Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

Programa nº 39

Mauro Malin

Programa 39
>> Crises de amanhã, soluções de ontem
>> Guerra de traficantes
>> Armas de fogo
>> Linchamento é pior do que impunidade
>> Bolha imobiliária e petróleo
>> Liberdade am

Por Mauro Malin em 28/06/2005 | comentários

Ouça aqui

Download

 

Crises de amanhã, soluções de ontem

 

Na reta final de seu governo truncado, o então presidente Fernando Collor pediu apoio ao PMDB. O ex-governador Orestes Quércia foi ao Palácio do Planalto mas recusou o que seria um ‘abraço da morte’. Nem Collor nem o PMDB saíram bem da história. Nas eleições de 1994 para presidente da República, Quércia teve votação humilhante, inferior à do conspícuo Dr. Enéas.

 

O maior alimento da suposta memória curta do povo brasileiro é a efetiva memória curta da imprensa do país. Leva-se tempo excessivo para enxergar que as soluções de ontem nunca servem para as crises de amanhã.

 

Guerra de traficantes

 

A atual ‘guerra’ de traficantes nas favelas da Rocinha e do Vidigal, no Rio de Janeiro, começou em abril de 2004. A mídia registra os confrontos entre bandidos, e entre polícia e bandidos, mas é incapaz de fazer um diagnóstico lúcido, que ajude a população a cobrar políticas de segurança pública eficazes.

 

Nada vai além do terreno da constatação. É como se fotografar o problema fosse uma maneira de enfrentá-lo. A duração do problema, que revela antes de mais nada a incompetência policial, é um atestado negativo para o trabalho da imprensa.

 

Armas de fogo

 

E não é só em relação ao Rio de Janeiro. A televisão mostrou ontem, e os jornais divulgam nesta terça-feira, 28 de junho, estudo da Unesco segundo o qual 550 mil pessoas foram mortas no Brasil com armas de fogo entre 1979 e 2003.

 

Os defensores do referendo popular sobre porte e venda de armas cobram do Congresso a votação em tempo hábil de projeto que torne possível a consulta ainda neste ano.

 

Linchamento é pior do que impunidade

 

O Alberto Dines antecipa a pauta do programa do Observatório da Imprensa que será transmitido hoje à noite pela televisão. Fala, Dines.

 

Dines:

 

– O ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos está nos jornais de hoje garantindo que não haverá nenhuma hecatombe. Ontem, o Estadão dizia que a Policia Federal iria deflagrar uma mega-operação contra os acusados de corrupção no âmbito do ‘mensalão’, Correios, IRB e agências de propaganda. O ministro agora garante que tudo será feito com competência, inteligência e calma.

 

Ainda bem. Pior do que a impunidade é o linchamento, a justiça sumária tem o mesmo efeito da injustiça. O que aconteceu com o Diretor Florestal do Ibama, Antonio Carlos Hümmel preso pela Opera Curupira é um exemplo dramático do denuncismo anti-denuncista. Na pressa de mostrar serviço no momento em que começava o bombardeio contra o governo, o Ministério Público e a Policia Federal prenderam um inocente. E a imprensa foi atrás. Mesmo inocentado, ficou o estigma. Entre a lentidão do judiciário e a sede de justiça a imprensa deveria funcionar como meio termo. É exatamente isso que vamos discutir hoje no Observatório da Imprensa pela televisão, às 22h30 pela TVE e pela TV-Cultura.

 

Bolha imobiliária e petróleo

 

A imprensa brasileira ainda não acordou para o perigo daquela que é considerada a maior bolha especulativa de todos os tempos: a bolha dos preços de compra e aluguel de imóveis em países ricos.

 

Quando estourar, ou mesmo ao se esvaziar em ritmo lento, a bolha imobiliária poderá provocar recessão nos Estados Unidos. O maior vilão nos Estados Unidos é o gigantesco déficit fiscal produzido pelo governo Bush.

 

A situação européia não é nada brilhante. A economia alemã está patinando.

 

A mais curto prazo, é preocupante a possibilidade de uma crise de energia em escala global.

 

Uma parada na economia mundial eliminaria do cenário o mais importante fator favorável à boa saúde da economia brasileira. Nesse caso, a famosa ‘governabilidade’ estaria ameaçada.

 

Liberdade em risco

 

Mau sinal para a liberdade de imprensa foi a rejeição pela Suprema Corte dos Estados Unidos, ontem, de um pedido de análise do caso de dois repórteres, do The New York Times e da revista Time, ameaçados de ser presos por se recusarem a revelar suas fontes.

Todos os comentários

  1. Comentou em 28/06/2005 Sérgio Baker

    O atual quadro político-partidário é resultado da forma de nossa elite agir, há cinco séculos, tanto política, como econômicamente; muito bem definida por Raymundo Faoro em seu ‘Os donos do poder’. Seria ingenuidade ou má fé, achar que, em dois anos e meio, se mudaria isso. O presidente Lula tem diante de si duas opções: ou trabalha com o quadro partidário que ai está, ou se isola e joga o seu governo no imobilísmo. A primeira opção não significa, necessáriamente, conformismo nem praticas políticas não recomendáveis. Esta dialética: atuar nas condições dadas ao mesmo tempo que se tenta transformá-las é o grande desafio que está posto para o pres. Lula. Nem o governo, nem a oposição estam fazendo política na Lua. A crítica violenta – que a imprensa faz ao gov. Lula nesse tocante – tem como objetivo indisfarçável isolá-lo, imobilizá-lo e enfraquecê-lo para 2006.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem