Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

Programa nº 824

>>Operação ‘abafa’
>>Empresários amigos do Estado

Por Luciano Martins Costa em 16/07/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

Operação ‘abafa’

O noticiário de hoje sobre o caso do Banco Opportunity mais esconde do que revela, mas dá ao cidadão comum, leitor de jornais e revistas, uma idéia de como o Estado brasileiro pode estar contaminado pela corrupção.

Por mais justificativas que ofereça o comando da Polícia Federal, não há como convencer o mais ingênuo dos indivíduos de que os delegados encarregados da Operação Satiagraha foram afastados do caso pelas razões alegadas.

Por mais que se possa discutir o estilo de certas ações policiais, também não há talento capaz de justificar a pressa em alterar a legislação para tornar mais rigorosos os limites da atuação da Polícia Federal e do Ministério Público.

A propósito, ninguém se reuniu em Brasília para discutir o estilo da Polícia Militar, que continua matando inocentes por todo o Brasil.

O noticiário diz mais pelo que omite do que pelo que revela.

Não há como não fazer uma relação direta entre o afastamento dos delegados, a reunião entre o presidente Lula, o presidente do Supremo Tribunal Federal e o ministro da Justiça para discutir uma lei contra supostos abusos de autoridade e o caso que tem como epicentro o dono do Opportunity.

A confirmação de nomes de autoridades e parlamentares citados na investigação já vinha provocando comichões no Congresso, no Palácio do Planalto e em alguns endereços de ex-poderosos.

O aparecimento de registros de computador que estavam escondidos atrás de uma parede falsa no apartamento do banqueiro Daniel Dantas faz até o Judiciário temer a justiça.

A permanência dos acusados Humberto Brás e Hugo Chicaroni na prisão parece indicar os limites a que o sistema pode chegar: na iminência do escândalo maior,  oferecem-se para o sacrifício dois personagens de menor relevância, para amenizar a indignação da sociedade com os sinais de que, mais uma vez, os chefes da máfia que se apropriou do Estado vão ficar livres.

Mas é pouco. Muito pouco.

Raras vezes na nossa história recente o aparelho policial e a Justiça chegaram tão perto de colocar a nu o núcleo da podridão institucional que atrasa o Brasil.



Se as instituições do Estado não são capazes de seguir adiante, cabe à imprensa apoiar o prosseguimento das investigações e contar a história completa à sociedade.

Empresários amigos do Estado

O noticiário dos últimos dias revela que o Estado brasileiro foi assaltado há muitos anos por uma quadrilha que se apropriou do patrimõnio público durante o processo das privatizações e que segue até hoje praticando um capitalismo sem riscos.

O que a imprensa publicou até aqui dá a entender que algumas das grandes fortunas que costumam ser incensadas pelo jornalismo de negócios foram construídas em cima de fraudes em licitações, evasão fiscal e roubo puro e simples.

Consideradas as revelações feitas pela Operação Satiagraha, cabe muito bem o questionamento feito pelo senador Aloísio Mercadante ao presidente do Banco Central, Henrique Meirelles: o que o BC estava fazendo enquanto o Banco Opportunity acumulava lucros com atividades ilegais?

Outra questão que merece mais atenção dos jornais: o que fazia a CVM, Comissão de Valores Mobiliários, enquanto se desenrolavam as fraudes denunciadas agora pela Polícia Federal?

O Brasil vem se destacando no cenário internacional pela pujança de sua economia, o processo de modernização da Bolsa de Valores atrai investidores internacionais e consolida um moderno mercado interno de ações.

O País conquistou recentemente o grau de investimento por parte de importantes agências de avaliação de riscos e consolida uma nova reputação como mercado confiável.

A revelação de que as fortunas de Daniel Dantas e de outros heróis do empreendedorismo nacional vicejam à sombra do Estado e à margem da lei revela que a iniciativa privada no Brasil é cheia de iniciativa, mas não é assim tão privada.

Boa hora para a imprensa fazer uma radiografia do capitalismo brasileiro, como fez o Jornal da Tarde há trinta anos, na célebre sére de Ruy Mesquita sobre o socialismo embutido no governo militar.

É hora de quebrar certos santos de pés de barro.

Todos os comentários

  1. Comentou em 17/07/2008 Marco Antônio Leite

    No Brasil se brinca de prender e soltar. A polícia prende, vem um juiz qualquer, sabe lá qual o motivo, solta o facínora e, ainda fica nervoso ao ver o delinqüente sendo algemado com pulseiras de ouro, bem como teve sua casinha invadida pela polícia. Porém, esse juiz não fica nervosinho quando um larapio pobre tem a casa derrubada a ponta pés e, tem o pulso presenteado com pulseiras de latão e é tratado como um animal feroz. Quanta hipocrisia que essa gente emana do alto de seus devaneios cultural e de poder. Que tal pedir quebra de sigilo bancário, telefônico e fiscal desse meritíssimo juiz, não de futebol, mas de Justiça, a qual é feita somente para os bacanas de plantão.

  2. Comentou em 17/07/2008 Teo Ponciano

    Prezado Luciano.
    É impossível contar com a imprensa para cobrar governo ou quem quer que seja, visto que a imprensa na verdade colabora para o crime. O que não falta são informações sobre o caso Dantas. A Carta Capital por anos vem falando sobre este assunto com ZERO de reverberação no impresalão.
    O que norteia a grande imprensa são interesses políticos sem o menor amor à pátria. O único amor que possuem é ao dinheiro.
    Portanto, se queremos mudanças, somente com manifestações de rua e com muito barulho para se fazer ouvir. Como dizia Torquato Neto: primeiro invadimos os espaços, depois vemos o que fazer com eles.

  3. Comentou em 17/07/2008 Saci Pererê

    Protógenes Queiroz parece ser mudo.
    A massa sabe detalhes da operação, diga-se, detalhes ´sigilosos´, ´vazados´ indevidamente ou não, mas ouvir o própio Protógenes parece ´missão impossível´. ´Vazou´ pela Globo que ele foi constrangido pela PF e obrigado a deixar o caso, sim ele, o destemido; ágil; perspicaz e etc.. A fatura sobrou para Lula. A Globo afirmou, e mesmo depois do presidente Lula tê-lo convocado a se defender ou se explicar publicamente, a emissora reafirmou, por ele(Protógenes), com nova matéria sobre como teria sido a reunião da PF e a pressão pelo afastamento dele. Ele não foi encontrado para dizer nada por si mesmo.
    Ou ele é mudo ou se ‘AUTO-ABAFA’.
    Eu particularmente, adoraria ouvir Protógenes-O GRANDE- uma única vez. Se a Globo deixar, é claro!

  4. Comentou em 17/07/2008 Saci Pererê

    Protógenes Queiroz parece não existir. Em alguns momentos ele é o delegado herói que empreendeu uma mega-operação contra tudo e contra todos, mas quando o assunto é o capítulo 13 que trata da mídia, ele se torna, para os mesmos que o idolátram, um perseguidor rancoroso, lunático e aproveitador.
    Tudo o que diz respeito á midia nessa invetigação não recebe crédito, é irrelevante e não será tratado na TV, no horário nobre, com a grande massa. Luta-se pela total liberdade de imprensa e o direito do povo à toda informação, mas ao capítulo 13: NÃO!!! A mídia também sabe fazer a sua OPERAÇÃO ABAFA.

  5. Comentou em 16/07/2008 Paulo Pontes

    O PSDB está sendo blindado, como de costume, nessa investigação. Para que o número de mortos seja mínimo, oposição e situação se equilibrarão nas perdas, assim as eleições não serão tão afetadas.
    Mas na época das privatizações, período negro da história brasileira, onde o destino do dinheiro até hoje não se sabe, é a sombra da oposição. Com essa mácula, não há crise do governo Lula que seja maior que ela.

  6. Comentou em 16/07/2008 Marco Antônio Leite

    No Brasil se brinca de prender e soltar. A polícia prende, vem um juiz qualquer, sabe lá qual o motivo, solta o facínora e, ainda fica nervoso ao ver o delinqüente sendo algemado com pulseiras de ouro, bem como teve sua casinha invadida pela polícia. Porém, esse juiz não fica nervosinho quando um larapio pobre tem a casa derrubada a ponta pés e, tem o pulso presenteado com pulseiras de latão e é tratado como um animal feroz. Quanta hipocrisia que essa gente emana do alto de seus devaneios cultural e de poder. Que tal pedir quebra de sigilo bancário, telefônico e fiscal desse meritíssimo juiz, não de futebol, mas de Justiça, a qual é feita somente para os bacanas de plantão.

  7. Comentou em 16/07/2008 Eduardo Goulart

    Mais uma vez a republica perde a chance de ser republica.

  8. Comentou em 16/07/2008 M. Iack

    É fundamental ler o texto: http://oleododiabo.blogspot.com/2008/07/ainda-sobre-o-protgenes.html

  9. Comentou em 16/07/2008 fábio galvao amaral

    O problema, caro Luciano, é que, me parece, todos estão com o rabo preso nesta história. Executivo, Legislativo, Judiciário e imprensa. Com certeza não será a imprensa que quebrará santos. A esperança é que alguma autoridades honesta quebre os santos. Só nos resta rezar. Ave Maria ….

  10. Comentou em 16/07/2008 ALDER OLIVEIRA E SILVA

    É EVIDENTE QUE OS DELEGADOS QUE INVESTIGAM AS FALCATRUAS DE DANIEL DANTAS E SEU GRUPO, FORAM AFASTADOS PELA CÚPULA DA POLÍCIA FEDERAL…NESSE PAÍS NÃO SE PODE MEXER COM LADRÕES PODEROSOS… NÃO ME SURPREENDEREI SE O JUIZ QUE ESTÁ CUIDADNDO DESSE CASO ,VIER A SOFRER ALGUM TIPO DE RETALIAÇÃO…. QUE ELITE NOJENTA… CORRUPTA E EGOÍSTA! POBRE BRASIL !

  11. Comentou em 16/07/2008 Ivan Moraes

    Eh todo mundo espiao.

  12. Comentou em 16/07/2008 Ivan Moraes

    1-‘noticiário de hoje sobre o caso do Banco Opportunity mais esconde do que revela’: espionagem. 2-‘Por mais justificativas que ofereça o comando da Polícia Federal, não há como convencer o mais ingênuo dos indivíduos de que os delegados encarregados da Operação Satiagraha foram afastados do caso pelas razões alegadas’: espionagem. 3-‘fortunas de Daniel Dantas e de outros heróis do empreendedorismo nacional vicejam à sombra do Estado e à margem da lei ‘: espionagem.

  13. Comentou em 16/07/2008 Ricardo Pereira

    Prezado Luciano, os dois posts de hoje evidenciam que vc está exasperado com as atitudes daqueles que representam a Naçao. O mesmo sentimento se apoderou de mim. Mas me preocupa o porvir, pois a atual situaçao parece tão alucinante que nao resta esperança. Parafraseando Stefan Zweig: Brasil, um país com futuro?

  14. Comentou em 16/07/2008 Fernando Mathias

    Os dados levantados pelos delegados da PF, ora afastados, são de conhecimento do Ministério Público e do juiz Fausto de Sanctis. A PF já fez a parte dela, cabe agora à Justiça desenrolar esse novelo. Quanto ao papel da imprensa nada a acrescentar, é irrelevante pois compactua com todo esse esquema.

  15. Comentou em 16/07/2008 Gilberto MArotta

    ‘O noticiário dos últimos dias revela que o Estado brasileiro foi assaltado há muitos anos por uma quadrilha que se apropriou do patrimõnio público durante o processo das privatizações e que segue até hoje praticando um capitalismo sem riscos.’
    Revela mesmo? onde vc viu isso? pq eu não vi. A cobertura, em 99% dos casos, se esmerou em atrelar DD ao Mensalão e citar políticos petistas relaacionados a ele. Para o público geral, deve ficar a impressão de que DD nasceu no governo Lula, quando na verdade ele nasceu no PFL, consolidou suas negociatas nas privatizações, com definitiva ajuda do PSDB e do governo FHC e continuou estendendo seus tentáculos governo do PT afora. E seguirá assim, se a imprensa continuar mansa como um cordeirinho com ele. Aliás, a imprensa tem sido leniente em tudo. Porque não foi ao Congresso cobrar aqueles bastiões da moralidade que adoravam aparecer nos jornais bradando por CPIs a qualquer factóide? o que são os bilhões de DD perto das tapiocas? mas agora, silêncio. Isso pra não falar dos jornalistas envolvidos. Cadê a cobertura? vexame total. Não tenho a menor dúvida de que está se operando uma grande operação abafa nesse caso. A diferença qto aos anteriores é a amplitude e diversidade dos personagens envolvidos. Tem muita gente de rabo preso, inclusive, infelizmente, vários coleguinhas famosos. Tá na hora de dar nome aos bois, Observatório DA IMPRENSA!

  16. Comentou em 16/07/2008 Rogério Ferraz Alencar

    Gilmar Mendes acaba de soltar o pessoal que falsificou carteiras de motoristas em Ferraz de Vasconcelos.

  17. Comentou em 16/07/2008 Alexandre Carlos Aguiar

    Mas ninguém vai quebrar santo de barro algum. Não há como. A coisa toda está muito bem engendrada, é uma teia das mais bem confeccionada. Só um movimento de massa, apartidário, porra-louca (desculpando o termo), daqueles sacode-leão, para resolver isso, o quê, convenhamos, é quase impossível. O Brasil vem desde o final da ditadura militar montando essa nova ordem, a de empresas privadas envolvidas com o patrimônio público, com a anuência e parlapassada dos governantes. Seria preciso começar pelos extratos do BNDES, que é onde a caixa-preta da corrupção está registrada.

  18. Comentou em 16/07/2008 Ivan Moraes

    ‘ninguém se reuniu em Brasília para discutir o estilo da Polícia Militar, que continua matando inocentes POBRES por todo o Brasil’.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem