Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

REDE GLOBO > Credibilidade em queda

O que a crise do ‘Jornal Nacional’ fala sobre nós?

Por Maura Oliveira Martins em 25/08/2015 na edição 865

Os registros feitos nos últimos meses sobre a queda drástica da audiência do Jornal Nacional têm estimulado nas redes sociais hipóteses diversas sobre a celebrada queda deste que é nada menos que o telejornal mais assistido no país há pelo menos 40 anos. A crise das novelas, a concorrência com a Record, a disputa com os serviços on demand, como o Netflix, a ascensão dos canais concorrentes: todos estão entre os fatores listados pelos críticos para explicar esta crise.

Chama-me a atenção em algumas análises a ênfase dada a uma hipótese menos verificável e mais interessante: a de que os índices decrescentes da gigante Globo revelam, de fato, uma crise na confiabilidade quase inabalável mantida historicamente pela emissora com a maior parte da população. Quase como a realização de um sonho utópico saído de Muito além do Jardim Botânico, o documentário “maldito” da BBC que denunciava (com certa imprecisão reconhecida posteriormente) as distorções feitas pela Globo durante vários episódios da história brasileira.

Esta visão se sustenta numa constatação – algo deslumbrada, embora bastante pertinente – de que a quantidade de veículos de comunicação que nos cerca tem nos tornado experts em mídia, e que estamos mais propensos a responder criticamente àquilo que consumimos. Este tipo de posicionamento se expressou, por exemplo, no artigo do jornalista Luiz Carlos Azenha na revista Fórum (leia aqui). Ele mesmo um ex-profissional da emissora, Azenha desconfia que o que era apenas “coisa de acadêmico” se tornou voz corrente dos brasileiros: a Globo faz política, tem visões nitidamente ideológicas que contaminam seus produtos e agora tudo isso estaria sob domínio público da nação. Graças, acredita ele, ao “advento das redes sociais”, que desenvolveu uma massa crítica de telespectadores capazes de identificar todos estes problemas.

Acredito que haja sintomas visíveis para assegurar, sim, um amadurecimento nosso, o público, que agora somos consumidores de mídia mais preparados. São mais canais de crítica circulando, mais debate público, mesmo em redes sociais, mais olhares variados e, consequentemente, mais desconfiança. São mais vozes que se levantam a partir do próprio público e agora buscam legitimidade. Afinal, hoje todos temos alguma ferramenta de comunicação em mãos e parecemos francamente dispostos a publicar nossas versões sobre os fatos neste vasto mundo da internet.

Grande mídia ainda fala, mas cada vez mais ouve

Os mais observadores talvez já constatem mudanças no jornalismo, televisivo ou não: visto que agora todos produzem algum tipo de informação, os telejornais precisam correr para se adaptar e a concorrer com as versões dos fatos vindas do “mundo lá fora”, e por isso menos associadas a este “padrão Rede Globo” de falta de transparência. Ou por que você acha, caro leitor, que cada vez mais as emissoras têm utilizado materiais gerados pelos seus espectadores?

Por outro lado, é preciso manter a sobriedade para não superestimar esta formação da “massa crítica” ou, mais arriscado ainda, acreditar no discurso fantasioso de que um maior acesso à comunicação signifique, necessariamente, uma melhor qualidade naquilo que se fala. Afinal, o discurso da desconfiança também pode ser raso e virar a regra. Basta ver que as opiniões do ódio continuam assaltando o espaço do debate consistente – razão que levou ao jornalista Leonardo Sakamoto a fechar os comentários em seu blog (leia mais aqui) – e Veja continua disparada como a publicação jornalística mais lida do país.

Parafraseando o texto de Azenha: sim, os grandes veículos jornalísticos ainda falam, mas cada vez mais ouvem – porém, estejamos certos de que estão sempre bem propensos a adaptar o que escutam para os seus próprios interesses.

***

Maura Oliveira Martins é jornalista, professora universitária e editora do site A Escotilha

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem