Terça-feira, 23 de Maio de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº942

CONJUNTURA MUNDIAL > A nova guerra fria

A ofensiva midiática do Ocidente contra a Rússia

Por Frederico Füllgraf em 11/02/2017 na edição 933

Enquanto a imaginação do leitor se introduz no vasto território virtual indicado pelo título, nas primeiras semanas de 2017, aproximadamente 3.000 blindados e 4.000 soldados norte-americanos, transportados até Zagan, em terras polonesas, foram colocados em regime de prontidão junto às fronteiras da Polônia e dos países bálticos – Lituânia, Estônia e Letônia – com a Rússia, enquanto outra divisão se deslocou à Romênia, vizinha da Ucrânia.

Iniciada antes do Natal de 2016, com o descarregamento de aparatoso arsenal no porto alemão de Bremerhaven e seu translado para 900 trens, que somaram 10 quilômetros de extensão, nas palavras do brigadeiro Timothy Ray, chefe do comando militar norte-americano na Europa (Eucom), a operação “Atlantic Resolve” (“Determinação Atlântica”) tem por objetivo “repelir agressões russas, reafirmar a integridade territorial dos países da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte – NATO, no acrônimo inglês)”, e – paseme-se – “estabilizar a paz na Europa”.

Ao ler a declaração beligerante do militar norte-americano, a primeira indagação do leitor desavisado é: por acaso perdi essa notícia? Quê país europeu foi ameaçado, bombardeado ou invadido pelas tropas de Wladimir Wladimirowitsch Putin?

Resposta correta: nenhum. Eis, pois, um case da guerra midiática em curso, na qual fake news – pseudo-notícias – são disparadas como projéteis da contra-informação.

Destoando do discurso único da OTAN, em junho de 2016, o social-democrata Frank Walter Steinmeier – ministro de Relações Exteriores no governo Angela Merkel e negociador da paz ucraniana, decepcionado com as manobras de Kiev – antecipara-se à encenação da “Atlantic Resolve”, advertindo : “O menos recomendável neste momento é jogar gasolina na fogueira com a ostentação de armas e brados de guerra… A História ensina que, além da garantia da defesa recíproca, deve haver predisposição ao diálogo e à cooperação… Seria de muito bom alvitre não criar pretextos, com a entrega a domicílio de uma nova, antiga confrontação.”

Protestos anti-Rússia na Ucrânia. Foto Wikimedia / CC

Protestos anti-Rússia na Ucrânia. Foto Wikimedia / CC

As forças-tarefa midiáticas da União Europeia

Mal Steinmeier assim se pronunciara em entrevista ao tabloide marrom BILD, na qual não faltaram eufemismos para acusá-lo de “traidor”.  Entrara em cena a confraria dos “atlantistas” e da recém-constituída “Taskforce Stratcom East”. Os “atlantistas” integram o mais antigo lobby pró-americano na Alemanha, conhecido como “Atlantik-Brücke” – a “Ponte Atlântica”.

Fundada em 1952, como “sociedade privada, suprapartidária e beneficente”, seu objetivo é estender “pontes” financeiro-econômicas, educativas e de política militar entre a potência vencedora EUA e a Alemanha, perdedora da Segunda Guerra Mundial. No seu plantel de associados conta-se aproximadamente 500 nomes de alto coturno da elite civil e militar transatlântica. Com nova sede em Berlim, é do conhecimento público que a “Ponte Atlântica” opera como o mais influente think tank do planejamento das relações teuto-americanas. Ali bebericam, contam piadinhas e dão-se tapinhas nos ombros, executivos dos principais bancos, das corporações multinacionais, dos partidos políticos, dos grandes centros de pesquisa científica, lobistas e marqueteiros, ladeados em suas rodas pelos serviços de inteligência e uma notável falange de editores sênior das principais mídias alemãs. Uma pletora ideologicamente transversal, que vai da BILD, com seu sensacionalismo marrom, pela ultraconservadora Frankfurter Allgemeine, até a socialdemocrata-liberal Der Spiegel,

Putin wikimedia

Foto Wikimedia/ CC

Pois, desde que Wladimir Putin resolveu frear o desmonte da Economia russa por uma confraria de inescrupulosos operadores neoliberais, nacionais e internacionais, modernizar as sucateadas Forças Armadas do período soviético, e reconduzir a nova Rússia ao cenário mundial como global player, a metralhadora giratória da “Ponte Atlântica” escolheu a Rússia e seu mandatário como alvos prediletos. São 90 diretores e editores-chefe, 13 dos quais em posições de comando das duas maiores redes de Rádio e TV da Alemanha.

Consumado o Euromaidán – o golpe de Estado de fevereiro de 2014, com mais de 100 mortos na Ucrânia – em agosto de 2014 a rede ARD, de rádio e TV, realizou uma pesquisa indutiva, perguntando, quem fora o responsável pela escalada da violência em Kiev. Segundo a pesquisa, 80% dos alemães apontaram a Rússia e 70% saudaram as sanções contra o governo Putin – uma guinada de 180 graus na simpatia pró-Rússia em menos de cinco meses. Já oito meses depois, em abril de 2015, em nova pesquisa, desta vez da rede concorrente, ZDF, 55% dos consultados criticaram a exclusão da Rússia das reuniões do G-7 + 1 (EUA, Alemanha, Japão, Itália, Grã-Bretanha, França e Canadá + Rússia).

Porém, à medida que a cobertura das disputas geopolíticas com a Rússia se deslocaram da Europa para o campo de batalha na Síria – sobretudo após a série de atentados terroristas na França e na Alemanha – e a percepção de que os êxitos no combate ao terrorismo salafista não eram mérito de Barack Obama, mas de Wladimir Putin, a rejeição à Rússia e seu presidente voltou a recuar.

Com êxito sofrível, no final de 2016, a “ponte” instalada nos principais veículos de comunicação recebeu reforços da “Força Tarefa Rússia”, criada pela União Europeia (UE) para contrarrestar o que definiu como “propaganda” e “mentiras” na cobertura de veículos russos, em particular sobre a crise na Ucrânia.

Alarmada com altos índices de rating da mídia russa nos países do Báltico, nos quais até 25% dos habitantes entendem e falam o Russo, cabe à nova força-tarefa observar e filtrar a mídia russa, com a especial missão de “impor valores da UE”, mediante a produção de conteúdo para TV, por enquanto em Alemão, Espanhol e Inglês.

Um milênio de russofobia

A confrontação referida por Steinmeier remonta à primeira guerra-fria, iniciada logo após a vitória aliada sobre a Alemanha, em 1945, mas a rachadura na porcelana é muito mais antiga e profunda. Analistas russos como Dmitri Michejew definem-na como o discurso da superioridade anglo-saxônica, que já beirou o racismo.

Russos brutos, subdesenvolvidos, de segunda categoría – bárbaros!”, são juízos de valor emitidos no clássico francês “La Russie en 1839“ (traduzido para vários idiomas com o entrevado título “Sombras da Rússia”), de autoria de Astolphe-Louis-Léonor (nome-de-guerre: Marquês de Custine), aristocrata e viajante francês, eivado de preconceitos e prepotência, que vinte e seis anos após a desastrosa “Campanha da Rússia” de 1812-13, de seu conterrâneo Napoleão Bonaparte, não resistiu à curiosidade, resolvendo conhecer de perto os vencedores da grande armée. É verdade que o gélido inverno foi o grande marechal-de-campo russo, mas aguardá-lo para investir contra os franceses, foi astúcia habilmente maquinada pelas mentes “bárbaras”.

Após sua publicação, em 1843, o livro tornou-se um must read da intelectualidade ocidental, deleitada com pérolas como “eles [os russos] desconhecem o gênio da criação, nem o entusiasmo que tudo cria o que é grandioso. Jamais conseguirão galgar as cúspides da genialidade”.

Ao longo de 150 anos, o livro sofreu muitas reedições sutilmente sincronizadas com importantes eventos políticos envolvendo a Rússia, como o início da guerra-fria ou a perestroika de Michail Gobatschow. A mais recente foi em 2014, no auge da campanha de ódio à Rússia, desencadeada pela extrema-direita da Ucrânia.

Ucrania protestos Munique wikimedia

Protestos anti-Rússia em Munique, Alemanha / Foto Wikimedia

Entre os ardentes reverenciadores de Custine, como “expert em assuntos russos”, figura Zbigniew Brzezinski, ex-assessor de segurança nacional do presidente Jimmy Carter, autor de “The Grand Chessboard: American Primacy and Its Geostrategic Imperatives – O Grande Tabuleiro de Xadrez: Primazia Americana e os seus Imperativos Geoestratégicos” (1993) – e estrategista da doutrina “Encircling Russia, Targeting China – cercar a Rússia e mirar na China,”, desenvolvida como reação à implosão da URSS e do sistema bipolar de poder mundial, e que reivindica a ascensão dos EUA ao postp de “primeira, efetivamente única e última potência mundial” (sic!).

Brzezinski chegou a recomendar o livro, emitindo duvidoso juízo de valor: “Nem um único sovietólogo conseguiu acrescentar qualquer coisa às observações de Custine sobre o caráter russo e a natureza bizantina de seu sistema político”.

Quem não sabe do centenário ódio visceral da maioria dos poloneses aos russos em geral, tomará a frase de Brzezinski pelo valor de face. Nascido em Varsóvia, em 1928, como filho de um diplomata polonês nomeado para um posto no Canadá, em 1938, Brzezinski assistiu à Segunda Guerra, por assim dizer, de binóculos, mas com as lentes do nacionalismo polaco (profundamente humilhado com a divisão da Polônia por Hitler e Stalin) e do anticomunismo norte-americano. Em 1953 emigrou aos EUA, cuja cidadania adotou em 1958, seguida por meteórica carreira acadêmica em Harvard e como assistente do extinto Russian Research Center.

Em sentido oposto, em seu livro recentemente lançado, “Feindbild Russland: Geschichte einer Dämonisierung (Rússia bicho-papão: História de uma demonização), o historiador austríaco Hannes Hofbauer seguiu as pistas do preconceito anti-russo até o séc. XVI, ressaltando que “a primeria onda de russofobia foi desencadeada na Universidade de Cracóvia, atual Polônia, pelo filósofo Johannes von Glogau, criador do estigma do ´russo asiático e bárbaro´”; estereótipo que teimosamente persistiu até os dias atuais.

Alexandr Zinoviev, escritor e filósofo russo, que se auto-exilou na Alemanha durante as eras Kruchev, Brejnev e Gorbachov, sentiu na própria pele o preconceito ocidental: “No Ocidente sempre se temeu a etnia russa. E não por motivos militares ou de competição econômica e, sim, por causa do medo, de que os russos eram e continuam sendo adversários do Ocidente. A isso somou-se seu o temor do imenso potencial criativo russo. Do que mais tinham medo era de que a cultura russa alcançasse o Ocidente. Falo por experiência própria. Não fosse russo e as portas de todas as universidades estariam abertas para mim, todas as editoras ofereceriam publicar meus livros. No começo, tive sorte, e por acaso me tornei relativamente famoso. Porque achavam que eu era dissidente, mas quando descobriram que eu era russo e não era dissidente, subitamente começaram a me temer…”.

Guy Mettan, cientista político suíço e membro da Câmara de Comércio Russo-Suíça, fez penetração mais profunda no túnel do tempo. Em seu livro Russie-Occident, une guerre de mille ans: La russophobieeditado na Suíça, Rússia e Itália, com previsão de lançamento em 2017, nos EUA – Mettan insiste que “a russofobia se inicia com divergências políticas e institucionais entre o Império Romano do Ocidente, fundado por Carlos Magno em 800 d.C., e o Império Bizantino de Constantinopla, quer dizer entre as Igrejas Católica e Ortodoxa”.

No livro, Mettan voltou a tematizar uma célebre fake news francesa, que serviu de pretexto para a invasão da Rússia por Napoleão. Trata-se do falso “Testamento de Pedro, o Grande”, urdido pelo gabinete secreto de Luís XV, no qual o czar, como último desejo, teria legado a seus sucessores a missão de conquistar toda a Europa. Segundo o suíço, o documento foi usado em 1853 pelos ingleses, para provar as intenções imperialistas da Rússia na Guerra da Crimeia (1853-1856), que cobrou 700.000 vítimas. Algumas décadas mais tarde, foi admitida a falsidade do testamento, mas ao preço de prolongado surto de russofobia na França e na Inglaterra.

O vendaval Rússia Today

Quebrar a hegemonia do discurso anglosaxão” foi a frase que alguns comentaristas ocidentais colocaram na boca de Wladimir Putin, que em 2005 resolveu colocar no ar um canal de TV internacional para contrabalançar a coletânea de estigmas anti-russos.

Seis anos depois, em março de 2011, a então secretária de Estado, Hillary Clinton, fazia uma surpreendente advertência ao comitê de Prioridades de Política Exterior do governo Barack Obama, dizendo: ”os EUA estão perdendo uma guerra da informação”.

Foi a primeira vez que uma “guerra da informação” era admitida pelos EUA, referindo-se, sobretudo, aos canais estatais Russia Today e Al Jazeera (“A Península”) do Qatar.

Incisiva, Clinton cobrou mais investimentos em propaganda para contrarrestar a penetração dos canais russo e qatari através de plataformas domésticas que há vários anos desafiam os grandes grupos midiáticos norte-americanos, tais como Alex Jones Infowars, Max Keiser, Paul Craig Roberts e The Young Turks.

Que na tal “guerra da informação”, de uma hora para outra, bombas podem substituir eufemismos, ilustra o ódio pessoal de George W. Bush contra o cobertura independente da invasão do Iraque.pelo canal Al Jazeera, pertencente ao seu aliado Qatar.

Em abril de 2003, a aviação dos EUA bombardeou o escritório do canal em Bagdá, matando três jornalistas e ferindo gravemente vários outros. Um crime de guerra escancarado, ao qual os EUA cinicamente deram de ombros. Um ano mais tarde, segundo documentação do Mirror britânico (“EXCLUSIVE: BUSH PLOT TO BOMB HIS ARAB ALLY- Madness of war memo, 22.11.2005), Bush Jr. estava decidido a bombardear a sede mundial do Al Jazeera, em Doha. O ataque demencial foi impedido graças à persuasão de Tony Blair, durante uma reunião ocorrida em 2004.

No Iraque, perplexa como o resto do mundo, a Rússia assistira a uma das mais pérfidas mentiras históricas como pretexto para a invasão do país árabe e o assassinato de seu presidente: as tais “armas de extermínio em massa”, que Sadam Hussein jamais possuíra. A tonitruante e avassaladora campanha orquestrada pelas mídias mainstream ocidentais, ao adotarem a mentira do Pentágono e seus aliados, convenceu a Rússia, mal restabelecida do ataque predador à sua Economia que, alternando com morteiros e mísseis, o Ocidente travava também uma guerra das palavras e das imagens.

Tendo como embrião a agência de noticias RIA Novosti, em dezembro de 2005, na primeira gestão presidencial de Wladimir Putin, a Rússia decide transmitir – via satélite e para recepção à cabo – seu primeiro serviço em inglês, a TV-Novosti, definida como empresa autônoma sem finalidade de lucro, veiculadora do conceito Russia Today, mais conhecida pelo acrônimo RT.

A expansão foi passo a passo. Em 2007, foi ao ar seu programa em árabe, Rusia Al-Yaum. Em 2009, lançou RT Actualidad, seu serviço em espanhol. Após a inauguração em Washington dos estúdios de RT America, em 2010, quatro anos mais tarde passaram a operar os serviços de RT Deutsch, em Berlim, e RT UK, em Londres. Em 2014, penúltimo ano do governo de Cristina Kirchner, a presidente argentina inaugurava em festiva teleconferência com Wladimir Putin, o sinal do RT na grade de programação da TV estatal da Argentina, onde, apesar de uma primeira tentativa de exclusão, persiste sob o governo Mauricio Macri.

O serviço alemão, RT Deutsch, revela estratégia perspicaz: em vez de vultosos investimentos em estúdios e transporte de dados via cabo, a RT resolveu apostar na Internet. Russia Today é o campeão de acessos no You Tube, conseguindo a proeza, em 2013, de um 1,0 bilhão de visitas. Recorde estrondosamente superado em 2016, com 4,0 bilhões de visitas, segundo estatística da própria RT, somando, de modo combinado, mais do que o dobro dos acessos ao canal You Tube da concorrente CNN, ao triplo da Euronews e sete vezes ao da BBC.

Três anos depois, quem ecoou a chamada de Clinton foi a BBC. Peter Horrocks, antigo diretor do BBC World Service, desabafou: a emissora estaria sendo “tirada do páreo pelos orçamentos dos canais estatais da Rússia e da China”. E outra vez fez-se ouvir a frase “estamos perdendo a guerra da informação”. Ato contínuo, em 2015 a BBC World Service anunciou o maior aumento orçamentário desde a década de 1940: 721 milhões de dólares, contra aproximadamente 300 milhões de dólares anuais da RT, que cobrem despesas com instalações e salários de 2.500 funcionários e free-lancers distribuídos mundo afora.

O contraponto russo

Comentando o êxito do RT, Hillary Clinton advertia: “Você pode não concordar com o que transmite, mas você tem a sensação de estar recebendo notícias reais 24 horas ao dia, ao invés da enxurrada de milhões de comerciais e brigas entre cabeças falantes e essas coisas que se vê em nossos noticiários, que não são particularmente informativos”.

Clinton sabia que a audiência da mídia doméstica diminuía e, inversamente, aumentava a cobertura crítica à atuação internacional da autodeclarada superpotência. Desde sua entrada em cena, em 2010, a sintonia do RT nas maiores cidades norte-americanas – de San Francisco por Chicago a Washington e Nova York – supera a de suas concorrentes internacionais. Por exemplo, para cada espectador do canal alemão Deutsche Welle World, há 13 sintonizados no canal russo. Na Grã-Bretanha, 2,0 milhões de espectadores estão habitualmente ligados no RT, número jamais alcançado por outros canais internacionais no país.

Escolhida pessoalmente por Putin, foi Margarita Simonyan – descendente de refugiados do genocídio armênio, perpetrado pela Turquia entre 1915 e 1923 – quem moldou a grade de programação do canal. Com a missão de jamais permitir a repetição da derrota sofrida pela Rússia à mentirosa narrativa da mídia ocidental sobre a guerra com a Geórgia, em 2008, Simonyan entendeu que o RT deveria ser formatado como tela para capturar corações e mentes, insatisfeitos com os monopólios midiáticos ocidentais, mas abrindo espaço para alguns de seus rostos celebrizados. Por exemplo, contratando ou associando-se a profissionais americanos de renome, como o showmaster Larry King, cujos programas “Larry King Now” e “Politicking with Larry King” – produzidos por sua produtora Ora TV, em sociedade com Carlos Slim, dono da Claro e dos três homens mais ricos do planeta – o RT retransmite em sua grade inglesa.

Ucrania rebelde anti russia flickr

Membro da resistência ucraniana / Foto Wikimedia

O antiamericanismo da emissora não é avant la lettre, mas construído com bem humoradas provocações e ironias, farta publicidade de moderno armamento russo, além de historietas com sex appeal e “causos” esotéricos de gosto duvidoso, sobretudo no serviço online de RT Español. Sua contribuição ao jornalismo sério é discutível, mas compreensível como tentativa de ampliar a audiência, o que o RT conseguiu com folga, sintonizado em 38 países, com público semanal estimado em 700 milhões, segundo dados da própria emissora.

Putin e o cerco militar da Rússia

Herdeira da hostilidade histórica contra a Rússia, a beligerância midiática da OTAN é uma espiral iniciada nos primeiros anos do novo milênio e se intensifica com a “primavera árabe” e o conflito na Ucrânia.

Sua adversidade dirige-se contra os seguintes movimentos da Federação Russa:

Reafirmação do Projeto Nacional russo, com a neutralização das forças neoliberais na Economia, fortalecimento do Estado, modernização das Forças Armadas e ofensiva diplomática em escala global;

Rejeição da intervenção na Líbia, em 2011, e denúncia da “primavera árabe”;

Ofensiva contra o fascismo na Ucrânia e apoio militar ao movimento secessionista no Donbass;

Reincorporação da Crimeia;

Criação dos BRICS – China entrando com seus bancos, a Rússia com a estratégia;

Bloqueio do plano internacional em fatiar a Síria, entrada na guerra, combate duro ao terrorismo e reversão do xadrez militar.

Todavia, do ponto de vista russo, muito antes desses eventos, a OTAN traiu sua palavra.

Em um memorando de de fevereiro de 1990, mantido em segredo até 2009, o recentemente falecido e então chanceler da Alemanha, Hans-Dietrich Genscher, disse textualmente ao seu colega soviético, Eduard Schewardnase, “tenhamos consciência de que a filiação de uma Alemanha unificada à OTAN levanta questões complicadas. Apesar disso, para nós [Alemanha] uma coisa é certa: a OTAN não se expandirá em sentido leste”.

Confirmando a promessa de Genscher, em 9 de fevereiro de 1990, o então chanceler dos EUA, James Baker, deleitou os ouvidos russos na Sala Catarina do Kremlin, dizendo, “a aliança [OTAN] não expandirá nem uma polegada da sua esfera de influência em sentido leste, caso os soviéticos apoiem a filiação de uma Alemanha unificada na OTAN” .

Michail Gorbatschow, que aceitara a queda do Muro de Berlim e a unificação da Alemanha, respondeu, taxativo: “Toda expansão da OTAN certamente seria inaceitável”

Os russos acreditaram em Genscher e Baker, mas as promessas jamais foram vertidas em contrato, e no decorrer dos últimos vinte anos se fizeram palavras ao vento.

Eis por que.

Já na cúpula da OTAN de 1997, em Madrí, países do ex-Pacto de Varsóvia, como a Polônia, a República Checa e a Hungria, eram convidadas para aderir à OTAN, o que fizeram em março de 1999.

Cimco anos depois, em março de 2004, sete ex-membros do Pacto de Varsóvia – Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Eslováquia e Eslovênia – aderiam à OTAN, deslocando enorme contingente militar para as fronteiras russas.

Em abril de 2008, seduzidas pelos EUA e a União Europeia, Albânia e Croácia aderiam à OTAN, seguidas pela Macedônia e Montenegro, ex-integrantes da Iugoslávia, destruída pela OTAN em meados da decada de 1990.

Para não deixar espaços em branco no mapa geopolítico e completar o cerco europeu à Rússia, em 2008, a Bósnia e a Hercegovina iniciaram a negociação de sua adesão, que se completou em 2010, com exigências de “democratização” por parte da OTAN.

Declarando sua neutralidade militar, a Sérvia foi coagida a assinar um protocolo de “parceria” com a OTAN, mediante ativa participação em operações internacionais; pressão igualmente usada para acelerar a adesão do Cosovo.

O cerco apenas se deteve diante da Geórgia, perdedora da guerra de 2008 da Ossétia, mas desde 2014 insiste em provocar a Rússia com manobras militares nas a Ucrânia e a Moldávia, sem falar dos assédios às ex-repúblicas da URSS na Ásia Central, assentadas sobre notáveis reservas de petróleo e gás, e localizadas sobre o arco geo-estratégico do poderio russo e chinês.

A decepção e a mágoa russas não eram para menos. Consumada a traição, daí a guerra da informação em curso.

***

Frederico Fülgraf é jornalista e correspondente no Chile

 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem