro à noite e sonha com os anjos, sem ouvir a voz do Ministro Gil cantando insistentemente em seus ouvidos “gente estúpida, gente hipócrita” ?

    Se você está acostumado a ler meus textos, deve estar espantado e até indignado com a virulência e agressividade deste aqui. Deve estar também de saco cheio de me ver aqui a xingar e blasfemar por tantas linhas. Pois saiba que é exatamente assim que estou me sentindo, depois de passar seis meses sendo submetida a um bombardeio diário de baixarias e canalhices golpistas daqueles que querem única e exclusivamente o poder.
    Esse texto é um desabafo, uma vingança, um grito transbordante de quem está de saco cheio de agir corretamente, de respeitar os outros, de seguir as leis, a Ética, os bons modos, o politicamente correto e, olhando em volta, ver o triunfo dos canalhas sobre o homem de bem, do medo sobre a esperança, da covardia sobre a vontade de mudar pra melhor.
    É um gesto de legítima defesa, destes que a campanha do “NÃO” tanto nos convenceu ser um direito.
    O texto está ofensivo, grosseiro, chocante? Que bom! Era isso mesmo que eu queria.Que toda a bile que derramei aqui possa chegar até essa gente nefasta e provocar neles raiva, amargor, ódio, ressentimento.
    Palavras não matam, mas, ferem. Ficam ecoando na cabeça e infernizando a alma por muito tempo.
    Tomara que todos eles leiam. E tenham um mau dia. Uma péssima semana. E um mês pior ainda.

  3. Comentou em 29/11/2005 Osmar Dos Santos

    PSDB/PFL gerenciou mal o país nos seus 8 anos de governo, vendendo todas estatais a preço de banana e investindo mal o dinheiro dos fundos de pensão e também acho que quando o LULA tinha intenções concretas de ganhar as eleições, eles, FHC e seus amiguinhos, sabendo como funcionava o dinheiro não contabilizado o caixa 2 de campanhas que os próprios começaram ou arquiteraram, ficaram na tocaia até o PT cometer erros para assim tentar voltar ao poder, mas esqueceram que deixaram rastos tambem.

  4. Comentou em 29/11/2005 MAURICIO GUIMARAES

    É realmente uma pena que os eleitores cairam na conversa da mídia. Para esta mídia que tanto pior, mais vendem informação. Verdade que existe corrupção, mas, onde se mete o homem existe corrupção. Deve-se punir, porém, com 46 anos, ainda não vi governo melhor. Todos os índices indicam isso. E como reage a mídia? Ah isso é sorte. É sorte que o câmbio está bem, que as importações estão bem, que a miséria está sendo contida, que o país está com crédito, etc… Resumo: Todo empresário bem sucedido deve ser sorte, na visão dessa mídia maldita que vende informações distorcidas para eleitores indecisos.

  5. Comentou em 29/11/2005 Donaldo de Andrade Silva

    O Lula certamente será reeleito, 41%, 42% ou 47% é um percentual muito significativo, PSDB, PFL, PMDB, ou qualquer outro partido não tem nenhum nome suficientenmente forte. Qualquer um já teria caido. A oposião nem tem ainda um candidato certo, uma hora é o Serra, outra o Tasso, o Alkmim ,ou será o Aécio, nem eles sabem e nem a ‘Impreeeeensa’ cobra deles um nome, só cobram do Lula se ele é ou não candidato. Ora, gente, ninguém agüenta mais tanto nhenhenhem, é a mesma coisa todo dia toda hora, já tá dando calo nos ouvidos, tanto por parte da Imprensa quanto da oposição.

  6. Comentou em 29/11/2005 antonio ribeiro

    Diante dos fatos já enunciados, e que se tornaram públicos, na minha opinião ninguém com um pouco de bom senso ira votar em lula, ou no PT. Mesmo o PSDB, aqui em São Paulo, corre risco de naufragar, pois os casos dos precatórios e indicações para juiz do Tribunal de Contas vão dar o que falar. Vamos esperar para ver.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem