Segunda-feira, 18 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1063
Menu

Programa nº

>>Mudança no clima
>>Pessimismo doentio

Por Luciano Martins Costa em 26/11/2009 | comentários

Ouça aqui

Download

Mudança no clima


Há exatamente dez dias, quando se noticiou que Estados Unidos e China, a duas nações mais poluidoras do mundo, haviam decidido adiar um compromisso formal, internacional, para a redução das emissões de gases que contribuem para o efeito estufa, a imprensa brasileira se apressou em vestir-se de luto e decretar o fim da convenção de Copenhague.


O Globo chegou a publicar que a deliberação basicamente jogava “pelo ralo” as esperanças de uma definição de metas na conferência de dezembro.


A despeito de diversas manifestações de especialistas afirmando que o recuo poderia significar a oportunidade de avanços mais significativos em curto prazo, a imprensa brasileira seguiu puxando os ânimos para baixo.


Faltavam, então, 22 dias para o início do encontro em Copenhague.


Nesse período, outros países, como o Brasil, fizeram avançar suas agendas para ocupar o espaço deixado pelo aparente recuo de americanos e chineses.


Estava claro, segundo o noticiário, que a COP-15, sigla pela qual é denominada a conferência de Copenhague, seria basicamente um encontro para a definição de posições políticas dos países e que, a partir desse entendimento básico, seria possível um consenso sobre metas específicas para 2010.


Para a maior parte dos analistas selecionados pela imprensa brasileira, o evento de Copenhague já era contado como um momento de fracasso.


Nesta quinta-feira, todos os jornais anunciam, com destaque, que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vai comparecer ao encontro com um compromisso específico: os americanos se propõem a reduzir suas emissões em 17%, até 2020, em relação aos níveis registrados em 2005.


A proposta contém os mesmos números que já foram aprovados na Câmara dos Representantes e tramita no Senado americano devendo ser votados no começo do ano que vem.


È considerada pouco ambiciosa, mas representa uma mudança significativa: o governo Bush era contra  o comprometimento com metas numéricas definidas em acordos multilaterais e o Congresso dos Estados Unidos nunca chegou a ratificar o Protocolo de Kyoto, firmado pelos países industrializados em 1997.


Trata-se, portanto, de um grande avanço.


Pessimismo doentio


Parece uma história de suspense que se aproxima de um final feliz.


Mas o noticiário nesse período revela como a imprensa ainda se aproxima do tema aquecimento global de uma forma pessimista e superficial.


Quando americanos e chineses anunciaram sua decisão de adiar a definição de metas, o secretário-executivo da Convenção do Clima das Nações Unidas, Yvo de Boer, declarou considerar a medida saudável, por criar a possibilidade de um entendimento político que daria mais consistência ao que fosse acertado entre os países.


Ele estava repetindo afirmações de cientistas, que alertam para o fato de que a humanidade não terá uma segunda chance para amenizar o processo de mudanças climáticas.


Em poucos dias, revelou-se que ele tinha razão: o Brasil aproveitou o recuo aparente de americanos e chineses e divulgou o compromisso que irá levar a Copenhague.


A União Européia, o Japão, a Rússia e outras comunidades importantes também trataram de definir suas metas.


Na prática, avançou-se rapidamente para um consenso que não havia no começo de novembro.


Ainda há quem discuta o alcance de cada um dos números que será levado a Copenhague.


Também há espaço na imprensa para pessoas que não acreditam no aquecimento global.


De longe, a Noruega é o país que parece estar levando mais a sério a necessidade de interromper o ciclo de aquecimento do planeta. Vai propor um corte de 40% nas suas emissões em relação aos índices de 1990.


Mas, de qualquer maneira, as propostas devem ser consideradas em relação ao atual estado das atividades industriais e dos hábitos da população.


Existe ainda uma margem para avanço representada pelo desenvolvimento de tecnologias mais limpas, que deverá ganhar grande estímulo a partir da conferência de Copenhague.


O mais importante no compromisso coletivo das nações é sinalizar para a mudança de paradigmas na economia e nos negócios.


Com os compromissos multilaterais, estará sendo inaugurada uma nova ordem econômica, que poderá conduzir a humanidade a tempos mais esperançosos.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem