Quinta-feira, 18 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

Programa nº

>>Sobre a natureza humana
>>Para refrescar a memória

Por Luciano Martins Costa em 17/12/2008 | comentários

Ouça aqui

Download

Sobre a natureza humana

Os outros jornais apenas noticiaram o flagrante de supostos voluntários roubando donativos enviados aos flagelados de Santa Catarina.

Mas o Globo resolveu propor aos seus leitores uma reflexão sobre o episódio.

Esse é o tema que ocupa quase metade da primeira página, formando a manchete do jornal carioca: ‘Que país é este, onde se rouba flagelado?’

As imagens de militares e civis carregando roupas e calçados que deveriam selecionar para serem entregues às famílias atingidas pelas enchentes causaram indignação por todo o País, mas apenas o Globo resolveu propor uma reflexão sobre o fato.

É verdade que há lugares-comuns nas opiniões selecionadas, mas o jornal cumpre seu papel de não passar simplesmente pelos acontecimentos.

Entre os entrevistados há aqueles que sempre acham que o exemplo dos políticos e outros agentes públicos define o comportamento da sociedade, mas também há boas reflexões que podem ajudar o leitor a pensar sobre seu próprio comportamento.

Afinal, observa o jornal, é nas tragédias que se conhece o melhor e o pior do ser humano.

Mas o Globo não apenas analisa o comportamento criminoso dos ladrões de donativos.

Também está publicada na edição de hoje do jornal carioca e do Estado de S.Paulo a história do agricultor Daniel Manoel da Silva e sua família, que devolveram vinte mil reais encontrados na manga de um casaco recebido como doação.

Há outros casos de desvio, como o que aconteceu em São Paulo, onde quatro agentes da Defesa Civil furtaram alimentos que deveriam ser enviados a Santa Catarina, mas nem tudo é mau comportamento.

A decisão do Globo, de propor um momento de reflexão sobre a atitude criminosa que se destaca em meio ao movimento de solidariedade, cumpre uma das missões da imprensa – a de não apenas noticiar os acontecimentos, mas também estimular o público a refletir sobre eles.

Como diz um dos entrevistados, se apenas se noticia a perversão de alguns, pode-se estar desestimulando o espírito solidário, que é o melhor de todos.

Para refrescar a memória

A série de reportagens e artigos publicados nos últimos dias em referência aos quarenta anos do Ato Institucional número 5 passou ao largo de alguns episódios importantes.

Luiz Egypto, editor do Observatório da Imprensa:

– Na recente rememoração dos quarenta anos do Ato Institucional nº 5 (AI-5), completados no sábado passado, dois pontos merecem ser destacados. Um deles é a reação dos jornais à truculência da ditadura militar, que depois do AI-5 deixou rolarem soltos os seus mais ferozes instintos. Muitos jornais – e revistas – enfrentaram a barra-pesada e a censura prévia com galhardia, tentando informar seus leitores nas entrelinhas ou por meio de soluções editoriais cifradas; outros, porém, entregaram-se placidamente aos confortos da autocensura, como forma de garantir a sobrevivência sem melindrar os poderosos de plantão.

O segundo ponto a destacar é o comportamento que à época teve o Correio da Manhã, diário fundado em 1901, no Rio de Janeiro, e que se tornou um dos mais influentes do país. O jornal havia apoiado o golpe de 1964, mas logo depois passou a fazer oposição ao novo regime. Como lembra o jornalista Fuad Atala, em artigo na edição online deste Observatório, menos de uma semana antes do AI-5 o jornal havia sofrido um atentado a bomba. O Correio noticiou o fato, responsabilizando pelo crime o então presidente da República, general Artur da Costa e Silva.

O Correio da Manhã recusou compactuar com a autocensura e, por isso, foi especialmente visado pelos censores. A ditadura influiu para que os bancos lhe cortassem o crédito e para que os anunciantes abandonassem o jornal. Em março de 1969, o Correio entrou em concordata. Foi arrendado por um grupo de empreiteiros e fechou em definitivo as portas em julho de 1974.

Esses tempos que não deixaram saudade, mas precisam ser bem conhecidos, sobretudo por quem não os viveu.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem