Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

Programa nº 28

Mauro Malin

Programa 28
>> JB tenta antecipar fala de Jefferson
>> Só o que convém dizer
>> Rede Globo põe Jefferson no pelourinho
>> A ânsia de fazer barulho
>> Ivo Cassol, o repórter
>> Galeri

Por Mauro Malin em 13/06/2005 | comentários

Ouça aqui

Download

JB tenta antecipar fala de Jefferson

 

O Jornal do Brasil desta segunda-feira, 13 de junho, noticia suposto esquema para favorecer empreiteiras na obra de transposição do Rio São Francisco que teria sido combinado com o ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, com o assentimento do ministro da Casa Civil, José Dirceu.

 

O JB baseia-se no que teria dito em almoço na Fiesp, há uma semana, o deputado federal Nelson Marquezelli, do PTB paulista. É o único jornal que tenta antecipar denúncias que o deputado Roberto Jefferson poderá fazer em seu depoimento amanhã, na Câmara.

 

Só o que convém dizer

 

A revista Veja desta semana omitiu a prisão, na quinta-feira, dos suspeitos de gravar a fita da propina nos Correios, origem do caso Roberto Jefferson. Não traz uma palavra sobre a motivação e o os métodos usados na produção da fita. Como se quisesse ocultar de seus leitores que a gravação, segundo suspeita a Polícia, foi obtida de modo ilegal.

 

A informação saiu em todos os jornais e em todas as revistas. Menos na Veja.

 

Rede Globo põe Jefferson no pelourinho

 

Cada veículo põe a ênfase onde lhe ditam suas conveniências.

 

No Fantástico de ontem à noite, a Rede Globo apresentou um perfil crítico do deputado Roberto Jefferson.

 

Não há dúvida de que é preciso divulgar a biografia de Roberto Jefferson. Mas o Fantástico não quis dar a dimensão da crise enfrentada pelo governo.

 

Em seguida, o programa disse que perguntou a deputados do PP e do PL se tinham recebido mesada do PT. Dos 108 deputados federais desses dois partidos da base aliada do governo, 90 responderam. E, que grande surpresa, todos negaram ter recebido a mesada, o ‘mensalão’. A iniciativa da Globo vai entrar para o repertório de loucuras jornalísticas que marcam a cobertura de todas as crises políticas no Brasil.

 

Para coroar, o programa deu a palavra ao ministro da Casa Civil, José Dirceu.

 

A ânsia de fazer barulho

 

Do lado dos antigovernistas, o tratamento dado ao deputado Roberto Jefferson é completamente diferente. O Alberto Dines destaca como Jefferson passou, nas páginas da Folha de S. Paulo, de acusado a acusador.

 

Dines:

 

– Mais uma entrevista-bomba de Roberto Jefferson à Folha de S. Paulo, desta vez num domingo, e mais uma vez o denunciante, apesar de confessar que não tem provas nem gravações, assume-se como uma espécie de justiceiro. Ele que há três semanas era réu. Não há a menor dúvida de que, mesmo sem provas, o presidente do PTB oferece informações e desvenda fatos da maior gravidade. Mas o instrumento de que se serve é uma mera entrevista, conjunto de declarações, ainda que verossímeis, não necessariamente verdadeiras.

 

O que mais uma vez chama a atenção deste Observatório é a transformação de algo que eventualmente pode ser um factóide num fato consumado. Isto aconteceu no passado recente e repete-se agora. E como o governo está rigorosamente na defensiva, esta nova saraivada de acusações de Jefferson ganha foros de verdade. O mal desta crise é que tanto o acusador como os acusados podem estar blefando e a imprensa, na ânsia de fazer barulho – só faz barulho.

 

Ivo Cassol, o repórter

 

O Estado de S. Paulo de sábado publicou reportagem que denuncia envolvimento do governador de Rondônia, Ivo Cassol, no episódio em que garimpeiros de diamantes foram massacrados por índios cintas-largas.

 

Ivo Cassol deu uma de repórter há um mês, quando o Fantástico exibiu gravações clandestinas com deputados estaduais que pediam dinheiro em troca de apoio ao governador de Rondônia.

 

Galeria de governadores

 

O mesmo Ivo Cassol aparece numa marreta feita junto a governadores pela revista IstoÉ. Entre outros, brilha também no material o governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz, apresentado como autor de façanhas candangas.

Todos os comentários

  1. Comentou em 13/06/2005 sergio mainardi

    Senhores,
    Não querendo ser grotesco, mas existe uma grande diferença entre assistir aos telejornais da noite. Enquanto Band, Cultura e Record falam da crise que se instalou no governo, o da Globo gostaria de transmitir que a crise é amena. Sinceramente, não sei em que linha jornalistica a Globo se baseia. Obrigado pelo espaço. Sergio.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem