Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

Programa nº 593

>>Julgamento histórico
>>Jobim toma as rédeas

Por Luciano Martins Costa em 23/08/2007 | comentários

Ouça aqui

Download

Luciano Martins:

Como não podia deixar de ser, todas as manchetes conduzem ao ‘mensalão’. Mas sobra também para Denise Abreu, a diretora da Agência Nacional de Aviação Civil acusada de haver fraudado um documento para liberar a pista de Congonhas. E Renan segue balançando da corda bamba.
Fala, Dines

Julgamento histórico

Alberto Dines:

– Qualquer que seja a decisão final do Supremo Tribunal Federal na próxima sexta ou eventualmente na segunda-feira o julgamento ontem iniciado já está cumprindo com uma importante função cívica: rememora com minúcias o maior escândalo  político brasileiro de todos os tempos e que, dois anos depois de revelado, parecia completamente  esquecido. Num país angustiado pela sensação de impunidade este reencontro frontal com a realidade oferecida pelo poder judiciário é uma preciosa dádiva. Tanto a sustentação oral da denúncia do Ministério Público como as veementes defesas dos 14 advogados tentando desqualificar o trabalho do Procurador Geral da República funcionaram como um tônico para os desmemoriados. Mesmo que algumas denúncias não sejam acolhidas pela suprema corte e mesmo que depois de acolhidas sejam julgadas improcedentes pela justiça comum este julgamento é uma exibição solene do funcionamento do Estado de Direito, flagrante da maturidade da nossa democracia. É preciso lembrar que o Procurador Geral da República representa o Estado brasileiro que está acusando  formalmente a antiga direção do partido do governo e dois ex-ministros do governo de pertencerem a uma organização criminosa. Não são muitos os países do 1º Mundo  que podem exibir procedimentos tão transparentes e tão rigorosos. Está confirmado: este é um julgamento que vai entrar para a história. Qualquer que seja o desfecho.

Luciano:

Um longo processo

A primeira sessão para o julgamento das denúncias contra o ex-ministro José Dirceu, ex-dirigentes do PT e outros envolvidos no escândalo que ficou conhecido como ‘mensalão’ já revela que o espetáculo vai se demorado e vai se desenrolar em câmara lenta.

O número de questões preliminares aportadas pelos advogados dos acusados vai exigir horas e horas de leituras e avaliações por parte do ministro-relator, Joaquim Barbosa, e depois cada uma delas deverá ser votada pelos magistrados.

Os jornais e as emissoras de rádio e TV montaram seus acampamentos dispostos a acompanhar todos os detalhes da contenda judicial.

Mas no primeiro dia de cobertura, a imprensa repete aquele antigo vício de repetir declarações de advogados.

Adivinhe o ouvinte e leitor: todos os advogados declaram que seus clientes são inocentes e que a denúncia do Ministério Público é uma peça de ficção.

Dicionário à mão

A Folha de S.Paulo faz um pequeno relato de como a linguagem dos magistrados dificulta aos leigos o entendimento do que acontece no tribunal. Em determinado trecho, a Folha nos informa, por exemplo, que ‘o excelso pretório, ou augusto sodalício, reuniu-se para analisar a exordial oferecida pelo parquet’.

A Folha também registra que alguns ministros usaram a internet ou a intranet para fazer consultas e para conversas online, enquanto o relator fazia a leitura do processo.

Inconfidências online

Mas é o Globo que faz o serviço completo: o fotógrafo Roberto Stucket Filho postou-se atrás dos magistrados e fotografou as telas dos laptops dos ministros Ricardo Lewandowski e Carmen Lúcia.

Durante as falas do relator, eles trocavam confidências pelo sistema de comunicação interna do tribunal.

Segundo os registros publicados pelo Globo, eles se mostravam impressionados com o desempenho do procurador Antonio Fernando de Souza e até fizeram revelações de como seria o voto do colega Eros Grau.

Tamanha transparência certamente revela a seriedade do tribunal, mas pode produzir efeitos inesperados no processo.

Como a sessão é pública, registre-se que com isso o Globo fez o melhor trabalho jornalístico na cobertura do primeiro dia do julgamento.

Má notícia para Renan

Depois de analisarem com mais cuidado a perícia técnica dos documentos apresentados pelo senador Renan Calheiros em suas defesa, os jornais trazem hoje péssimas notícias para o presidente do Senado.

Segundo os diários, o relatório produzido pelo Instituto Nacional de Criminalística traz indícios de falsidade ideológica, fraude contábil e crimes financeiros.

Os papéis foram entregues ontem ao Supremo Tribunal Federal e as suspeitas deverão ser aprofundados em inquérito, paralelamente aos procedimentos no próprio Senado.

O senador alagoano pode manobrar entre seus pares, mas daqui para a frente seu destino balança no imponderável juizo do STF.

Mais enrolado

O presidente do Senado conseguiu, sem ajuda da Polícia Federal ou de seus adversários políticos, complicar ainda mais sua situação.

Para explicar a falta de fundos suficientes em suas contas bancárias, o senador apresentou como justificativa um empréstimo que teria sido feito por seu primo Tito Uchôa, apontado como testa-de-ferro em seus negócios.

Operação-abafa

O Estado de S.Paulo informa que o senador alagoano segue ainda otimista.

O jornal afirma que uma operação-abafa, envolvendo um número expressivo de senadores oposicionistas, estaria sendo preparado para livrar Renan Calheiros da cassação.

Isso enquanto as atenções estão voltadas para o julgamento do escândalo do ‘mensalão’ no Supremo Tribunal Federal.

Jobim toma as rédeas

Se tiver de fato, como se especula na imprensa, interesse em se candidatar à Presidência da República em 2010, o ministro da Defesa, Nélson Jobim, já escolheu sua primeira arma de campanha: ele pediu à Advocacia Geral da União que sejam indicados três técnicos para a comissão que vai apurar responsabilidades na Anac – Agência Nacional de Aviação Civil.

Como um magistrado, Jobim não citou nomes, mas deixou vazar por meio de assessores que pretende fazer virem à tona os responsáveis pela entrega à Justiça Federal um documento sem valor legal, que acabou levando à liberação da pista principal do aeroporto de Congonhas.

Até aqui, a imprensa tem apostado que a responsável pela irregularidade é a diretora Denise Abreu.

Jobim prefere esperar o resultado das investigações, mas aproveita para faturar os holofotes.

O mercado respira

O noticiário econômico registra o recuo da crise financeira internacional.

A Bovespa subiu 3,87%, começando o que alguns jornalistas especializados dizem ser uma nova etapa de recuperação.

Os jornais observam que o Brasil foi até agora pouco afetado e que o pior momento já passou.

Mônica nua

A Folha de S.Paulo traz fotografias da nudez da jornalista Mônica Veloso, a ex-namorada do senador Renan Calheiros, quem posou para a revista Playboy.

Diz a jovem que não pretende mostrar apenas o corpo que abalou o Senado Federal.

Ela avisa que vai publicar um livro contando coisas sobre Brasília que ninguém jamais ousou revelar.

Será que nossa corte ainda pode surpreender?

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem