Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

TV EM QUESTãO > VER TV

Ajuda aí, Datena

Por Ulisses Tavares em 25/11/2014 na edição 826
Reproduzido d’O TREM Itabirano nº 111, novembro 2014, intertítulo do OI

Quem nunca assistiu ao programa Brasil Urgente, sensacionalista como convém a uma atração televisiva policial, levante a mão.

Você, exceção ou mentiroso, pode abaixar o braço para não ficar com câimbra.

O programa bate recordes de audiência e seu apresentador, José Luiz Datena, faz muito bem o papel de justiceiro virtual de um Brasil real e impotente diante da injustiça.

Mas quem não acompanha o Datenão, grande, carismático e “gente como a gente”, também não precisa.

O que aparece na telinha é apenas a ponta de um iceberg sanguinolento que flutua no mar de lama do país.

Todos os dramas e mazelas que ele mostra diariamente são apenas retratos bem editados da terrível insegurança pública.

Basta abrir a porta, ou nem isso, para se candidatar a virar notícia do Datena.

É torcer, e rezar, para não acontecer.

Não há como fugir da violência num país que até prende, mas solta rapidinho, bandidos de todos os tipos, classes e idades.

E o que tem tudo isso a ver com nós, os defensores de animais?

Simples: invariavelmente, as vítimas entrevistadas, ou seus familiares, classificam seus algozes e atacantes como animais.

E o Datenão também, na falta do adjetivo correto, chama de animais os bípedes humanos que batem, roubam e matam.

Bichinhos sofrem

Ora, animais não merecem ser comparados a predadores humanos.

Isso só reforça o senso comum, e preconceituoso, de que somos superiores a tal ponto que, quando nos comportamos com selvageria com nossos semelhantes, nos “rebaixamos” à condição de bichos.

Puxa vida, isso que é, para usar outra expressão muito utilizada, coisa de mundo-cão.

Nós, protetores de animais, sabemos que aquilo que bípedes humanos fazem com seus iguais biológicos fazem em dobro com seres sencientes de quatro patas ou que rastejam ou voam.

E também impunemente.

Violência humana não tem paralelo, nem na linguagem, na natureza. Bicho não mata sem fome. Bicho não agride se não for para se defender. Bicho não é gente. Ainda bem.

Os personagens de Datena são monstros, canalhas, bárbaros, tudo, menos animais.

Datena adora cachorros, lê muito e valoriza a cidadania, é sangue-bom. Bem que poderia usar sua influência para pôr o rótulo certo nos calhordas escrachados em seu programa.

Se possível, também destacar as atrocidades que os inocentes e desprotegidos – e, além de tudo, difamados pela mídia e pela população – bichinhos sofrem.

Os que não podem reclamar, nossos irmãos de pelos, escamas e penas, mais sofridos que nós nesta terra de ninguém, agradecem.

Ajuda aí, Datena!

Ulisses Tavares não acha que humano e animal é igual. Humano é muito pior. Coisas de poeta.

******

Ulisses Tavares é poeta

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem