Sábado, 20 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1033
Menu

Programa nº

>>O tamanho do Estado
>>A volta do Fenômeno

Por Luciano Martins Costa em 13/03/2009 | comentários

Ouça aqui

Download

O tamanho do Estado

A semana chega ao fim e a imprensa foge do debate central que deverá marcar as reuniões de dirigentes mundiais até o começo de abril.

O primeiro encontro será realizado amanhã, entre os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos.

Depois, segue-se uma sucessão de reuniões de ministros de vários países, até a do G-20, que colocará em torno da mesma mesa representantes dos sete países mais ricos e os chamados países emergentes.

O Brasil apóia a proposta do presidente americano, Barack Obama, de promover o relançamento da economia mundial em novas bases, com forte apoio de recursos públicos.

Mas também concorda com a proposta da União Européia, de tornar mais rigorosas as regras de controle da economia global.

Como pano de fundo dessa negociação encontra-se a questão do tamanho do Estado e de suas funções no longo prazo.

Para alguns dos protagonistas desse debate, o Estado deve intervir na emergência e preparar uma saída rápida, para preservar a independência dos mercados.

Para outros, a crise gerou a oportunidade para rediscutir justamente a independência dos mercados e colocar os negócios sob maior supervisão de organismos representativos da sociedade.

O modelo brasileiro de intervenção na crise, que será levado ao encontro do G-20, é o da ação através de bancos estatais para estimular a economia e provocar a concorrência dos bancos privados pela concessão de créditos à produção e ao consumo.

A proposta brasileira é complementada pela tese de que o mundo precisa de um novo sistema de governança, mais amplo, que tire o mando das mãos das superpotências e funcione como um colegiado, incluindo os emergentes.

Os jornais observam hoje que o comércio global pode sofrer uma queda de até 17% neste ano.

As medidas protecionistas com que alguns países reagiram logo após a eclosão da crise acabou agravando a situação geral.

Da mesma forma, as experiências dos países ricos para recuperar os gigantes financeiros abalados por fraudes e má gestão de recursos não conseguiram produzir um mínimo de estabilidade.

Abril será um divisor de águas, mas a imprensa ainda não conseguiu apresentar aos leitores um quadro esclarecedor de tudo que está em jogo.

A volta do Fenômeno

A ironia dos fatos foi levantada pelo técnico da Seleção brasileira, ao lembrar que há poucos meses a imprensa demonizava o jogador Ronaldo Nazário, considerando-o acabado para o futebol.

A euforia despertada pelo seu desempenho no Corinthianas leva ao ponto extremo, e muitos jornalistas já defendem sua convocação para as eliminatórias da Copa do Mundo.

Entre um ponto e outro desse comportamento, onde deveria se situar o jornalismo esportivo?

Alberto Dines:

– A mídia está encantada com os dois desempenhos de Ronaldo, o camisa 9 do Corinthians. Mais uma façanha, mesmo irrisória, e este senhor estará sendo rebatizado como Fenômeno. A missão do torcedor é torcer, delirar. Ao jornalista cabe não distorcer, usar a razão e o discernimento. Há um ano, Ronaldo estava sendo tratado como a Geni da canção de Chico Buarque. Nesta reviravolta há, certamente, um toque de solidariedade. A recuperação de um ser humano é sempre auspiciosa, sobretudo quando se trata de um ídolo. E, sobretudo, quando este ídolo é corinthiano. Estas súbitas mudanças de humor dos jornalistas esportivos – felizmente não todos – mostram como é diferente o universo futebolístico. O jornalista político geralmente dá preferência aos fatos negativos, pois acredita que através deles pode levar o eleitor – espécie de torcedor – a optar por mudanças. Já o jornalista esportivo, geralmente, prefere o clima da euforia. Corrupção no mundo da cartolagem, mediocridade na seleção nacional e campeonatos inexpressivos, são fatos que não animam os editores das páginas de esporte. A preferência é pela euforia. Já o mundo da política vive da realidade e das suas mazelas. Como no mundo dos negócios: a prisão em Nova York do trapaceiro Bernard Madoff e a possibilidade de ser sentenciado a 150 anos de prisão fizeram a alegria de uma legião de investidores. Inclusive no Brasil.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem