Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

Programa nº 1552

>>Tráfico de informação
>>O perigo dos jargões

Por Luciano Martins Costa em 20/05/2011 | comentários

NOTAS

NOBLAT, Ricardo. A Arte de Fazer um Jornal Diário. 2ª ed.-São Paulo: Contexto, 2002.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a Televisão. Tradução Maria Lúcia Machado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,1997.

FILHO, Ciro Marcondes. Comunicação e Jornalismo. A Saga dos Cães Perdidos.2ª ed.-São Paulo: Hacker Editores,2002

HABERMAS, Jurgen. Strukturwandel der Offentlichkeit. Unterssuchung zu einer Kategorie der burgerlichen Offentlichkeit. 1965,s.d.

Ouça aqui

Download

Tráfico de informação


O ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, não sai das manchetes nesta sexta-feira, dia 20.


Mas há uma diferença no noticiário em relação aos dias anteriores: aparentemente, a informação de que sua empresa de consultoria prestou serviços muito bem remunerados a vinte clientes, foi fornecida pelo próprio ministro.


Pelos serviços prestados a esses vinte clientes, a empresa do ministro faturou R$ 20 milhões em 2010, ano eleitoral, o que lhe teria permitido multiplicar por vinte o patrimônio pessoal.


Afora a curiosa repetição do número 20, o noticiário traz também uma novidade: não se percebe aquela avalanche de declarações de políticos oposicionistas, como aconteceu em denúncias anteriores contra integrantes do governo.


Outra diferença em relação a outras histórias: a imprensa tenta, mas não muito, descobrir os nomes das empresas que teriam sido responsáveis pelo fabuloso sucesso empresarial de Antonio Palocci.


Normalmente, o noticiário ataca os personagens do setor público envolvidos em casos suspeitos mas não demonstra esforços para expor as empresas privadas envolvidas.


No caso do ministro da Casa Civil, o processo de blindagem realizado pelo governo é facilitado pelo desinteresse da oposição em alimentar o fogo.


Provavelmente, o noticiário teria amainado nesta sexta-feira se o próprio ministro não o tivesse alimentado com as informações que forneceu ao preparar um relatório a ser enviado à Procuradoria Geral da República.


Quase tudo que os jornais publicam tem essa origem.


Mas o “vazamento” de uma informação desse tipo só ocorre quando interessa a quem detém essa informação.


Palocci contratou uma grande empresa de relações públicas e assessoria de imprensa para administrar a crise.


Em casos como esse, normalmente os consultores recomendam oferecer alguma informação inofensiva para distrair a imprensa, enquanto se procura isolar os fatos eventualmente negativos.


Até mesmo a declaração de que “ex-ministros têm grande valor no mercado” deve ter sido parte dessa estratégia. A frase é uma tradução politicamente correta de “tráfico de influência”.


Agências de comunicação conseguem controlar rapidamente crises desse tipo porque sabe-se que a imprensa tem atualmente uma capacidade de investigação muito reduzida.


E sabe-se também que, assim como a oposição, a imprensa não quer discutir certos assuntos, como o que movimenta o noticiário em torno do ministro, porque também vive de traficar influência.


O perigo dos jargões


Alberto Dines:


– Escrever bem é pensar bem. Quem tirou este ditado do esquecimento foi, aparentemente, o grande jornalista e exímio prosador mineiro, Otto Lara Resende. Erro de concordância além de doer nos ouvidos, atravanca o pensamento, trava a comunicação. Cria ruídos, comunica erradamente.


É bem-vinda e salutar esta polêmica sobre a correção da linguagem motivada pelo livro do Ministério da Educação que sugere uma indulgência com os erros de gramática. Este contencioso é um dos melhores serviços que a imprensa pode prestar à sociedade.


Mas se a imprensa está efetivamente empenhada em levar adiante a pendência, conviria que examinasse o seu próprio desempenho como ferramenta para a divulgação das normas cultas.


Não podemos deixar de reconhecer que a mídia impressa escreve mal, nosso rádio e nossa TV expressam-se pior ainda. São muitas as exceções, mas também muitas são as comprovações da regra. Nossos blogs repousam nos impropérios e o twitter – como sentenciou José Saramago – está próximo dos grunhidos.


Acontece que estes grunhidos muito em breve poderão constituir um jargão. Este é o perigo porque o jargão é uma “linguagem viciada, disparatada” segundo o dicionarista Antonio Houaiss. O jargão, na verdade, é uma sub-língua que pode até ser reabilitada e requalificada, mas isso leva séculos. A reversão só acontecerá quando este jargão for capaz de produzir uma literatura e expressar idéias abstratas. Cabe à mídia, tanto impressa como falada, evitar que o idioma se transforme em jargão, ela – e não o governo – será a sua primeira vítima.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 2625 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem