Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

TV EM QUESTãO > ARGENTINA

Governo cria novo medidor de audiência

Por Felipe Gutierrez em 08/07/2014 na edição 806
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 3/7/2014; título original “Cristina cria novo medidor de audiência”, intertítulo do OI

Em guerra com a mídia privada, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, decidiu investir na criação de um sistema estatal de medição da audiência da TV.

O novo índice será feito por uma rede de 11 universidades, o Sifema (Sistema Federal de Medição de Audiência). Os dados devem começar a ser publicados em 90 dias.

A presidente afirmou que o que está em jogo é a publicidade. “No ano passado, as empresas privadas gastaram 31 bilhões de pesos (valor próximo a R$ 8 bilhões) que foram parar com os grandes meios concentrados”, disse.

Hoje, só a empresa de origem brasileira Ibope mede a audiência das TVs. O líder é o Telefe, do grupo Telefônica. Em segundo, está o Canal Artear, do Grupo Clarín. Em terceiro está a TV Pública, que é estatal.

Marcelo Escolar, da Universidade de San Martin, está à frente do Sifema e afirma que o sistema dele irá contemplar o país inteiro (o Ibope mede só a audiência na Grande Buenos Aires).

Isso animou Facundo Agrelo, coordenador de conteúdo do canal infantil de TV paga Paka Paka, vinculado ao Ministério da Educação (ver texto ao lado).

Ele diz que o que interessa é a medição “em todo o país, onde a única empresa que mede o rating’ não chega”.

Afirma ainda que o Ibope está sendo “ideologicamente questionado”, pois é uma empresa e busca lucro.

Antecedentes de manipulação

Mas não é só a publicidade das empresas privadas que é debatida: no ano passado, o governo gastou 1,39 bilhão de pesos (cerca de R$ 376 milhões) em anúncios, segundo a Fundação LED (Liberdade de Expressão e Democracia).

Em fevereiro, o governo perdeu uma disputa na Suprema Corte para o Artear, que reclamou da falta de verba publicitária oficial –de 2012 até este ano, o governo não comprou inserções no canal, exceto quando obrigado.

Para os opositores, o Sifema é uma tentativa do governo de seguir sem comprar publicidade nos meios com os quais tem desentendimentos.

“O governo não está disposto a obedecer [a decisão da Justiça] e prefere criar um sistema que distorce a realidade e, assim, justifique sua arbitrariedade. É o mesmo mecanismo que usou com o sistema de estatísticas desde 2007 para manipular dados de inflação e pobreza”, diz Silvana Giudici, da Fundação LED (Liberdade de Expressão e Democracia).

Giudici já foi deputada e faz oposição ao governo.

Martin Etchevers, do Grupo Clarín, afirma que “os anunciantes privados são rigorosos e vão buscar validar o mecanismo de medição estatal”. “Não posso afirmar ainda que o Sifema será usado para legitimar a canalização das verbas oficiais de publicidade. Mas esse governo tem antecedentes em manipulação de estatísticas”.

Escolar, que está à frente do Sifema, repudia a acusação: “O consórcio é formado por universidades autônomas, que não são controladas pelo governo. Além disso, vamos ser auditados”.

***

Canal infantil conta ‘versão oficial’ da história

A mídia estatal argentina tem programas que defendem incondicionalmente o governo federal –caso, por exemplo, da mesa redonda sobre política 678, exibida pela TV Pública.

Na TV paga, o canal estatal PakaPaka relata a história do país às crianças, sempre passando pelo aval do Ministério da Educação, ao qual é vinculado.

Zamba é um personagem infantil de um desenho animado do PakaPaka. Em um dos episódios da série, ele pergunta à professora por que houve a Guerra das Malvinas. “Porque as ilhas são argentinas, mas foram ocupadas pela Inglaterra. Em 1982, a Argentina quis recuperá-las à força e isso desencadeou uma guerra entre os dois países.”

O tema das Malvinas já foi abordado duas vezes (um episódio chama “Zamba nas Invasões Inglesas”). Outra aventura do personagem foi no porão da Casa Rosada onde viviam fantasmas da ditadura, representados por um vilão com três cabeças, as dos ditadores da Junta Militar que deu o golpe de Estado em 1976.

Sebastián Mignogna, diretor da produtora de vídeos El Perro en la Luna, responsável pelo Zamba, diz que o desenho “tenta aproximar a história das crianças com estratégias pensadas pelo Ministério da Educação”.

Recentemente, a diretora Verónica Fiorito trocou de emprego e foi trabalhar no Ministério de Cultura, no qual foi criada a Secretaria de Pensamento.

“É importante ter um canal para as crianças para ampliar direitos. Nenhum dos meios privados tem essa missão, a proposta deles é o lucro”, diz Facundo Agrelo, coordenador de conteúdos do canal. Ele conta que o próximo tema “sensível” que será tratado nas aventuras de Zamba será o atentado terrorista contra a organização judaica Amia, em 1994, quando morreram 85 pessoas.

“As crianças escutam falar sobre as Malvinas, sobre os desaparecidos (militantes assassinados durante a ditadura) e essa é uma forma de dar respostas às inquietudes deles. Não é exatamente ensinar, mas, sim contar para que eles consigam refletir com os pais ou nas aulas”, diz Agrelo. (F.G.)

******

Felipe Gutierrez da Folha de S.Paulo, em Buenos Aires

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem