Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

Programa nº 652

>>Renan volta ao palco
>>Os números da imprensa

Por Luciano Martins Costa em 14/11/2007 | comentários

Ouça aqui

Download

Renan volta ao palco

O senador Renan Calheiros volta ao noticiário, depois de quase um mês na sombra.

O Conselho de Ética do Senado julga hoje um pacote de três processos contra ele, e os observadores apostam que pelo menos uma das acusações será aceita.

Tanto que já foi marcada a data, dia 22 deste mês, para ele ser julgado no plenário.

Mas Renan tem grandes chances de ser absolvido.

Longe do noticiário, ele trabalhou nos bastidores, evitou atrapalhar as negociações para a prorrogação da CPMF e juntou argumentos a seu favor.

Hoje, até mesmo representantes da oposição aparecem nos jornais prevendo que ele vai conservar o mandato.


Para a opinião pública sedenta de sangue, resta a frustração.

Dos três principais diários brasileiros, apenas o Estado de S.Paulo dá destaque hoje ao caso Renan Calheiros.

A Folha e o Globo dedicam pouco espaço para o tema, mostrando que o interesse pelos desvios do presidente do Senado ficou em segundo plano.

Comparado ao barulho que foi feito há alguns meses, quando se amontoavam as acusações contra Renan, fica difícil para o leitor entender o atual desinteresse dos jornais.

Se Renan sair ileso da enxurrada de acusações, o leitor terá dificuldades para compreender como foi levado a condenar o senador antes do julgamento.

Mas a questão é: se Renan for absolvido, a Justiça estará sendo feita?

A imprensa não tem o costume de explicar suas contradições, mas o leitor tem o direito de se perguntar: será que fui enganado?

Os números da imprensa

A maioria dos grandes jornais comemora bons resultados econômicos, com fartura de anúncios, principalmente às quintas-feiras e domingos.

Mas as estatísticas mostram que, no longo prazo, a imprensa escrita vem perdendo leitores.


Hoje substituindo o comentarista Alberto Dines, o jornalista Luiz Egypto trata do assunto.

Luiz Egypto:

– No domingo passado (11/11), a Folha de S.Paulo publicou matéria sobre a pesquisa ‘Perfil do Leitor 2007’, um levantamento realizado entre abril e junho com intuito de afinar  as percepções da empresa editora do jornal sobre seu público leitor. Ações semelhantes foram produzidas em 1997 e 2000. Agora, quatro meses depois de pronta a pesquisa deste ano, a Folha a divulga em tom de discreta comemoração. ‘Jornal se mantém há 21 anos como o de maior circulação no Brasil’,  trombeteia o título principal.

O texto também informa  que a circulação média da Folha foi de 307 mil exemplares diários em setembro – 7% maior que a do Globo e 26% superior à do Estadão. A notar que em 1997 e 2000 essas médias diárias eram, pela ordem, de 530 mil e 441 mil exemplares. Já os números gerais de circulação exibidos no site da Associação Nacional de Jornais (http://www.anj.org.br/?q=node/170) mostram que de 97 a 2000 houve aumento; de 2001 a 2003, queda. A partir daquele ano, novo incremento nas vendas, batendo na taxa de 6,5% de crescimento em 2006 em relação ao ano anterior. A Folha e seus concorrentes não acompanharam esse movimento: todos os principais diários brasileiros contabilizaram perdas de circulação nesse período.

A lição que sobra é que os chamados ‘jornais de qualidade’ brasileiros ainda precisam recuperar muito terreno para se consolidarem como indispensáveis em meio à atual super-oferta de informação. Investir nas Redações sempre será um bom caminho. A propósito, a Folha informa que ‘91% dos leitores são assinantes, e 9% compram o jornal em banca’.

Para conseguir isso, um bom Departamento Comercial é capaz de mover montanhas. Mas o Comercial não escreve reportagens.

Todos os comentários

  1. Comentou em 14/11/2007 Marco Antônio Leite

    Particularmente não carrego nenhuma frustração com o caso Renan Calheiros. Em se tratando de Senado Federal, o que podemos esperar, simplesmente há absolvição do bonitão de Alagoas. Como diria um finado parlamentar, é dando que se recebe. Portanto, nenhuma novidade no palco ou no picadeiro do circo mambembe que tem como atrativo maior a falta de ética e moral de seus artistas, artistas da nobre arte de prometer e não cumprir. Ademais, esse indivíduo já ajudou os empresários das comunicações a venderem muitos jornais, revistas e notícias via Rádio, Internet e TV. O povo já esta usando protetor auricular para não correr o risco de ter uma lesão auditiva com esse desnecessário barulho produzido pelo senador em questão.

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem